Seringueira: da madeira à borracha

0
867
Foto:  Miriam Lins

Yanka Beatriz Costa Lourenço
Engenheira florestal, mestre em Ciência e Tecnologia da Madeira e doutoranda em Engenharia de Biomateriais – Universidade Federal de Lavras (UFLA)
yankalourenco97@gmail.com
Kamilla Crysllayne Alves da Silva
Engenheira florestal e mestranda em Recursos Florestais – Universidade de São Paulo (USP)
kamilla.alves@usp.br
Nayane da Silva Lima
Engenheira florestal e mestranda em Ciências Florestais – Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
nayanelima99@gmail.com

A Hevea brasiliensis (Willd. Ex Adr. De Juss) Muell. Arg., popularmente conhecida como seringueira, ocorre em grande parte na região amazônica do Brasil, em áreas inundáveis da mata de terra firme e em margem de rios, embora plantações comerciais tenham se estendido para outras regiões brasileiras em razão da sua grande importância econômica, devido à fonte de borracha natural, matéria-prima de inúmeros produtos.

Características

A seringueira é uma planta rústica com tronco ereto de 30 a 60 cm de diâmetro, apresenta casca escamosa, e sob condições favoráveis pode atingir 30 m de altura. A partir do 6º ao 7º ano, inicia-se a produção do seu látex.

Em habitat natural, a seringueira pode chegar a 100 anos de idade, contudo, em plantios comerciais, o ciclo de vida é reduzido para 35 anos, por consequência da extração do líquido leitoso.

Passo a passo

A extração da borracha, nos dias atuais, é obtida por um conjunto de processos que visam facilitar a atividade. O passo inicial é a abertura das vias de acesso ao seringal, permitindo facilitar o encontro mais rápido da espécie.

Logo após, realiza-se a limpeza no entorno da árvore, otimizando o trabalho. Em seguida, é realizada a marcação dos espaços, denominados “panos” ou “painéis”, destinados aos cortes durante o processo de extração.

Geralmente, utiliza-se em torno de quatro panos, o que é estabelecido pela maior ou menor espessura do tronco. Em seguida, é realizada a limpeza do local de extração com o auxílio do raspador e inicia-se o processo de corte, feito com o auxílio de uma faca específica para executar tal atividade.

O corte, por sua vez, é traçado no sentido transversal, podendo ser tanto do lado direito quanto esquerdo. Após a realização dos cortes destinados à “sangria” da seringueira, espera-se um período de três dias, que são destinados à recuperação da espécie.

O látex da seringueira é composto por 35% de hidrocarbonetos, além de proteínas, lipídeos, aminoácidos e água. A borracha natural produzida a partir desse látex possui características superiores às sintéticas, em razão da sua estrutura e do seu alto peso molecular, que garante uma maior resiliência, elasticidade, plasticidade, resistência ao desgaste e ao impacto, propriedades isolantes de eletricidade e impermeabilidade para líquidos e gases, que não são garantidas por polímeros sintéticos.

Versatilidade

Como a maior fonte produtora de borracha natural do mundo, a seringueira tornou-se essencial para a fabricação de diversos objetos distribuídos em diversos setores, como no automobilístico na confecção de pneus e acessórios para motos, carros, caminhões e até mesmo aviões, no setor da saúde e veterinária na fabricação de luvas, tubos, seringas e catéteres, além de objetos em geral, como brinquedos, acessórios para celulares, calçados e artigos de decoração.

Produção e avaliação econômica da produção do látex

Base para diversos processos industriais, o látex possui maior produção no continente asiático, sendo cerca de 80% da produção de borracha natural proveniente dos pequenos produtores da Tailândia, Indonésia e Malásia.

No Brasil, a produção corresponde a cerca de 180 mil toneladas, o que lhe confere o título de maior produtor de borracha natural da América Latina. Porém, cerca de 63% do material é importado, diretamente do seu consumo interno, e assim responsável por produzir apenas 1% em relação ao contexto mundial.

Os principais Estados extratores de látex são: São Paulo, Bahia, Mato Grosso, Goiás, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Pará, Paraná, Pernambuco, Acre, Rio de Janeiro, Amazonas, Tocantins e Rondônia, com destaque para Goiás, que produz cerca de 20 mil toneladas.

São Paulo é classificado como o maior produtor de borracha natural, obtendo uma produção em torno de 60% em relação ao país, o que corresponde a 108 mil toneladas.

Produtividade

Os níveis de rendimento para a produção de látex tiveram um aumento significativo com o passar dos anos, indo de 864 kg/ha no ano de 1990 para 2.216 kg/ha em 2015. Tal resultado é consequência do avanço tecnológico, bem como da escolha e manejo da espécie.

A região sudeste do País apresentou resultados expressivos para o rendimento, que varia de 2.000 kg/ha no ano de 1990 para 2.700 kg/ha entre os anos de 2010 a 2016, tendo os estados que mais se destacaram durante 2010-2016: São Paulo (3.007 kg/ha), Goiás (2.857 kg/ha). e Minas Gerais (2.362 kg/ha).

Na produção, foi observado um aumento gradual entre os anos de 1990 e 2014, quando foram obtidas 24.284 toneladas em 1990, menor valor alcançado, e 320.649 toneladas em 2014, valor mais alto para os índices de produção.

Com média anual (2015-2016) de 210.000 toneladas, a região sudeste é considerada destaque na produção, o que corresponde a cerca de 70% da produção nacional. As demais regiões acumulam cerca de 50.000 toneladas, tendo as regiões norte e sul o acumulado de 6.000 toneladas.

A região sudeste é responsável pela variação nacional dos custos de produção, sendo de R$ 2,00 per capita em 1990, chegando a R$ 5,50 em 2016. Os maiores valores per capita para a produção concentraram-se nos Estados de Mato Grosso (R$ 36,50 por habitante), Espírito Santo (R$ 7,60 por habitante), Tocantins (R$ 5,01 por habitante), São Paulo (R$ 4,59 por habitante) e Bahia (R$ 4,25 por habitante) no ano de 2016.

Seringueira, além da borracha

Com seu uso disseminado e perspectivas de demanda futura, o pequeno produtor desfruta da seringueira como uma fonte de renda alternativa diante da possibilidade de consórcio com outras espécies.

Entretanto, ainda são necessários investimentos em tecnologia que permitam a adaptação da espécie às diferentes condições naturais de cada região do País e mão de obra qualificada para a extração do látex.

Destinar produções alternativas para espécies como a seringueira é a garantia de uma rotatividade de capital para pequenos e grandes produtores e, também, a possibilidade do aproveitamento integral das espécies.

Com seu ciclo produtivo de látex girando em torno de 30 anos, os plantios após esse período tendem a ser suprimidos para replantio. Entretanto, estudos mostram as possibilidades de uso além do látex.

Nos últimos anos, tem-se evidenciado que, após a produção de látex ser reduzida abaixo do nível considerado economicamente viável, a exploração da madeira de seringueira passa a representar uma nova fonte de utilização econômica com o processamento da sua madeira.

A madeira recém-serrada de seringueira apresenta cor clara ou creme e um tom rosáceo e um pouco mais amarelado, quando submetida à secagem. Não apresenta diferenciação entre cerne e alburno e tem densidade variando entre 560 a 650, considerada uma madeira de média densidade.

A madeira apresenta boas características de trabalhabilidade, sendo possível ser serrada, furada, torneada, aceitação de prego e facilmente colada. A madeira de seringueira, sob o ponto de vista da resistência ao ataque de xilófagos, é considerada suscetível em sua forma natural. Necessita, portanto, de tratamento preservativo.

A combinação de sua densidade, cor e fácil trabalhabilidade faz com que seu potencial de utilização seja enorme. Sua aplicação vem desde a fabricação de compensado, aglomerado e MDF até a madeira sólida, empregada na indústria moveleira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!