21.2 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 19, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosSilício garante mais açúcar na cana

Silício garante mais açúcar na cana

Aldeir Ronaldo SilvaEngenheiro agrônomo e doutorando em Fisiologia e Bioquímica de Plantas – ESALQ/USPaldeironaldo@usp.br

João Pedro Ramos da SilvaEngenheiro agrônomo e mestrando em Fisiologia e Bioquímica de Plantas – ESALQ/USPjoaopedror@usp.br

Cana – Crédito: Ana Maria Diniz

O silício não é considerado um elemento essencial, mas sim benéfico para as plantas, ou seja, sua ausência não levará a planta à morte, porém, em muitos casos ele aumenta o crescimento e a produção. Para a cana, o silício contribui para o crescimento das plantas, aumenta o teor de açúcar e a produtividade, além de melhorar as condições morfológicas e bioquímicas, contribuindo diretamente para a nutrição e aumentando a resistência a pragas e doenças, e atuando em várias rotas de estresse na planta.

Silício x açúcar na cana

Algumas culturas são acumuladoras de silício. Como exemplos clássicos podemos citar o arroz e a cana-de açúcar. No caso da cana, pode ser encontrado de 0,14 a 4% de silício em sua massa seca, variando de acordo com a disponibilidade de silício no solo para a cultura.

Embora não seja um nutriente essencial para a maioria das plantas, é inegável que o silício traz uma série de vantagens para o crescimento e desenvolvimento das culturas, principalmente para as acumuladoras, melhorando sua atividade fotossintética graças ao acréscimo de clorofila presente nas folhas, o que resulta em maiores taxas de fotossíntese líquida e também de fotoassimilados produzidos.

Além disso, o silício ainda está envolvido no fortalecimento das estruturas da parede celular, no aumento da lignificação, no posicionamento mais ereto das folhas, auxiliando a interceptação de luz solar na planta, além de atuar na redução do acamamento, na minimização do estresse hídrico pela redução da transpiração e na ativação de mecanismos específicos, como a produção de fitoalexinas.

Dicas

Para início, a análise de solo deve ser realizada afim de verificar a quantidade de nutriente presente no local, sendo uma etapa importante que não deve ser descartada. Se possível, também realizar a análise de folha. Após a realização da análise de solo, é recomendável a utilização de silicatos, podendo ser o silicato de cálcio, magnésio ou potássio.

Os silicatos estão presentes na forma líquida, pó e grânulos e podem ser aplicados tanto via solo como foliar, embora em dias com temperaturas elevadas, chuvosos e/ou com ventos fortes não seja recomendada a aplicação foliar.

O fertilizante em pó deve ser aplicado em toda área e posteriormente incorporado. Já em forma de grânulo, pode ser oferecido na adubação com outros nutrientes em linha de plantio. A aplicação do silício pode ser realizada antes do estabelecimento da cultura ou após o plantio.

Segundo Reis (2007), doses de silício recomendadas para uma boa produção estão na faixa de 1,5 a 2,0 t/ha. Entretanto, trabalhos já constataram aumentos significativos na produtividade com valores acima de 5,0 t/ha. Sendo assim, as características químicas e físicas do solo são muito importantes para definir qual valor será utilizado.

Relação com a produtividade

[rml_read_more]

O silício é o elemento mais exportado pela cana-de-açúcar, seguido por potássio, nitrogênio, cálcio e magnésio. Pesquisas realizadas com cana-de-açúcar constataram aumento de 11 a 16% na cana-planta e de 11 a 20% na cana-soca, quando utilizadas 2,8 toneladas de silicato de cálcio e magnésio por hectare. Em outros trabalhos foi possível observar aumento de 16 toneladas na produção de colmos na cana-soca.

Estudos demonstraram que a utilização de silício pode aumentar tanto a produtividade na cana-planta quanto na soqueira. Em um dos trabalhos foi possível observar um aumento de 23,3 toneladas de colmos por hectare com a utilização de silicato de cálcio.

Em outros experimentos utilizando silicato de cálcio foi possível observar tanto aumento na produção de colmos, resultando em acréscimo de 10%, como aumento de 11% na quantidade de açúcar presente nas canas-de-açúcar.

Na ponta do lápis

A tonelada de silício está na faixa de R$ 40,00 a preços mais elevados, quando associado a outros nutrientes. Levando em consideração o valor de R$ 40,00 para uma tonelada, o produtor gastaria R$ 80,00 com o insumo e mão de obra, e ao final obteria R$ 160,00 de valor líquido, graças ao aumento na produção.

Erros e acertos

Os erros predominantes na aplicação do silício são: carência de conhecimento da quantidade do nutriente presente do solo, doses inadequadas e época de aplicação. Lembrando que a análise de solo deve ser realizada afim de determinar a dose ideal a ser utilizada e, consequentemente, evitar custos de produção.

Doses elevadas devem ser evitadas, pois os fertilizantes silicatados possuem a capacidade de diminuir a absorção de outros nutrientes.

A aplicação via foliar deve ser realizada preferencialmente no início ou final do dia, com ausência de vento e de altas temperaturas, evitando deriva do produto e/ou sua evaporação.

Além de ser importante como fonte de nutriente e também atuar na correção de acidez no solo, muitos estudos comprovaram que a utilização de silício, seja via solo, foliar ou solução nutritiva, contribui de forma significativa para o controle da severidade de inúmeras doenças de importância econômica, como por exemplo mancha parda e ferrugem em cana-de-açúcar.

Além disso, observou-se em outras pesquisas que o silício reduziu também o ataque de pragas, como no caso da broca-da-cana, cigarrinha das folhas e também das raízes. Esses resultados são identificados pelo fato de o silício atuar nos mecanismos de defesa das plantas, como na produção de compostos fenólicos, quitinases, peroxidases e acúmulo de lignina.

ARTIGOS RELACIONADOS

Como é o mapeamento da área com uso de água para cana-de-açúcar?

Segundo o Levantamento da Cana-de-Açúcar Irrigada e Fertirrigada no Brasil, apenas 5% das áreas com uso intenso de água demandam 56,7% do volume total para a...

ÓLEO INTEGRAL PARA PULVERIZAÇÃO AGRÍCOLA

O óleo mineral agrícola CADIUM BIO PLUS é um produto utilizado na agricultura brasileira como adjuvante ou componente de formulações de defensivos agrícolas.

Aminoácidos eliminam estresse nas plantas

O glutamato pode ser considerado um aminoácido fundamental, pois ele serve como base de formação para outros, como, arginina, prolina, glutamina e aspartato, além de ser formador da molécula de clorofila e auxiliar na nodulação e fixação do nitrogênio (Taiz; Zeiger,2013).

Análises de solo e de folha – O sucesso para uma nutrição equilibrada e sustentável

Dentre os diversos fatores que influenciam o crescimento e desenvolvimento das culturas, a disponibilidade de nutrientes é decisiva para obtenção de altas produtividades. Produção abaixo da esperada, muitas vezes está associada à utilização de solos de baixa fertilidade, ao suprimento e fornecimento inadequado de nutrientes durante o ciclo da cultura.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!