19.6 C
Uberlândia
segunda-feira, fevereiro 26, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosSilício: milho safrinha mais resistente às pragas

Silício: milho safrinha mais resistente às pragas

O silício atua como uma barreira física e estimula a planta a produzir substâncias que aumentam sua resistência a pragas e doenças.

O milho safrinha, um componente essencial na agricultura brasileira, enfrenta constantes desafios de previsões e doenças que podem comprometer sua produtividade.

Crédito: Shutterstock

Um aliado do produtor tem sido o silício, que atua no fortalecimento da resistência das plantas. Éder de Souza Martins, pesquisador da Embrapa Cerrados, especialista no estudo de rochas silicáticas como fontes de nutrientes para a agropecuária, explica que o silício pode ser introduzido no solo ou nas folhas da planta.

“Naturalmente, cinzas vulcânicas transportadas pelo vento depositam silício no solo e nas folhas, mas em solos tropicais, especialmente no Brasil, a disponibilidade de silício é geralmente baixa. A utilização de fontes como silicatos derivados de escórias de siderurgia ou rochas silicatadas torna-se crucial”, esclarece.

Ele acrescenta que o processo envolve o intemperismo de minerais ricos em silício, liberando-o para o solo. Esse silício, ao ser transportado pelas raízes, atua como uma barreira física e estimula a planta a produzir substâncias que aumentam sua resistência a pragas e doenças. Tais mecanismos se tornam fundamentais para a proteção das plantas.

Eficácia do silício

Martins destaca que o silício não tem uma ação específica contra certos fungos ou insetos. No entanto, age como uma defesa eficaz no combate a insetos sugadores ou mastigadores, inibindo os danos que poderiam surgir, já que a mastigação ou sucção torna-se mais difícil devido à barreira física de silício.

“Quanto aos fungos, a aplicação de silício via raiz fortalece a resistência, enquanto a aplicação foliar atua como uma barreira física, ao cobrir as folhas, dificultando que os fungos encontrem os estômatos, que são comumente usados como ponto de entrada para infectar a planta. Esse manejo integrado contribui para o manejo eficaz de práticas e doenças”, diz.

O processo envolve o intemperismo do mineral rico em silício, liberando silício e outros elementos como cálcio, magnésio, potássio e sódio. O silício liberado entra nas plantas pelas raízes, depositando-se no espaço intercelular.

O pesquisador conta que esse silício tem dois efeitos principais: “um efeito físico, atuando como uma barreira protetora, e outro efeito de indução, estimulando a planta a produzir substâncias que aumentam sua resistência a pragas e doenças. Estes são os dois mecanismos fundamentais desse processo”.

Recomendações de aplicação

O pesquisador alerta que é crucial avaliar a disponibilidade de silício no solo antes da aplicação. “Se uma análise mostrar menos de 10 miligramas por quilograma de silício disponível no solo, a aplicação é recomendada. Nesse caso, torna-se necessário aplicar fontes de silício, como remineralizadores, especialmente aqueles mais ricos em cálcio e magnésio, e o silicato de cálcio e magnésio derivado da indústria siderúrgica, que apresentam elevada disponibilidade de silício”, indica.

Ele relata que não há uma dose específica recomendada, exceto para a aplicação de silicato de cálcio, que visa aumentar a disponibilidade de silício acima de 10 miligramas por quilograma no solo. No entanto, a dosagem dependerá das características específicas de cada caso.

O objetivo principal é garantir que a planta obtenha o silício e acumule nos tecidos vegetais, pois isso proporciona proteção à planta e reduz os efeitos adversos, como a perda de água. “A presença de silício contribui para a regulação da transpiração, protegendo assim a planta”, resume Martins.

Benefícios do silício

Sobre benefícios, Martins afirma que pode existir um impacto na produtividade e qualidade da lavoura relacionado a vários fatores associados ao silício. “Um desses fatores é a melhoria na arquitetura da planta em relação à eficiência da fotossíntese, uma vez que o silício atua como um componente estrutural, mantendo a planta mais ereta e reduzindo os efeitos do acamamento. Isso resulta em maior resistência da planta e aumento na eficiência da fotossíntese”, pontua.

Além disso, ele conta que o silício regula a entrada de nutrientes, inclusive de micronutrientes, o que é crucial para os mecanismos de absorção. Essa regulação beneficia a eficiência nutricional da planta, refletindo positivamente na qualidade, embora não necessariamente na produtividade.

Um indicador reconhecido pelos agricultores é o aumento do peso de mil sementes, indicando um aumento na densidade nutricional do grão.

Fontes ideais de silício

Ao considerar a adubação foliar com silício, é crucial avaliar a fonte do mesmo. “A terra de diatomáceas, por exemplo, é rica em silício e possui alta disponibilidade, especialmente por ser fina. Outras fontes, como rochas moídas, também podem ser eficazes, desde que sejam moídas a uma granulometria adequada para evitar obstruções nos bicos dos pulverizadores. A denominação “leite de pedra” é comumente usada para descrever esse processo de transformar rochas em uma suspensão coloidal para aplicação foliar”, esclarece o especialista.

Ainda segundo ele, a escolha da fonte deve considerar a capacidade de suspensão em água, e adicionar extratos vegetais, como o de babosa, pode contribuir para manter as partículas na superfície das folhas e prolongar a eficácia.

A possibilidade de combinar essas fontes com micronutrientes existe, embora mais pesquisas sejam necessárias para otimizar as formulações. No entanto, a aplicação foliar de silício, combinada com outros elementos, é viável e promissora, representando uma área que requer mais investigação.

ARTIGOS RELACIONADOS

XIV Seminário Nacional de Milho Safrinha acontece em Cuiabá, em novembro

Cuiabá, capital de Mato Grosso, recebe em novembro o XIV Seminário Nacional de Milho Safrinha (SNMS). Realizado a cada dois anos, o evento é...

Saiba como controlar a mancha-branca no milho

Hercules Diniz Campos camposhd@brturbo.com.br Lilianne Martins Ribeiro Doutores em Agronomia e professores - Universidade de Rio Verde (UniRV) O crescente aumento da ocorrência de doenças na cultura...

Silício x requeima do tomateiro

O silício auxilia na proteção contra pragas e doenças, além de reduzir os estresses hídricos. Ele melhora o crescimento, fotossíntese e aumenta os níveis de clorofila e carotenoides.

Alternativas que amenizam o déficit hídrico

  Boa parte dos produtores rurais tem sua parcela de participação no processo de degradação da natureza. Outros, porém, já adquiriram consciência a respeito da...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!