20.6 C
Uberlândia
sábado, maio 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosSilo-bolsa é uma opção barata e eficiente

Silo-bolsa é uma opção barata e eficiente

A vida útil desse material pode chegar a 10 anos, onde os grãos podem permanecer armazenados por até 24 meses

Geovana Almeida Carmo
Engenheira agrônoma e mestranda do Programa de Pós-Graduação em Olericultura – Instituto Federal Goiano
geovanaalmeidacarmo@hotmail.com

Túlio de Almeida Machado
tulio.machado@ifgoiano.edu.br

Emerson Trogello
emerson.trogello@ifgoiano.edu.br
Professores do Instituto Federal Goiano – Campus Morrinhos

Os armazéns graneleiros de concreto e silos metálicos são, muitas vezes, insuficientes para atender às necessidades dos produtores e empresas armazenadoras de grãos, pois, além de possuírem um valor maior de aquisição e montagem da estrutura, há também o custo com manutenção e mão de obra de todo este sistema.

Os grãos devem ser armazenados em torno de 13% de umidade
Crédito: Nòrtene

No Brasil, o custo de produção alto e, devido ao clima tropical, sempre há riscos causados pela irregularidade das chuvas e o posterior surgimento e ocorrência de pragas e doenças. Portanto, qualquer valor a ser reduzido sem interferência na produtividade é benéfico para o produtor.

Neste contexto, os silos-bolsa são uma opção relativamente recente para armazenagem de grãos e silagem e entregam uma relação de custo/benefício positiva, destacando-se por ser uma opção barata e viável e que permite a manutenção do produto armazenado com bons níveis de qualidade por um bom tempo.

Esta técnica é amplamente utilizada em outros países com tradição na produção de grãos e seu uso no Brasil cresce a cada ano com o aumento da demanda de armazenagem de cereais e oleaginosas.

É, também, uma alternativa para aumentar a capacidade estática das empresas armazenadoras ou mesmo de armazéns localizados nas propriedades rurais pois, atualmente, a capacidade de armazenamento no Brasil está abaixo de uma produção que frequentemente bate os recordes nacionais e mundiais.

Tipos de silos

Segundo a Conab, o Brasil possui a capacidade de armazenar aproximadamente 73,28% da produção de grãos colhidos e somente os silos-bolsa não resolvem este déficit da capacidade de armazenagem, mas são capazes de sanar parte do problema.

Os modelos mais comuns de silos são os de concreto ou metálicos. Diferentes destes, os silos bolsa são tubulares e podem ser utilizados tanto para grãos quanto para silagem. Apresentam tamanhos de 30 a 60 metros e possuem capacidade estática de armazenamento de até 200 toneladas, dependendo do produto a ser armazenado.

É fabricado com camadas de polietileno e constituído basicamente com uma camada interna e outra externa. A camada interna, na maioria das vezes, apresenta cor preta e tem como função fornecer escuridão ao grão para manter seu brilho e cor, além de garantir resistência mecânica do silo.

A parte externa possui uma coloração branca composta de filtros e aditivos contra raios ultravioletas (UV). Desse modo, o grão armazenado não é aquecido pela ação dos raios solares infravermelhos e visíveis, uma vez que são bloqueados.

Contém, também, uma camada neutra, entre as camadas externa e interna. A aplicabilidade do silo-bolsa está relacionada com a quantidade de camadas na sua constituição que, em geral, são três, responsáveis para a sua aplicação.

Porém, há também no comércio silos herméticos de cinco camadas.

Durabilidade

A vida útil desse material pode chegar a 10 anos, onde os grãos podem permanecer armazenados por até 24 meses. Periodicamente, o silo pode ser aberto, caso necessário, para a retirada de uma determinada quantidade de grãos e, após a retirada ter sido efetuada, deve ser fechado novamente, eliminando o ar para evitar o processo fermentativo.

Após a abertura e fechamento, deve haver também o monitoramento da massa de grãos armazenada.

Em relação à qualidade dos grãos colhidos, observa-se que impurezas e umidade são fatores limitantes para o armazenamento em silos-bolsa. Portanto, é necessário que, antes de realizar o armazenamento neste tipo silo, os grãos colhidos passem, caso necessário, por um processo de limpeza e secagem ou aeração, já que estas medidas reduzem perdas por fermentação.

Umidade ideal

Os grãos devem ser armazenados, preferencialmente, em torno de 13% de umidade. Para isso, são necessários cuidados durante a colheita, como: redução da velocidade e regulagem do sistema de limpeza e separação da colhedora.

Portanto, os grãos, para serem armazenados em silos-bolsa devem estar limpos e secos, pois alguns possuem maior capacidade para trocar umidade com o meio, o que influencia no tipo de silo-bolsa a ser utilizado.

Por se tratar de uma lona plástica, o material do silo possui alguma permeabilidade de ar e a quantidade de camadas plásticas da “bolsa” é um fator que modifica os teores de troca de umidade entre os meios interno e externo.

Em um meio externo com alta umidade e grãos armazenados com alta capacidade de absorção de água, é necessário um maior número de camadas plásticas para reduzir essa troca de umidade com o meio e, consequentemente, armazenar o produto com qualidade por um maior tempo.

Devido ao silo ser hermético, o produto é armazenado com retirada de oxigênio. Desse modo, fungos e insetos não são capazes de se desenvolver e sobreviver para causar danos ao produto armazenado.

Porém, com as falhas do material e a oxigenação, poderá haver a entrada de umidade e ocorrência do processo de fermentação, que pode ser acelerado pelas altas temperaturas e sombreamento interno.

Instalação

Para a instalação dos silos-bolsa, são necessárias algumas observações importantes, tais como a disponibilidade de área para a alocação dos silos e a qualidade do produto colhido.

É necessário um espaço para que haja o manuseio das lonas e dos grãos, feito por máquinas para carregamento (e posterior descarga) e o manuseio para a orientação dos silos neste local.

Para uma mesma quantidade de grãos, é necessária uma área maior, pois em armazéns convencionais os silos metálicos e de concreto são, em muitos casos, de disposição vertical. Como os silos bolsa possuem disposição horizontal, há a tendência de que ocupem um maior espaço.

Viabilidade

Os silos se tornam viáveis quando comparados a outras estruturas de armazenamento. Essa viabilidade acontece por meio de custos reduzidos com infraestrutura, mão de obra, maquinário e aquisição de materiais.

Silos de concreto e metálicos necessitam de mão de obra especializada para sua instalação, projetos robustos que visam atender a demanda local ou até regional e aquisição de materiais de alto custo.

Assim, o armazenamento de grãos colhidos em uma propriedade rural modifica a operação de colheita, que depende de caminhões ou mesmo com as filas em armazéns diversos, estendendo-se até a expedição nos terminais portuários.

Com a utilização dos silos-bolsa, há a economia com o frete de caminhões, evitando, assim, despesas com combustível, ou mesmo terceirização do serviço para mobilidade dos grãos.

Com isso, o produtor possui a opção de reduzir o custo e esperar o momento oportuno para comercializar a produção, porque o valor gasto na armazenagem é, normalmente, menor do que o valor de venda do produto.

Para pequenas quantidades, os silos convencionais (metálicos ou de concreto) são inviáveis economicamente, enquanto que os silos-bolsa possuem baixo custo e boa eficiência. Isso não implica na sua utilização apenas para pequenas quantidades, pois há silos de diversos tamanhos para atender um vasto público.

Comparativo

Nos silos convencionais, não há a possibilidade da separação de menores quantidades em lotes, como é realizado nos silos-bolsa. Desse modo, podem ser divididos os grãos transgênicos dos não transgênicos, de acordo com as datas de colheita, ou ainda, separar a produção levando em consideração as áreas de onde foram colhidos.

Empresas armazenadoras normalmente possuem uma capacidade estática fixa e, quando há a necessidade de ampliação, é realizada com obras com fluxo intenso de pessoas, equipamentos e materiais.

A mão de obra especializada para realizar o manejo de operações como pré-limpeza, secagem, recepção e expedição também é necessária, quando se possui uma estrutura fixa de armazenamento.

Cuidados fundamentais

Para utilização dos silos-bolsa, a preparação do terreno de instalação, a mão de obra, o custo dos materiais e a infraestrutura são reduzidos, e podem ser realizados por operadores com a utilização de tratores e máquinas para enchimento e descarga do silo. A operacionalidade de transportadores de grãos, moegas, balanças, etc. não é necessária.

Portanto, a utilização de silos-bolsa para o armazenamento a nível propriedade, divisão da produção em lotes ou mesmo para situações de expansão temporária ou emergência se torna viável a produtores e empresas que necessitem guardar seus grãos por um período e não queiram fazer grandes investimentos.

ARTIGOS RELACIONADOS

A alternativa do barter no agronegócio

A prática do barter tem sido ensinada por especialistas do agronegócio, como a empresária e co-autora do livro "Mulheres no Agronegócio", Nina Plöger.

Culturas de inverno alternativas ao milho

Os Estados do Sul estão empenhados em um projeto que busca fomentar a ampliação das áreas com culturas de inverno.

Produtor deve olhar o negócio como alternativa à crise dos fertilizantes

Especialistas destacaram em live da SIA sobre a importância do planejamento levando em conta todos os cenários

Copercampos adquire unidade em Fraiburgo/SC

A Copercampos assumirá a estrutura da Copercon em 1º de dezembro. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!