20.5 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosSistema rotacionado cultivo de arroz irrigado e soja

Sistema rotacionado cultivo de arroz irrigado e soja

Diouneia Lisiane BerlitzDoutora e proprietária – DLB Soluções Biológicas – Assessoria e Consultoriadberlitz@hotmail.com

Cleiton José RamãoEngenheiro agrônomo – 12º NATE-IRGA, Uruguaiana (RS)

Júlio Kuhn da Trindade Engenheiro agrônomo – IRGA Cachoeirinha

Arroz – Crédito: Shutterstock

A irrigação via pivô central está em alta e vem sendo utilizada em lavouras do Rio Grande do Sul. Essa técnica permite uma economia superior a 50% no uso de água, em comparação com as duas outras formas de irrigação, além de viabilizar a rotação de culturas.

Na safra 2018/19 o cultivo de arroz nessa modalidade foi muito expressivo na Fronteira Oeste do Estado, com a utilização de 25 pivôs em uma área superior a dois mil hectares. O custo de produção utilizando o sistema de inundação por taipas foi de R$ 6.503,74 ha-1 e R$ 7.194,03 ha-1 para as safras 2017/18 e 2018/19, respectivamente.

No sistema de irrigação via pivô, os custos foram de R$ 5.287,72 e R$ 5.640,16 para as respectivas safras, de acordo com Tortelli et al., (2018).

Viabilidade

No sistema rotacionado, o cultivo de soja com arroz é favorável, pois pode reduzir o banco de sementes de plantas daninhas, especialmente o arroz vermelho, uma vez que a soja pode impedir a emergência dessas sementes, além de propiciar qualidade ao solo decorrente da adubação.

Apesar disso, no cultivo de soja deve ocorrer o correto manejo de plantas daninhas para que estas não se tornem problemas maiores quando inserir o arroz no campo. Outra vantagem desta interação é a ‘quebra’ do ciclo de pragas, como os insetos, e agentes causadores de doenças, como fungos e bactérias, cujo alvo não é a soja, além da reposição de matéria orgânica e a manutenção da cobertura do solo proteger contra as radiações solares.

Para a implementação dessa rotação, sistema conhecido como ‘ping-pong’, é necessário o preparo do solo por meio do desmonte das taipas, correção de rastros deixados no período de colheita do arroz, e avaliação do solo, uma vez que valores baixos de pH e fósforo podem dificultar o desenvolvimento da soja.

Além disso, avaliar a aplicação de herbicida anterior à semeadura da soja poderá diminuir a quantidade de aplicações desse insumo posteriormente. Em relação à produtividade do arroz, o incremento pode atingir 15% decorrente da rotação com soja. Já no caso da soja, a produtividade foi de, aproximadamente 2.500 kg ha-1 na safra 2018/19 em rotação com o arroz (IRGA-Dater).

Pesquisas

[rml_read_more]

Dados do Dr. Julio Kuhn da Trindade (IRGA) apresentam resultados interessantes em diferentes sistemas de cultivo. O trabalho comparou as lavouras cultivadas com arroz e pousio (S1); arroz e azevém no inverno (S2), e arroz, soja e azevém (S3) no período 2013-2017.

No S1 a produtividade média de arroz foi de 203 sc/ha, no S2 foi de 223 sc/ha e no S3 foi de 240 sc/ha. No S3 para a soja, a produtividade média das quatro safras foi de 61 sc/ha. Em relação aos custos para a safra 2018/19, o arroz apresentou 105% de ganhos e 34% de ganho para a soja.

Nesse trabalho também foram avaliados ganhos ambientais relacionados especialmente ao solo, onde o percentual de matéria orgânica (MO) foi superior no S2 e S3, cerca de 6%, com ganhos também na quantidade de fósforo e potássio.

Acredita-se que o sistema rotacionado entre soja e arroz seguirá em ascensão, em que o planejamento pelo agricultor é essencial para o sucesso da atividade. Além dos ganhos econômicos relacionados especialmente à alta liquidez da soja, pode-se citar os ganhos ambientais, com a redução no uso de água e melhoria na qualidade física, química e biológica dos solos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Época seca aumenta a incidência de oídio em estufas

  Ivonete Fátima Tazzo Doutora e pesquisadora da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Sul (FEPAGRO) ivonete-tazzo@fepagro.rs.gov.br Elis Borcioni Doutora e professora da Universidade Federal de...

Qual o melhor momento de plantar cenouras?

Agnaldo Donizete Ferreira de Carvalho Pesquisador da Embrapa Hortaliças A melhor época para plantio de cenoura são as estações outono-inverno, que começam em março e se...

Técnica – Cultivo do cafeeiro com fertilizantes organominerais

Em 2018 a produção de café no Brasil foi estimada em 61,7 milhões de sacas de 60 kg colhidas em uma área de produção de 1.864,3 hectares. De acordo com dados divulgados pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) em seu 4º levantamento da safra 2018, a estimativa da produtividade do café Arábica foi de 31.72 sacas por hectare (37,2% superior à obtida em 2017) e para o café Conilon, 38,59 (37,4% superior à obtida em 2017), constituindo um novo recorde das lavouras de café no País.

STIHL apresenta novos produtos na Agrishow 2017

A feira, considerada uma das mais importantes do segmento de tecnologias agrícolas, acontece de 1º a 5 de maio, em Ribeirão Preto (SP) A STIHL,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!