Sistema rotacionado cultivo de arroz irrigado e soja

0
103

Diouneia Lisiane BerlitzDoutora e proprietária – DLB Soluções Biológicas – Assessoria e Consultoriadberlitz@hotmail.com

Cleiton José RamãoEngenheiro agrônomo – 12º NATE-IRGA, Uruguaiana (RS)

Júlio Kuhn da Trindade Engenheiro agrônomo – IRGA Cachoeirinha

Arroz – Crédito: Shutterstock

A irrigação via pivô central está em alta e vem sendo utilizada em lavouras do Rio Grande do Sul. Essa técnica permite uma economia superior a 50% no uso de água, em comparação com as duas outras formas de irrigação, além de viabilizar a rotação de culturas.

Na safra 2018/19 o cultivo de arroz nessa modalidade foi muito expressivo na Fronteira Oeste do Estado, com a utilização de 25 pivôs em uma área superior a dois mil hectares. O custo de produção utilizando o sistema de inundação por taipas foi de R$ 6.503,74 ha-1 e R$ 7.194,03 ha-1 para as safras 2017/18 e 2018/19, respectivamente.

No sistema de irrigação via pivô, os custos foram de R$ 5.287,72 e R$ 5.640,16 para as respectivas safras, de acordo com Tortelli et al., (2018).

Viabilidade

No sistema rotacionado, o cultivo de soja com arroz é favorável, pois pode reduzir o banco de sementes de plantas daninhas, especialmente o arroz vermelho, uma vez que a soja pode impedir a emergência dessas sementes, além de propiciar qualidade ao solo decorrente da adubação.

Apesar disso, no cultivo de soja deve ocorrer o correto manejo de plantas daninhas para que estas não se tornem problemas maiores quando inserir o arroz no campo. Outra vantagem desta interação é a ‘quebra’ do ciclo de pragas, como os insetos, e agentes causadores de doenças, como fungos e bactérias, cujo alvo não é a soja, além da reposição de matéria orgânica e a manutenção da cobertura do solo proteger contra as radiações solares.

Para a implementação dessa rotação, sistema conhecido como ‘ping-pong’, é necessário o preparo do solo por meio do desmonte das taipas, correção de rastros deixados no período de colheita do arroz, e avaliação do solo, uma vez que valores baixos de pH e fósforo podem dificultar o desenvolvimento da soja.

Além disso, avaliar a aplicação de herbicida anterior à semeadura da soja poderá diminuir a quantidade de aplicações desse insumo posteriormente. Em relação à produtividade do arroz, o incremento pode atingir 15% decorrente da rotação com soja. Já no caso da soja, a produtividade foi de, aproximadamente 2.500 kg ha-1 na safra 2018/19 em rotação com o arroz (IRGA-Dater).

Pesquisas

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.