23.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosSoja, milho e café puxam mercado de biocontrole no Brasil

Soja, milho e café puxam mercado de biocontrole no Brasil

Pragas encontradas nessas culturas impulsionam o mercado para novas soluções.

Bernardo Vieira
Créditos: Divulgação

Antes mesmo da pandemia do novo Coronavírus, as lavouras brasileiras demandavam as chamadas “tecnologias limpas” para o controle de pragas e doenças, setor que tende triplicar de tamanho até 2030, segundo projeções de Marcelo Morandi, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente.

Em 2023, o mercado de biocontrole já movimenta uma cifra de R$ 3 bilhões, vindo de um crescimento de 60% entre os anos de 2018 e 2022. Esta solução inovadora e necessária é, atualmente, utilizada em 20 milhões ha de soja, 10 milhões ha de milho, 6 milhões ha de cana e 400 mil ha de café.

“Somente entre as duas safras mais recentes o mercado de biocontrole mais que dobrou de tamanho, muito impulsionado pelo advento da cigarrinha do milho, vetor de uma doença altamente destrutível e com grandes impactos na produtividade”, aponta Bernardo Vieira, responsável pela área técnica de Controle Biológico da Rovensa Next Brasil.

Vieira ressalta ainda outro ponto favorável à expansão do uso de produtos biológicos no curto prazo: a pressão internacional dos consumidores, que estão fazendo os agricultores a investir em produtos de baixo impacto ao meio ambiente e zero resíduo nos alimentos. É o caso de cafeicultores certificados, por exemplo. Antes de exportarem seus produtos, eles precisam comprovar a qualidade do grão em rigorosas auditorias.

“Contudo, o maior catalisador deste crescimento é a eficiência comprovada dos defensivos biológicos, pois, se ganhos em produtividade e rentabilidade não fossem observados, nada justificaria sua ascensão safra após safra”, avalia o responsável pela área técnica de Controle Biológico da Rovensa Next Brasil, unidade brasileira da empresa que deve movimentar 1 bilhão de euros no segmento de biossoluções até 2025.

Cigarrinha do milho é ameaça real

Desde 2015, Bahia, Goiás, Minas Gerais e São Paulo sofrem com alta incidência de cigarrinha-do-milho (Dalbulus maidis), avançando – a partir de 2019 – para os estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, onde prejuízos de até 80% na produção foram vistos nas últimas safras. A praga carrega consigo os agentes causadores das doenças do enfezamento-pálido (espiroplasma), enfezamento-vermelho (fitoplasma) e virose-da-risca, todas elas com potencial altamente destrutivo.

Além do controle de plantas involuntárias ou tigueras provenientes das colheitas anteriores, que servem de hospedeiras para o inseto, é recomendado o uso de bioprodutos enquadrados no Manejo Integrado de Pragas (MIP), possibilitando matar cigarrinhas, percevejos e pulgões simultaneamente. E as mais recentes novidades nessa questão são Metanext e Bovenext, lançados pela Rovensa Next durante o Simpósio de Controle Biológico (Siconbiol).

Ferrugem e mofo branco

Da mesma forma que a cigarrinha, doenças foliares como as ferrugens da soja (Phakopsora pachyrhizi) e do café (Hemileia vastatrix) são capazes de dizimar as lavouras, com potencial de perdas de até 100% da produção, no caso do café. Já o mofo branco (Sclerotinia sclerotiorum) pode acabar com as plantações de feijão, soja e algodão, entre outras culturas, além de se tornar um problema endêmico na área, pois, sua estrutura de resistência pode permanecer viável no solo por períodos superiores a dez anos.

Para conter a destruição dessas importantes doenças, os produtores dispõem, agora, do biofungicida foliar Row-Vispo (tratamento da ferrugem e doenças foliares), que possui a exclusiva tecnologia de formulação Bioevology. Ela combina microrganismo de alta eficiência com coformulantes especiais que amplificam a ação de controle. E para o manejo de doenças de solo, os agricultores também passam a contar com um biofungicida específico: o Trichonext (combate Rhizoctonia e mofo branco).

Completam o novo portfólio da empresa os biofungicidas foliares Ospo Vi55, para tratamento do oídio em diversas frutas, e Milarum, recomendado para requeima e míldio. Esses também possuem tecnologia Bioevology. “Tantas novidades são reflexo da própria necessidade do produtor. Por isso será difícil ver esse mercado crescer menos de 30% ao ano no médio-longo prazo”, conclui Vieira.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cafés especiais do Brasil: SMC implanta uma das mais modernas e completas centrais de benefício com tecnologia Palini & Alves

Todos sabemos que o Brasil é o maior produtor e exportador de cafés do mundo há muito tempo. Nos últimos anos porém, a grande...

Cooxupé é contra o aumento do ICMS dos alimentos no estado de SP

A Cooxupé (Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé) oficializa seu posicionamento contrário ao aumento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) no estado de São Paulo, que já está em vigor desde 1º de janeiro.

Cigarrinha – Nova ameaça para o milho

  Maria Beatriz Pereira da Silva Graduanda em Agronomia pela UFLA, coordenadora acadêmica e científica do Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento de Plantas (GEN)...

Seminário do café – Bons negócios e conhecimento para qualidade e produtividade

  Com a proposta de fortalecer o conhecimento e estimular os negócios, o evento foi realizado nos dias 02, 03 e 04 de outubro em...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!