20.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasSyngenta apresenta soluções para manejo integrado

Syngenta apresenta soluções para manejo integrado

Evento viabilizou o debate sobre temas fundamentais para auxiliar os produtores de milho na tomada de decisões estratégicas em suas lavouras.

O manejo de pragas foi o assunto principal apresentado pela Syngenta, empresa líder global no desenvolvimento de tecnologias agrícolas, durante o 1⁰ Congresso Abramilho. O encontro, promovido pela Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho), contou com a participação de especialistas, autoridades do governo, representantes de associações e empresas do setor, além da presença de produtores rurais para discutir as perspectivas e os desafios para a produção de milho no Brasil, o mercado internacional e o cenário político.

A empresa levou o PLINAZOLIN Technology como um de seus destaques para este cultivo. A molécula, que será a base de uma família revolucionária de inseticidas de alta performance, é indicada para um amplo espectro de pragas para as quais os produtos existentes não oferecem um controle tão efetivo. Entre elas, lagartas e percevejos, duas das principais pragas do milho.

Carlos Piotto, Gerente de Desenvolvimento de Inseticidas da Syngenta participou do painel sobre manejo integrado de pragas
Foto: Divulgação

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a colheita do grão na safra 2022/23 deve registrar um aumento acima de 12% em relação ao último ciclo. Esse incremento na produção nacional tende a conter as pressões de uma possível restrição da oferta do milho no cenário mundial, explicado principalmente pela queda de produtividade nos Estados Unidos e pela guerra entre Rússia e Ucrânia. A Syngenta também levou ao evento um estande com informações sobre soluções para o crescimento de toda cadeia produtiva do grão, além de apresentar o portfólio exclusivo que a empresa possui para o controle de pragas e tratamento de sementes no cultivo do milho.

Com uma programação variada, o Congresso Abramilho recebeu painéis e palestras de importantes nomes do setor. Carlos Piotto, Gerente de Desenvolvimento de Inseticidas da Syngenta falou sobre manejo integrado de pragas, com ênfase em percevejos e cigarrinhas, que prejudicam a produtividade das lavouras. “Foi uma grande oportunidade de debater temas fundamentais que auxiliam os produtores de milho na tomada de decisões estratégicas no campo, apresentando os cases e toda gama de soluções desenvolvidas pela Syngenta para contribuir para uma agricultura mais sustentável, produtiva e, principalmente, que seja mais rentável para os produtores do plantio à pós-colheita. Eventos como esse são muito importantes para a troca de experiências e compartilhamento de informações”, destacou Piotto, responsável por ministrar a palestra sobre manejo de pragas.
 

O encontro também abordou temas como economia, tecnologia, segurança alimentar, inovação, produção eficiente, empreendedorismo e insumos biológicos. De acordo com a Associação Brasileira dos Produtores de Milho, o Brasil deverá seguir com aumento na produção do grão com estimativa de produzir mais de 133 milhões de toneladas na safra 2023/24, sendo 54 milhões de toneladas destinadas para exportação. A área a ser colhida deve ficar em 22,8 milhões de hectares de milho, acima dos 22,5 milhões de hectares da temporada 2022/23.

ARTIGOS RELACIONADOS

13ª edição do Bejo a Campo

Em sua 13° edição, o Bejo a Campo acontece todos os anos na terceira semana de agosto, e neste ano não foi diferente. Realizado do...

Desafios das tecnologias Bt no Brasil

  Até 2007 o cenário do cultivo de milho no Brasil era de crescentes perdas por ataques de lagartas, o que assustava cada vez mais...

Atlantica Coffee: parceira do produtor 

Empresa do Grupo Montesanto Tavares comemora os resultados da equipe de Boas Práticas que atua nas Matas de Minas. A expectativa é dobrar o...

Inteligência artificial prevê qualidade dos rios da Mata Atlântica

Com o objetivo de prever a qualidade da água de rios, lagos, mananciais e bacias hidrográficas, a Fundação SOS Mata Atlântica passará a usar soluções tecnológicas para auxiliar na análise de dados e, assim, oferecer informações do estado atual dos corpos d’água, além de predições do nível de qualidade em um ou até cinco anos, dando insumos para pautas de comitês de bacias hidrográficas e para auxiliar gestores públicos na tomada de decisão quanto à sua preservação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!