23.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosTermoregulador retém mais estruturas no algodão

Termoregulador retém mais estruturas no algodão

Solução inovadora que auxilia as plantas a passarem por períodos de estresse na floração, podendo garantir melhor produtividade.

O ciclo de qualquer cultura comercial é extremamente importante e precisa ter total atenção do produtor rural. Mas, quando falamos de algodão, cultivo com alto custo de produção, o início da fase reprodutiva requer cuidado especial.

Estima-se que cada maçã ou capulho a mais por planta pode representar um incremento na produtividade de 18 a 25 arrobas por hectare (algodão em caroço). Por isso, ferramentas que ajudem a diminuir o risco de abortamento das estruturas reprodutivas são grandes aliadas do cotonicultor.

É exatamente com este foco que a multinacional DVA acaba de lançar o termorregulador vegetal Osmobetan, com formulação inédita no mundo, composto por glícinia betaína, ácidos fúlvicos e ácido fólico.

Crédito: Shutterstock

Como ele age?

A novidade é importante para ajudar na retenção dos botões nas fases iniciais, interferindo em sua condição metabólica, que segundo o engenheiro agrônomo e gerente de marketing técnico, Renato Menezes, podem ser impactados principalmente por diferentes tipos de estresse ao longo das fases de crescimento.

Segundo ele, variações térmicas, além do estresse osmótico e ainda o estresse químico durante as aplicações do manejo de pragas e doenças, aumentam significativamente o risco de abortamento. “Isso ocorre porque a planta adota a abscisão ou perda de parte de suas estruturas como medida de segurança para tentar continuar o seu processo de desenvolvimento natural”, diz o especialista.

Outro detalhe importante apontado por Menezes é com relação à característica da cultura de florescimento indeterminado. Ou seja, existe a formação de botões florais e flores durante boa parte do ciclo. “Então estas estruturas ficam expostas e suscetíveis a adversidades de manejo e ambientais por longo período, aumentando os riscos”, ressalta.

É importante destacar que o potencial produtivo do algodoeiro também está relacionado ao posicionamento geográfico das estruturas reprodutivas na planta. Quanto mais próximo do caule principal estiver a maçã do algodão, maior será seu peso de pluma e qualidade de fibra. “Visando proporcionar ao produtor essa condição de tempo maior na planta e proximidade das estruturas reprodutivas ao caule é que recomendamos a adoção do termorregulador Osmobetan”, frisa o profissional da DVA.

Testes a campo

Para comprovar a eficácia do Osmobetan, a empresa realizou neste ano três diferentes ensaios a campo em fazendas comerciais de Mato Grosso, com duas avaliações ao longo do estudo. “Em 100% das áreas tratadas com a tecnologia obtivemos resultados positivos quanto ao objetivo alvo de recomendação da tecnologia. A média foi de 30% mais retenção de estruturas reprodutivas no algodão, quando comparado às testemunhas padrão das fazendas”, conta Menezes. “Sem dúvida, esta é uma importante ferramenta para quem busca maior rentabilidade com ótima relação custo/benefício equilibrada”, finaliza.

ARTIGOS RELACIONADOS

Estruturas de governanças

Adilson Martins é sócio de Risk Advisory da Deloitte e líder do Centro de Excelência para o Cooperativismo e fala sobre estruturas de governanças e recursos financeiros.

Os aminoácidos nas estruturas reprodutivas do algodoeiro

Produção de algodão aumenta em 1,7 milhão de toneladas em 3 anos passando para 3 milhões de toneladas no Brasil; País está entre os maiores exportadores mundiais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!