18.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 22, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosTratamento de sementes: arma eficiente contra nematoides

Tratamento de sementes: arma eficiente contra nematoides

Nematoides têm representado um desafio constante para agricultores em diversas regiões do Brasil, mas a busca por soluções eficazes continua. É essencial que os profissionais, como técnicos agrícolas, compreendam a necessidade de conhecer a realidade do produtor, incluindo fatores como o armazenamento das sementes e o momento ideal de plantio.

Os nematoides representam, atualmente, um problema estabelecido em muitas regiões de cultivo no Brasil. Para combater esse problema, contamos com os métodos biológicos, químicos e de manejo de culturas.

Dentro dos métodos biológicos, que é um dos principais, Luiz Gustavo Moretti, pós-doutorando e professor substituto na UNESP, destaca os insumos, como bactérias e fungos, aplicados diretamente ao solo ou no tratamento de sementes.

“O uso de produtos químicos torna-se necessário em situações de alta infestação, para reduzir a população de nematoides, aliado ao manejo com rotação de culturas e plantio de cobertura. Basicamente, precisamos ter uma integração desses três pilares – químico, biológico e manejo”, recomenda.

Direto na semente

O tratamento de sementes desempenha um papel crucial, exigindo cuidados específicos e adaptação à realidade do produtor e da região. Muitas vezes, diz Luiz Gustavo, os produtores optam por pacotes de tratamento de sementes que incluem inseticidas conhecidos, mas é importante considerar a possibilidade de utilizar tanto produtos químicos quanto biológicos, como nematicidas, durante o processo de tratamento.

Segundo ele, pode-se, também, aplicar tanto via tratamento de sementes quanto via sulco de semeadura, proporcionando uma eficácia mais abrangente e eficaz na proteção contra os nematoides.

“Acredito que, hoje, o que vemos é a necessidade de conciliar diferentes métodos. Às vezes, aplicamos uma dose via tratamento de sementes e uma ou duas doses adicionais, dependendo das recomendações da bula do produto, via sulco de semeadura. Isso ocorre porque, no sulco de semeadura, conseguimos abranger uma área de contato maior, enquanto via tratamento de sementes garantimos a sanidade da semente. No entanto, é crucial garantir a compatibilidade de todo o pacote de tratamento de sementes, pois a semente é um organismo vivo e, dependendo, das moléculas aplicadas, podemos afetar o vigor e germinação da cultura”, alerta o especialista.

Culturas em destaque

As culturas mais beneficiadas pelo tratamento de sementes são, sem dúvida, a soja, o algodão e o milho, especialmente a soja, que é uma cultura-chave para nós.

Luiz Gustavo enfatiza a importância de conhecer a realidade de cada cultura. “Por exemplo, na soja, muitas vezes há uma incompatibilidade entre as moléculas químicas e biológicas. Existe uma tendência de posicionar o químico no tratamento de sementes e alguns produtos biológicos via sulco de semeadura, para aumentar a eficácia. No entanto, é importante entender que cada produtor pode ter diferentes técnicas, dependendo da compatibilidade das moléculas disponíveis”, pontua.

Tratamento de sementes industrial x on farm

Existem grupos e instituições excelentes no setor agropecuário, capazes de realizar tratamentos de alta qualidade, seja na fazenda ou industrial. No entanto, essa realidade não se aplica a todos os produtores do Brasil, que muitas vezes enfrentam limitações operacionais e de recursos.

O especialista lembra que o tratamento industrial pode manter a qualidade das sementes, mas nem sempre é viável para todos os produtores, dadas as suas circunstâncias individuais.

“O método correto depende muito do nível de infestação, especialmente em solos arenosos, que é um grande problema das regiões brasileiras. Em nossos trabalhos conduzidos na Unesp, utilizamos biológicos específicos à base de bacilos, que têm dois caminhos: podem atuar como promotores de crescimento ou como nematicidas. Com eles, conseguimos reduzir a população média de nematoides no solo em torno de 15%, minimizando as perdas”, informa.

Biologicamente falando

Segundo a literatura científica internacional, o uso de biológicos pode reduzir os danos causados pelos nematoides em torno de 20 a 25%. Já os produtos químicos são mais agressivos e podem reduzir a população em até 50%, porém, afetam toda a microbiota do solo.

Por isso, Luiz Gustavo defende o manejo integrado na lavoura. Quando a população de nematoides está alta, ele recomenda, ainda, fazer rotação de culturas e aplicar produtos químicos. Porém, quando a população está controlada, é mais eficiente utilizar os biológicos.

Luiz Gustavo

“Em nossos estudos em Botucatu, conseguimos reduzir a população de nematoides em torno de 25% com biológicos e 50% com químicos. Hoje, na segunda etapa de desenvolvimento, está sendo adotado o manejo com subdose do químico em conjunto com doses do biológico”, detalha.

Custo de produção

Em geral, o tratamento de sementes pode representar de 3,0 a 5,0% do custo total de produção, levando em conta a compra de sementes, o tratamento industrial e outros elementos relacionados ao tratamento de sementes.

A semente é fundamental para carregar o potencial genético e produtivo das plantas. A qualidade e a quantidade adequada de plantas no início do ciclo são essenciais, pois a população inicial impacta diretamente na produtividade.

“A elasticidade da população de soja, por exemplo, pode ser de 20%, o que significa que uma redução de 20% na população inicial resultaria em perdas de produtividade. Portanto, investir em sementes não é apenas um gasto, mas sim um investimento genético e de sanidade para garantir a plantabilidade e a produtividade desejadas em sua área de cultivo”, ressalta Luiz Gustavo.

Atenção

O tratamento de sementes é um aspecto crucial na agricultura. Atualmente, há uma variedade de produtos disponíveis para aplicação, como tratamentos de sementes de longa duração que garantem a emergência e o vigor das plantas por um período específico, como 30 a 60 dias.

É essencial que os profissionais, como técnicos agrícolas, compreendam a necessidade de conhecer a realidade do produtor, incluindo fatores como o armazenamento das sementes e o momento ideal de plantio.

Luiz Gustavo ainda destaca a importância de fornecer assistência e transferência de informações adequadas aos produtores, levando em consideração as diferentes realidades e necessidades de cada um. “Conhecer a realidade do produtor é fundamental para realizar um tratamento de sementes eficaz, levando em conta as moléculas presentes e garantindo a compatibilidade com os diferentes métodos de aplicação, seja químico ou biológico”.

No caso específico da cultura da soja, por exemplo, é crucial seguir as recomendações específicas, como a inoculação via semente e o plantio no dia correto para garantir a eficácia do tratamento.

A logística do produtor também deve ser considerada, pois pode influenciar na escolha entre tratamentos químicos e biológicos. O professor diz que optar pelo tratamento biológico pode ser vantajoso em situações em que o plantio precisa ser adiado, pois o tratamento químico já foi realizado.

Qualidade disponível

As principais empresas de sementes geralmente oferecem sementes com tratamentos de alta qualidade, incluindo polímeros e revestimentos. Os produtores podem complementar esses tratamentos com adições como micronutrientes ou produtos biológicos, mas Luiz Gustavo lembra que a eficácia desses tratamentos pode variar, se o plantio for adiado.

Portanto, é essencial considerar a logística e as necessidades específicas de cada produtor ao escolher o tipo de tratamento de sementes a ser aplicado.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fosfito previne requeima e doenças bacterianas no tomateiro

  Adriana Rizzo Engenheira agrônoma, doutora em Produção Vegetal e proprietária da Cheiro do Verde dririzzo@hotmail.com   Na cultura do tomate é utilizado o fosfito de potássio para o...

Mercado de energias renováveis segue atrativo

Em 2023 já foram realizadas 24 transações de M&A envolvendo empresas de geração de energia limpa; bom desempenho do setor e regulamentação interna dos ativos ambientais devem impulsionar atração de financiamentos sustentáveis ao país.

Algas protegem as florestas de condições estressantes

  Nilva Teresinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de Espírito...

Bacterioses – Terror da alface no plantio de verão

Marina Guimarães Pacifico Engenheira agrônoma, mestre em Fitopatologia e doutoranda em Proteção de Plantas (UNESP Botucatu) ma_pacifico1@hotmail.com   O período chuvoso, aliado às altas temperaturas e umidade, é...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!