20.6 C
Uberlândia
sábado, junho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosTratamento de sementes com fungicida é estratégia para prevenção e controle de...

Tratamento de sementes com fungicida é estratégia para prevenção e controle de mofo branco

Crédito - Daniel Cassetari
Crédito – Daniel Cassetari

O mofo branco, doença causada pelo fungo Sclerotiniasclerotiorum, está se tornando cada vez mais grave em várias regiões, provocando danos às culturas de soja, feijão e algodão. É uma doença de difícil controle e que pode ser transmitida pelas sementes.

O pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, Augusto César Pereira Goulart, explica que esses microrganismos sobrevivem por meio das sementes e se dissemina pela lavoura. “Os danos causados pela doença variam de acordo com os níveis de suscetibilidade das culturas, as condições climáticas e o manejo empregado“, acrescenta.

O uso de sementes não beneficiadas, ou seja, sementes caseiras ou piratas, que possam conter escleródio, contribui com a disseminação desse fungo, que pode reduzir em até 40% a produtividade das lavouras. Em 2009, a Portaria nº 47, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) passou a recomendar que sejam recusados lotes de sementes de soja que apresentam um escleródio.

“Esse foi um importante avanço para a agricultura, pois a detecção do patógeno em sementes constitui um dos pontos mais importantes para controle do mofo branco“, enfatiza Augusto. Outras medidas para controle da doença são: rotação de culturas, espaçamento entrelinhas, uso de fungicidas pulverizados na parte aérea e em tratamento de sementes, controle biológico, adubação verde, entre outros“, aponta o pesquisador.

Tratamento de sementes é fundamental

Apesar da legislação ser clara, ainda assim os pesquisadores recomendam o tratamento de sementes com fungicida como uma medida de segurança para impedir ou retardar a disseminação do fungo nas lavouras. “Esse tratamento de sementes é necessário, pois pode erradicar ou reduzir aos mais baixos níveis os fungos presentes nas sementes“, explica Augusto Goulart.

Ele salienta ainda que o tratamento de sementes com fungicidas gera outros benefícios, tais como: proteção às sementes e plântulas contra fungos de solo, evita o desenvolvimento de epidemias no campo, uniformiza a germinação e emergência, reduz os riscos na fase de implantação das lavouras, propicia maior desenvolvimento radicular e estabelecimento inicial da lavoura com uma população ideal de plantas.

O tratamento de sementes industrial e o uso de fungicidas são destaque no livro “Progressos no tratamento de sementes para o manejo e controle do mofo-branco em soja, algodão e feijão“, escrito por Augusto Goulart.

O livro é fruto do 1º Encontro Internacional de Mofo Branco no Brasil, realizado em Ponta Grossa, em 2012 e que reuniu cerca de 500 pesquisadores da América do Sul, América do Norte e Europa. A partir dessa reunião foi formada uma grande rede de pesquisadores, o que possibilitou a elaboração da publicação, considerada a única do gênero no País e no mundo.

A publicação tem o valor de R$ 170,00, conta com 520 páginas ilustradas e pode ser adquirida junto à Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Institucional, Científico e Tecnológico da Universidade Estadual de Ponta Grossa (FAUEPG).

Essa matéria você encontra na edição de novembro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Técnicas que evitam pragas no cafeeiro

Júlio Cesar Freitas Santos Engenheiro agrônomo e pesquisador fitotecnista da Embrapa Café julio.cesar@embrapa.br   A broca-do-café, Hypothenemushampei (Ferrari, 1867) (Coleoptera: Scolytidae), é uma das pragas que causa danos...

Nutrisafra apresenta fertilizantes de alta performance

A expectativa da Nutrisafra para a Hortitec é alta, por se tratar da maior feira do setor e pela volta após dois anos sem ser realizada.

Beterraba híbrida tem melhor qualidade e sabor

A beterraba (Beta vulgaris) é uma olerícola originária da costa do Mediterrâneo e pertence à família Chenopodiaceae. Atualmente, de acordo com as condições climáticas, culturais e adaptabilidade dos materiais genéticos amplamente difundidos no mercado, observa-se uma concentração da produção nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná. Quanto à comercialização, aproximadamente 87% ocorre nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Bahia e Goiás.

Nitrogênio líquido de liberação lenta

AutoresLeandro Oliveira Campos Pós-graduando em Bioenergia e Grãos – IF Goiano, Campus Rio Verde Lucas Anjos Souza Professor - Polo de Inovação em Bioenergia...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!