23.3 C
São Paulo
quarta-feira, julho 6, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Uso de transgênicos reduz demanda por terra

Uso de transgênicos reduz demanda por terra

 

Relatório global mostra que ao longo dos últimos 20 anos, em média, os OGM reduziram o uso de defensivos químicos em 37%, ao mesmo tempo em que aumentaram a produtividade em 22% e os rendimentos dos agricultores em 68%.

 

CréditoShutterstock
CréditoShutterstock

Devido ao manejo facilitado e às menores perdas em função de pragas (insetos e plantas daninhas), os organismos geneticamente modificados (OGM) têm maior potencial produtivo, colaborando assim para reduzir a pressão da agricultura sobre áreas de proteção ambiental.

De acordo com o relatório divulgado pelo Serviço Internacional para a Aquisição de Aplicações em Agrobiotecnologia (ISAAA), se as 441,4 milhões de toneladas adicionais de alimentos e fibras produzidas globalmente entre 1996 e 2013 não fossem provenientes de cultivos geneticamente modificados (GM), seriam necessários 132 milhões de hectares a mais, o equivalente à soma das áreas dos estados de maior produção agrícola no Brasil, Mato Grosso, Paraná e Rio Grande do Sul.

O aumento de produtividade obtido pela adoção de biotecnologia é especialmente relevante no cenário atual, em que se buscam formas de viabilizar a produção de alimentos para uma população em crescimento (9,6 bilhões de pessoas em 2050) sem comprometer a sustentabilidade dos recursos naturais.

De lá pra cá

Em 2014, o Brasil cultivou 42,2 milhões de hectares com as culturas transgênicas, um crescimento de 4,7% em relação ao ano anterior. Com essa área, o País está atrás apenas dos Estados Unidos (73,1 milhões de ha) no ranking mundial de adoção de biotecnologia agrícola.

Em seguida, aparecem Argentina (24,3 mi/ha), Índia (11,6 mi/ha), Canadá (11,6 mi/ha) e China (3,9 mi/ha). Em todo o mundo, 28 países plantaram 181,5 milhões de hectares com sementes transgênicas, um aumento de mais de seis milhões de hectares em relação a 2013. Isso demonstra que, cada vez mais, essa tecnologia oferece benefícios agronômicos, sociais, econômicos e ambientais.

Anderson Galvão, representante do ISAAA no Brasil, explica queno Brasil, a taxa de adoção foi de 89,3%, considerando soja, milho e algodão, as três culturas GM aprovadas comercialmente no país. No caso da soja, 93% da área foi plantada com variedades transgênicas, para o milho (safras de inverno e verão) a taxa foi de 82% e para o algodão, 66%.

Milho tolerante à seca

Além de características agronômicas (tolerância a herbicidas e resistência a insetos), pesquisadores também estão empenhados em desenvolver vegetais com características de resistência a estresses abióticos (seca, solos salinos, inundações etc.).

O primeiro milho tolerante à seca plantado nos EUA, entre 2013 e 2014, teve sua área multiplicada em 5,5 vezes, refletindo a aceitação dessa tecnologia pelos agricultores locais.

Essa matéria  você encontra na edição de março da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira a sua.

 

Inicio Revistas Grãos Uso de transgênicos reduz demanda por terra