25.6 C
Uberlândia
quarta-feira, junho 19, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasVazio Sanitário do algodão mobiliza agricultores baianos no combate ao bicudo

Vazio Sanitário do algodão mobiliza agricultores baianos no combate ao bicudo

Vazio Sanitário – Abapa

A partir do próximo domingo (20), está decretado o início do período do Vazio Sanitário nas lavouras de algodão do Oeste da Bahia. Momento em que os restos de plantas vivas em áreas recém colhidas devem estar eliminados e assim, evitar que se multipliquem e possam promover a proliferação de pragas e doenças como o bicudo do algodoeiro, principal inimigo do cotonicultor. O Vazio Sanitário se estende até 20 de novembro na região Oeste, já no Sudoeste o calendário teve início em 01 de setembro e vai até 30 de outubro.

O controle das pragas nas lavouras de algodão da Bahia conta com apoio do Programa Fitossanitário da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) referência na área agrícola em todo o Brasil. Nesta safra, em reta final de colheita, a campanha “Não ao Bicudo”, garantiu, uma produtividade média de 300 arrobas/hectare em uma área de 313.556 mil hectares. Esses resultados representam a manutenção da produção histórica em torno de 1,5 milhão de toneladas de algodão (caroço e fibra). A redução dos índices de bicudo depende ainda da colaboração dos agricultores, cumprindo o período do Vazio Sanitário e deixando tudo pronto para o plantio safra seguinte.

Vazio Sanitário – Abapa

“O bicudo é uma praga de controle coletivo, o Programa Fitossanitário cumpre a sua parte, mas, cabe aos agricultores, fazerem o dever de casa”, avalia o presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato. Ele credita as altas produtividades em grãos e algodão alcançadas no Oeste baiano ao comprometimento tanto das associações, quanto dos próprios produtores. “Este trabalho foi iniciado há muitos anos, coordenado pela Aiba (Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia) e Abapa e reforça nos produtores a importância do combate às pragas. A conscientização em seguir as recomendações do Vazio Sanitário resulta em ganhos de produtividade e econômicos de toda a região”, diz.

O Oeste da Bahia responde por 5% de todo o volume de grãos e fibra produzidos no Brasil. É responsável pelas maiores produtividades nacionais em soja e milho e detém a mais alta em algodão não irrigado do mundo. De acordo Busato, o combate às pragas e doenças é decisivo para que o agricultor possa produzir cada vez mais, em menores áreas e conservando os recursos naturais. “Temos ferramentas novas, tecnologia avançada e os resultados mostram que a união através de associações fortalece a ideia de que é possível produzir de forma sustentável e consciente”, finaliza.

ARTIGOS RELACIONADOS

Algodão + agrofloresta

O objetivo é estabelecer cadeias produtivas virtuosas e abastecer o mercado têxtil de ...

Com plantio de algodão finalizado, chuvas regulares devem garantir melhor safra dos últimos sete anos na Bahia, diz Abapa

Com 100% do algodão semeado, os agricultores baianos plantaram cerca de 263,4 mil hectares, o que corresponde a um aumento de 32,5% em relação...

Enxofre é importante para a qualidade do algodão

  Na falta do enxofre, as folhas mais novas do algodão ficam amarelas, crescem menos e a produtividade tende a cair, pois a planta passa...

Estação agrometeorológica fornece dados para tomada de decisões agrícolas no Leste do MS

Parceria viabiliza a instalação de estação agrometeorológica em Ivinhema, que está integrada a rede Guia Clima da Embrapa. Os dados climáticos estão disponíveis para...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!