22.8 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiVírus das pereiras - O papel da enxertia

Vírus das pereiras – O papel da enxertia

 

Osmar Nickel

osmar.nickel@embrapa.br

Thor V. M. Fajardo

thor.fajardo@embrapa.br

Pesquisadores da Embrapa Uva e Vinho

 

Crédito Marco Lucini
Crédito Marco Lucini

Um grande número de agentes patogênicos transmissíveis pela enxertia, como vírus, viroides e fitoplasmas afetam a produção e a qualidade da pera. Os danos causados por vírus vão de muito sutis e imperceptíveis ao olho humano até a destruição total de viveiros e pomares, por declínio e morte das plantas.

Principais vírus da pereira

Na região Sul do Brasil, onde se concentram os plantios de pera, destacam-se os chamados vírus latentes da pereira: o vírus das caneluras do tronco (ASPV); o vírus do acanalamento do tronco (ASGV) e o vírus da mancha foliar clorótica da macieira (ACLSV). O vírus do mosaico da macieira (ApMV) também ocorre, embora com menor frequência.

A pereira pode ser indexada na cv. ornamentalRadiantcrab - Crédito Paulo Lanzetta
A pereira pode ser indexada na cv. ornamentalRadiantcrab – Crédito Paulo Lanzetta

Sintomas em peras

O ASPV está associado às principais doenças, ou síndromes, em pereiras e marmeleiros, espécie muita usada como porta-enxerto de pereiras. Sintomas comuns são: em folhas, o amarelamento das nervuras e mosqueado vermelho; em frutos, o empedramento da polpa da pera, com regiões de polpa endurecida que resistem à pressão do corte, especialmente em cultivares europeias sensíveis, como Beurré Bosc; a mancha ferruginosa da folha e deformações do fruto do marmeleiro.

A pereira pode ser indexada na cv. ornamental Radiant crab, na qual o ASPV causa em folhas epinastia foliar, suberização (tecido é parecido com cortiça) e necrose das nervuras e manchas vermelhas no limbo foliar.

A doença da “mancha negra necrótica da folha da pereira“, embora muito semelhante a uma doença fúngica, está associada a uma estirpe de ASGV. ACLSV está associado à doença que produz manchas anelares e mosaico verde-amarelado em folhas, e manchas anelares irregulares marrons em frutos da pereira.

O uso de mudas livres de vírus é a solução mais eficiente e barata de controlar as viroses - Crédito Paulo Lanzetta
O uso de mudas livres de vírus é a solução mais eficiente e barata de controlar as viroses – Crédito Paulo Lanzetta

Importância

ASGV, ASPV, ACLSV e ApMV são responsáveis, adicionalmente, por doenças importantes em um grande número de fruteiras, como macieiras, ameixeiras, pessegueiros, marmeleiros, cerejeiras, damasqueiros, morangueiros, quivizeiros e citros.

Na Europa e América do Norte ocorrem em pereiras o declínio da pereira e a “proliferação da macieira“. Ao contrário das viroses, ambas doenças são causadas por microrganismos chamados fitoplasmas, cuja presença ainda não foi confirmada no Brasil.

A transmissão de fitoplasmas ocorre pela enxertia de material infectado e por vetores. Portanto, deve haver muito cuidado na introdução de material vegetativo oriundo destas regiões. Ainda não foram relatados viroides em pereiras no Brasil.

O declínio

Declínio é uma perda de vigor e morte gradativa que ocorrem, geralmente, em decorrência do uso de material virosado na formação de mudas em combinações suscetíveis de copas e porta-enxertos sensíveis a vírus ou em decorrência do uso de combinações incompatíveis de copa e porta-enxerto de pereiras.

No declínio causado por vírus o desenvolvimento da doença é geralmente lento, e o vigor da planta é reduzido gradualmente. Este estado pode durar anos, enquanto que infecções bacterianas e fúngicas transcorrem, em geral, rapidamente.

O pegamento da enxertia é baixo, as plantas têm pouco vigor e poucas raízes no viveiro, a folhagem é esparsa, as folhas têm menor tamanho; as plantas produzem frutos de menor calibre e há uma visível redução das brotações anuais.

Compatibilidade

A maior parte das cultivares de peras europeias e asiáticas é mais ou menos incompatível com a maioria dos marmeleiros. A expressão desta incompatibilidade pode ser protelada ou tardia, e os sintomas podem aparecer após uma década ou mais tempo.

Os marmeleiros BA29, EM A e Adams requerem o uso de um filtro entre a copa da pereira e o porta-enxerto do marmeleiro. Plantas de combinações incompatíveis apresentam perda prematura da cor das folhas, declínio ou perda de vigor e, eventualmente, a morte lenta da planta, sintoma que pode ser confundido com uma infecção viral.

Na união de enxertia observa-se uma necrose que impede a soldadura dos tecidos da copa e do porta-enxerto, levando, às vezes, à quebra do tronco na união da enxertia sob efeito de pressão lateral ou ventos.

Essa matéria completa você encontra na edição de outubro  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Brix e alta produtividade

Autores Herika Paula Pessoa herika.paula@ufv.br Françoise Dalprá Dariva fran_dariva@hotmail.com Engenheiras agrônomas, mestras e doutorandas em Fitotecnia – Universidade Federal de Viçosa (UFV) Ronaldo...

Citros e o manejo intenso nas bordas reduz HLB

AutoresPaula Almeida Nascimento Doutoranda em Fitotecnia - Universidade Federal de Lavras (UFLA) paula.alna@yahoo.com.br Deniete Soares Magalhães Doutora em Fitotecnia e pesquisadora – UFLA denieteagro@yahoo.com.br...

Automação na produção hidropônica

O processo de hidroponia apresenta várias vantagens em relação às formas de cultivo tradicionais, como crescimento mais rápido; maior produtividade; aumento da proteção contra...

Calda cúprica é eficiente no controle do cancro cítrico

  Franklin Behlau Pesquisador do Fundecitrus   Com a publicação da Resolução SAA-147, entraram em vigor no Estado de São Paulo as novas regras para a supressão ou...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!