16.4 C
Uberlândia
quinta-feira, julho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasXIV Seminário Nacional de Milho Safrinha acontece em Cuiabá, em novembro

XIV Seminário Nacional de Milho Safrinha acontece em Cuiabá, em novembro

divulgacao_snmsCuiabá, capital de Mato Grosso, recebe em novembro o XIV Seminário Nacional de Milho Safrinha (SNMS). Realizado a cada dois anos, o evento é considerado referência na divulgação de inovações tecnológicas do milho safrinha, além de uma oportunidade de difusão de conhecimentos, debates e discussões para produtores, empresários, cientistas, técnicos e estudantes ligados à cadeia produtiva da cultura nesta modalidade de cultivo.

O Seminário acontecerá no Centro de Eventos do Pantanal, de 21 a 23 de novembro e as inscrições já estão abertas. A realização é da Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso, Fundação MT, com co-realização da Aprosoja- MT, promoção da Associação Brasileira de Milho e Sorgo (ABMS) e apoio científico da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), além do patrocínio de empresas e apoio de veículos de comunicação e instituições de pesquisa.

A escolha de Cuiabá como cidade sede do evento tem grande relevância por ser a capital do estado onde mais se cultiva e produz milho safrinha no Brasil. Na safra 2016/2017, a área cultivada com o grão em Mato Grosso foi de 4,7 milhões de hectares, conforme dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA). Sorriso (MT) é o município detentor da maior área cultivada de milho safrinha, algo em torno dos 440 mil hectares. E o Médio Norte do Estado, uma das regiões agrícolas mais importantes do País, é responsável por 43% da área e da oferta estadual da produção desse cereal.

Claudinei Kappes, pesquisador da Fundação MT e presidente do XIV Seminário Nacional de Milho Safrinha, acrescenta que a safrinha de milho 2017 é histórica no Mato Grosso. “Pela primeira vez foi registrada a maior área de cultivo de milho safrinha, desde a sua introdução, no início da década de 90. Em outras palavras, nos permite inferir que próximo à 50% da área cultivada com soja cedeu espaço para o milho em sua sucessão. É por esse motivo que, no Mato Grosso, o milho é considerado a principal cultura cultivada na safrinha“, coloca.

O uso de cultivares de soja com menor ciclo na safra principal e a sua semeadura no cedo são os principais fatores que permitiram, ao longo do tempo, o aumento significativo de área de milho safrinha. A expectativa é que também ocorra recorde de produção, conforme explica Claudinei. “As chuvas foram favoráveis em boa parte do Estado, a exemplo do Médio Norte. Mas não são apenas pontos positivos, o armazenamento do grão está sendo uma dificuldade, pois nosso estado não tem condições de armazenar a super safra de milho, além de que vários armazéns ainda se encontram com soja“, lembra ele.

O evento – Nesta edição, o Seminário espera receber em torno de 500 participantes de diversas regiões do estado e do país. A programação do evento foi planejada de modo a contribuir com novos conhecimentos científicos e tecnológicos, a fim de sanar dúvidas e vencer os principais gargalos encontrados na cadeia produtiva do milho safrinha em âmbito nacional.

Serão levados temas sobre ecofisiologia, manejo da fertilidade do solo, adubação e manejo fitossanitário do milho safrinha no Brasil, além de importantes contribuições dos seminaristas, por meio das apresentações de trabalhos científicos durante a sessão de pôsteres, e das empresas patrocinadoras, com serviços e inovações tecnológicas no espaço de expositores.

Inscrições – Até o dia 31 de agosto, as inscrições podem ser feitas com desconto; a partir de 01/09 o valor é reajustado e as inscrições se encerram em 17 de novembro. Após esta data, será possível realizar a inscrição somente no local do evento, mediante a disponibilidade de vagas, porém, sem garantia de entrega de material ao participante. Já o envio de Resumos Expandidos, para análise da Comissão Técnico-Científica, poderá ser feito até o dia 15 de setembro. Mais informações estão disponíveis em snms2017.fundacaomt.com.br.

ARTIGOS RELACIONADOS

Morgan Sementes lança híbridos para aumentar a produtividade no campo

Três novos híbridos de milho chegam para complementar o portfólio da Morgan e atender aos agricultores do Paraná; marca também apresentou o herbicida Verdict®...

Rabanetes exóticos colorem prateleiras dos mercados

Carla Verônica Corrêa Doutoranda em Ciências Agronômicas pela UNESP " Botucatu cvcorrea1509@gmail.com Luís Paulo Benetti Mantoan Doutorando em Ciências Biológicas pela UNESP " Botucatu luismantoan@gmail.com O Brasil apresenta-se em destaque...

Pedro Afonso (TO) se destaca na produção de grãos

Mesmo com chuvas abaixo da média, produção de soja é boa na região O Sudeste enfrenta uma complicada crise hídrica que afeta a população e,...

Adubação verde: ciclagem de nutrientes e eliminação de nematoides

A adubação verde consiste no plantio de espécies vegetais com diferentes propósitos, sendo os mais comuns a ciclagem de nutrientes, a recuperação de solos degradados e aumento de matéria orgânica no solo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!