23.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosMilho precoce garante segunda safra

Milho precoce garante segunda safra

Patrícia de Oliveira Alvim Veiga

Professora e coordenadora do curso de Agronomia do IFSULDEMINAS – campus de Machado

patricia.veiga@ifsuldeminas.edu.br

 

Fotos Shutterstock
Fotos Shutterstock

O milho é uma planta de ciclo vegetativo variado, pois temos desde genótipos extremamente precoces até os tardios. Contudo, em nossas condições a cultura do milho apresenta ciclo variável entre 110 e 160 dias, período este compreendido entre a semeadura e o ponto de maturidade fisiológica.

Um milho, para ser considerado precoce, apresenta ciclo em torno 110 a 120 dias, chegando até no máximo 130 dias.

Segunda safra

A época adequada para o plantio de milho segunda safra é variável. Nas diferentes regiões brasileiras, a cultura é semeada de janeiro a abril, após a soja precoce ou o feijão das águas. Deve ser bem planejado este plantio pelo produtor, visando colher a cultura o mais cedo possível e predispor a cultura do milho segunda safra a menores riscos de geada ou déficit hídrico.

Hoje temos três janelas de plantio de milho safrinha na região do Sul de Minas, que é de janeiro até 10 de fevereiro, depois de 10 de fevereiro até o fim de fevereiro e a outra do início de março até 15 de março.

Alternativas

Assim como acontece na primeira safra, é preciso testes de variedades na região de cultivo para que se possa escolher o material mais adequado e adaptado. Algumas características precisam ser observadas: ciclo rápido (precoce, semiprecoce e superprecoce), estabilidade produtiva, resistência a doenças, tolerância ao acamamento e ao quebramento de plantas, bom empalhamento e baixo índice de grãos ardidos.

Indicações para a safra 2017/18

 Os materiais mais indicados para a segunda safra são aqueles em que se encontra uma boa sanidade (geral e de grãos), qualidade de colmo e um bom empalhamento. O produtor tem uma gama de materiais à disposição a ser escolhido, e esta escolha depende, principalmente, do investimento que se pretende fazer na semente.

 

Segunda safra exige híbrido com boa sanidade - Fotos Shutterstock
Segunda safra exige híbrido com boa sanidade – Fotos Shutterstock

Viabilidade econômica

Sobre a viabilidade econômica da cultura do milho safrinha, é importante ressaltar que a semeadura (sementes e seu tratamento) representa mais de 50% do custo de produção. Então, é bom observar que a decisão de semear ou não a cultura do milho segunda safra envolve mais da metade do custo empregado na lavoura.

Cabe ao produtor, portanto, definir o período de semeadura, se atentar para os tratos culturais adequados para um bom desenvolvimento da cultura e então garantir uma boa colheita; lembrando que esta cultura de segunda safra continua tendo alto risco climático (frio intenso e geadas no Sul do País e estresse hídrico nas demais regiões. Quanto à produtividade da segunda safra, nos últimos anos está havendo um aumento.

Curiosidades

Para o milho 2ª safra (safrinha), a estimativa da produção está em 58,35 milhões de toneladas, alta de 49,5% em relação a 2016.A nossa safrinha é uma ferramenta de abastecimento mundial do grão para os grandes importadores.

 

Essa matéria você encontra na edição de abril 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Manejo nutricional da mangicultura

O manejo de adubação da mangueira envolve três fases: 1) adubação de plantio; 2) adubação de formação; e 3) adubação de produção. ðAdubação de plantio:...

Detonator® – Lançamento da Oro Agri também será exportado para todo o mundo

Evento realizado pela primeira vez no País oferece soluções para combater plantas daninhas de difícil controle, que causam prejuízos na ordem de US$ 9 bilhões apenas...

As vantagens do cultivo de acelga em estufas

AutoresTalita de Santana Matos talitasmatos@gmail.com Elisamara Caldeira do Nascimento Doutoras em Agronomia/Ciência do Solo – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro...

Importância da curva de crescimento e da marcha de absorção de nutrientes no tomate

  Leandro Hahn Engenheiro agrônomo, doutor, pesquisador em Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas na Estação Experimental de Caçador (EPAGRI) e professor da Universidade Alto...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!