26.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiA produção de tangerinas no cenário nacional

A produção de tangerinas no cenário nacional

Autores

Débora Aparecida do Nascimento
Gestora pública, agricultora e presidente da Cooperativa Copavale
copavale.coop@gmail.com
Ivan Silva Evangelista
Engenheiro agrônomo, especialista em Agricultura Familiar, Educação do Campo e em Gestão Pública ievangelista@pr.sebrae.com.br
Dariane Mariano do Nascimento
Graduada em Administração de Empresas – Pontifícia Universidade Católica do Paraná
darianemariano@gmail.com

Antes de entrarmos nos aspectos de manejo propriamente ditos, se faz necessário realizar uma pequena abordagem sobre as características do território de que estamos tratando. O Vale do Ribeira Paranaense é compreendido pelos municípios de Adrianópolis, Bocaiúva do Sul, Cerro Azul, Doutor Ulysses, Itaperuçú, Rio Branco do Sul e Tunas do Paraná, que compreendem 6.106,14 km2, ou seja, possui uma significativa extensão territorial.

Os municípios desse território que se destacam na produção de citros, mais especificamente das tangerinas, são Cerro Azul, Doutor Ulysses, Rio Branco do Sul e Itaperuçú, com respectivamente 46, 19, 7 e 1% da produção estadual, ou seja, estes municípios juntos são responsáveis por 75% da produção de tangerinas do Estado do Paraná.

Se destaca ainda no cenário nacional o município de Cerro Azul, que individualmente é o maior produtor de tangerinas do Brasil, com 10% da produção. Segundo os dados das secretarias municipais de agricultura, o Vale do Ribeira possui 6.498 CADPRO´s – Cadastros de Produtor Rural, sendo 90% agricultores familiares.

Condições

As características de vegetação, relevo, clima e solo do Vale do Ribeira tornam este ambiente diferenciado em relação aos existentes em outras regiões, influenciando a forma do uso dos solos que na maioria não permitem mecanização, dificultando os tratos culturais nos pomares.

Por outro lado, essa condição possibilita a implementação de práticas conservacionistas e até a implementação de sistemas como a agricultura ecológica e/ou orgânica, que podem ser grandes impulsionadores da economia local.

No que diz respeito aos aspectos de manejo dos citros, vamos apresentar de forma geral e sucinta alguns manejos mínimos, porém essenciais, adequados à realidade da região.

Correção de solo e adubação

É fundamental conhecer a fertilidade do solo antes do plantio. Para isso, é necessário a realização da análise de solo, que permitirá ao profissional indicar a correção e a adubação adequada.

A vantagem no Vale do Ribeira é que as fontes de calcário, material utilizado na correção, estão muito próximas, inclusive nos próprios municípios do território, facilitando assim o frete, que é o item que mais eleva o custo do produto.

Este insumo é de extrema importância para o desenvolvimento das plantas, fornecendo cálcio e magnésio, corrigindo a acidez e reduzindo a saturação do solo por alumínio, melhorando a disponibilidade de nutrientes como fósforo e estimulando a atividade microbiológica. Além dos benefícios mencionados, o calcário melhora a eficiência da adubação, visto que a absorção de nutrientes depende do adequado pH do solo.

As plantas dependem de uma série de nutrientes para se desenvolverem adequadamente e, na maioria das vezes, os solos não conseguem suprir as demandas das mesmas. Nas condições do Vale do Ribeira, onde há possibilidade de trabalhar a agricultura ecológica e/ou orgânica, podem ser utilizados para ampliar a fertilidade os estercos de aves ou bovinos, as compostagens e os biofertilizantes alternativamente aos adubos químicos.

É importante frisar que o primeiro passo é a correção do solo para que as adubações sejam aproveitadas com eficiência. Ressaltamos a importância da análise de solo e interpretação por um profissional para a adequada recomendação da calagem e adubação.

Formação do pomar

A partir do plantio, é fundamental que as plantas de citros tenham condições de se desenvolverem para que tenham forma e estrutura adequadas para gerar boas produções e permitir os tratos culturais. É importante que o plantio se faça no período chuvoso visando o pegamento e adequado desenvolvimento das mudas.

Deve-se atentar para o ataque de formigas cortadeiras, cochonilhas e larva-minadora, que têm sido as principais pragas que atacam as plantas nesta fase. As plantas espontâneas, se não manejadas adequadamente, podem causar prejuízos ao pomar no início de seu desenvolvimento.

A utilização de enxadas rotativas, grades ou arados, não é recomendada para o controle do mato, pois causam sérios danos às raízes, podendo abrir porta para a entrada de doenças muito prejudiciais ao pomar. A roçada realizada por roçadeiras costais é indicada e tem sido uma prática que tem dado um resultado satisfatório nos pomares da região, formando cobertura morta, que é essencial para evitar a erosão, elevando ainda a matéria orgânica e a umidade do solo.

Outro fator importante é a formação das pernadas das plantas, pois são elas que vão possibilitar a formação da estrutura da copa. Quando a muda é de haste única, essa poda é realizada para forçar as brotações, que devem ser selecionadas para formar três a quatro pernadas.

Nas plantas jovens, normalmente ocorre o aparecimento de ramos “ladrões”, brotações no porta-enxerto e no tronco, que devem ser eliminadas para não prejudicar o seu desenvolvimento.

Manejo do solo e plantas de cobertura

O relevo acentuado e a ausência de práticas conservacionistas na maioria das propriedades da região gera uma certa preocupação em relação à preservação de um recurso extremamente preciso, que é o solo, ou seja, a base de todo o sistema produtivo quando nos referimos a solo, água e planta.

Normalmente o plantio já está estabelecido em desnível, no sentido da declividade, e há redução da cobertura solo. A erosão hídrica é o grande fator que desencadeia diversos problemas relacionados à fertilidade, agravamento dos problemas fitossanitários e a desestruturação dos solos, culminando em redução da produtividade.

São várias as práticas conservacionistas que podem ser adotadas conforme a características dos terrenos, como por exemplo, a adoção de patamares em nível, construção de patamares em declive, terraços, plantio em nível, etc. Uma prática que devemos destacar e que tem se mostrado eficiente e adaptada às condições do Vale do Ribeira é a utilização de plantas de cobertura.

Consiste, basicamente, na utilização de plantas nas entrelinhas dos pomares que mantêm o solo coberto e proporcionam uma série de benefícios ao sistema. As vantagens são a proteção do solo contra erosão devido à interceptação do impacto das gotas de chuva e aumento da infiltração da água no solo, a melhoria da fertilidade pela atuação na parte química, física e biológica do solo, a ciclagem de nutrientes, fixação de nitrogênio, especialmente pelas leguminosas, redução de nematoides e aumento da atividade biológica do solo por meio da sua estruturação.

Também contribui com o manejo fitossanitário da pinta-preta. A principal desvantagem é a concorrência com as plantas cítricas que deve ser minimizada pelo manejo realizado conforme a espécie. Atualmente, o Iapar e a Embrapa, com o apoio de parceiros, desenvolvem experimento na região do Vale do Ribeira, com previsão de término no ano de 2021 e que pretende avaliar e orientar o manejo mais adequado para a região.

Espécies

De forma geral, existem diversas espécies que podem ser utilizadas, como plantas de cobertura, por exemplo, calopogônio, Arachis pintoi, Brachiaria ruziziensis, nabo forrageiro, feijão de porco, aveia preta, mucunas, ervilhacas, crotalárias, feijão guandu, enfim, espécies que podem ser categorizadas como perenes ou anuais (inverno/verão) e integrantes das famílias das gramíneas ou leguminosas, e também vegetação espontânea ou espécies introduzidas.

Espera-se que as plantas de cobertura possam aprimorar a tecnologia de manejo da cobertura vegetal do solo no Vale do Ribeira, especialmente na diminuição da erosão, controle de plantas infestantes, aumentando a fertilidade do solo e, consequentemente, a produtividade dos pomares, ainda contribuindo para uma agricultura mais sustentável por meio da preservação dos recursos naturais.

Tratamentos de inverno

As plantas de citros no Vale do Ribeira normalmente apresentam densa formação de ramos internamente na copa devido à não realização das práticas de poda. Também se encontram no interior da copa muitos líquens (associação de fungos e algas) e um revestimento conhecido como feltro ou camurça, além de ácaros que acabam prejudicando e, muitas vezes, causando o apodrecimento destes ramos. A umidade relativa elevada na região, com média anual de 80%, favorece o aparecimento destes problemas.

No período de inverno é importante realizar a limpeza nas plantas por meio de uma poda, denominada “poda de limpeza”, que consiste na retirada de ramos ladrões e ramos secos e doentes. Por meio desta poda, pode-se arejar o interior da copa, permitindo a entrada de luz e facilitando também os tratos culturais com a aplicação de produtos.

Após a realização desta limpeza no pomar, podem ser aplicadas, conforme necessidade a ser avaliada, a calda sulfocálcica, que tem efeito sobre fungos, líquens, ácaros, feltros, etc., por meio de pulverizações no interior da copa. Esta calda é aceita na agricultura orgânica e deve ser aplicada no máximo uma vez por ano para não comprometer o equilíbrio biológico no pomar, visto que ela é de amplo espectro.

Também se deve respeitar a concentração indicada e a aplicação deve ser realizada de preferência em dias nublados para evitar a queima de folhas e frutos.

Outra opção para o tratamento das plantas é a calda bordalesa, que igualmente pode ser utilizada na agricultura orgânica e tem efeito sobre uma série de doenças, como gomose, rubelose, melanose, verrugose, alternária, pinta-preta e antracnose.

Também atua na diminuição da incidência de cancro cítrico. Felizmente, no Vale do Ribeira não foram constatadas doenças provenientes de bactérias, como cancro cítrico, CVC – clorose variegada dos citros, greening e viróticas como a tristeza dos citros, doenças estas que causariam sérios prejuízos à citricultura da região.

No entanto, a pinta-preta e a mancha marrom de alternaria estão presentes na região e, embora tenham causado poucos prejuízos, merecem atenção. Nesses casos, a calda bordalesa pode ser uma opção de controle. A época mais indicada para a aplicação é no início da floração, quando 2/3 das pétalas das flores tiverem caído. Ao aplicar a calda sulfocálcica, é importante aguardar um mês para aplicar a calda bordalesa devido à incompatibilidade.

As alternativas de manejo abordadas foram escolhidas com base nos principais problemas relatados por agricultores da região e observações de campo. Também foram consideradas aquelas alternativas que possibilitam uma maior preservação do meio ambiente e da saúde dos agricultores na busca por uma maior sustentabilidade e o respeito às características da agricultura tradicional local.

Combate à mosca-da-fruta

A mosca-da-fruta tem sido uma das maiores causas de prejuízos para os produtores de tangerina ponkan do Vale do Ribeira, sendo identificado que a espécie Anastrepha Fraterculus é a que apresenta maior índice de ocorrência.

Os frutos nos quais as moscas depositam os ovos apresentam coloração amarelada, dando a falsa impressão de maturação precoce, entretanto, a fruta está imprópria para a comercialização, o que contribui para a perda da qualidade, a diminuição do preço pago pelo mercado e a desvalorização do produto perante o consumidor.

Em função do relevo altamente acidentado do Vale, que dificulta a mecanização e a dificuldade de aplicação de iscas tóxicas/inseticidas, vem sendo realizado um trabalho de referência no combate à mosca-da-fruta por meio da captura massal com utilização do atrativo alimentar Ceratrap (nome comercial).

Esse atrativo é utilizado em forma de iscas em garrafas PET espalhadas principalmente pelas bordas dos pomares e nas regiões próximas à mata. Essa alternativa, além de capturar principalmente as moscas fêmeas, que possuem ovipositor e que são responsáveis pelo aumento populacional da praga, constitui-se como uma prática agroecológica para o cultivo, tendo em vista que é um produto que pode ser utilizado na agricultura orgânica.

Agregação de valor

No ano de 2018, a partir da parceria entre a Cooperativa Copavale, a indústria local Citrus Union, e contando com o apoio da Prefeitura de Curitiba e do SEBRAE/PR, foi realizado um trabalho de inserção do produto Suco Integral de Tangerina nos mercados institucionais da capital.

Esse trabalho permitiu a resolução de dois problemas: a necessidade de agregação de valor em relação à fruta in natura e a venda das frutas, que não apresentam diâmetro necessário para comercialização destinada ao consumo de mesa.

Com rendimento de sete litros de suco por caixa de 20 kg de fruta, a produção de suco integral gerou uma agregação de valor de mais de 600% em relação à comercialização da fruta in natura, além de ampliar a produção da fábrica local, colaborando para o desenvolvimento econômico local.

Oportunidades de negócios – óleo essencial

Além da comercialização in natura e da transformação em suco integral, a ponkan oferece, ainda, como oportunidade de agregação de valor na cadeia produtiva, a extração de óleo essencial, obtido da casca da tangerina verde.

Resultante da parceria entre a Cooperativa Copavale, a indústria Citrus Union e a empresa de cosméticos naturais de “Cativa Natureza”, a safra 2020 terá a primeira leva de óleo essencial de tangerina ponkan produzida exclusivamente no Vale do Ribeira.

Formação técnica e sucessão familiar no campo

O êxodo de jovens do meio rural apresenta sérias implicações nos processos sucessórios, especialmente na agricultura familiar. Diante dessa realidade e da necessidade de melhoria na área de Assistência Técnica e Extensão Rural, tem sido realizada uma união de esforços entre atores locais que visam a criação de um ambiente mais propício à permanência e à inserção profissional de jovens que realizaram formação técnica no curso de agropecuária.

O objetivo é proporcionar aos agricultores locais o acesso aos conhecimentos técnicos para melhoria na produtividade de suas lavouras e aos jovens em formação, a oportunidade de atuação profissional necessária para sua permanência nos municípios da região.

Investimentos iniciais da produção

Os investimentos iniciais da produção consistem nos valores necessários para operacionalizar o empreendimento desejado, dessa forma, se um produtor deseja investir no cultivo de tangerina ponkan, o mesmo realizará investimentos nos seguintes processos: preparação do solo (custo variável de acordo com a necessidade de correção do solo em que será realizado o plantio); compra de mudas (custo variável de acordo com a qualidade da muda adquirida); plantação (custo variável de acordo com o valor da mão de obra local); manutenção do pomar (custo com insumos e manejo).

Em média, as tangerineiras começam a produzir frutos entre o segundo e terceiro ano, obtendo crescimento até a idade adulta, alcançada quando o pomar atinge 10 anos, a contar da data do plantio. A produtividade é variável em função da nutrição da planta e dos cuidados com o manejo do solo e controle de pragas, como a mosca-da-fruta, por exemplo.

Rentabilidade

A agricultura é uma atividade de risco e a produção de ponkan tem uma rentabilidade variável. Os riscos envolvem tanto o microambiente como o macroambiente. No microambiente ocorrem as forças controláveis, como a qualidade da fruta, que se dará pela adubação e manutenção correta do pomar.

No macroambiente ocorrem as forças incontroláveis que envolvem diretamente a comercialização da fruta, que está ligada a externalidades, como questões econômicas de oferta e demanda, além de forças político/legais, tecnológicas e culturais.

Neste sentido, um produtor de tangerina utiliza como balizador a rentabilidade esperada, ou seja, a rentabilidade com base no preço de venda dos anos anteriores, tendo em vista que a quantidade de produção também é um fator variável em virtude de condições climáticas, pragas e doenças.

Diante disso, a utilização de manejos alternativos que visem a redução dos custos de produção influencia diretamente na rentabilidade do pomar. Além disso, o desenvolvimento de ações de agregação de valor ao produto também pode ampliar a rentabilidade da produção.

ARTIGOS RELACIONADOS

Floral Atlanta – Para quem busca qualidade no que faz

  A Floral Atlanta levou para a Hortitec seu carro-chefe, o Green-up, um substrato à base de espuma fenólica que atende as necessidades de germinação...

Especialistas advertem sobre deficiência de magnésio em tomate

 O magnésio, utilizado em conformidade com as análises de solo e folha, pode ajudar a lavoura em condições de altas temperaturas O magnésio é um...

Correto manejo nutricional do limoeiro

Elisamara Caldeira do Nascimento Talita de Santana Matos Doutoras em Agronomia " UFRRJ Glaucio da Cruz Genuncio Doutor e professor adjunto de Fruticultura da UFMT glauciogenuncio@gmail.com A citricultura teve como...

Teoria da dupla-relatividade para fertirrigação

  Os fertilizantes são, em geral, sais. A salinidade pode ser medida com o auxílio de um condutivímetro para identificar a Condutividade Elétrica (CE). Para...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!