20.6 C
Uberlândia
sábado, maio 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaques'Adjuvantes da Pulverização': programa reavalia funcionalidade de mais de 100 adjuvantes

‘Adjuvantes da Pulverização’: programa reavalia funcionalidade de mais de 100 adjuvantes

Iniciativa do setor privado e do Centro de Engenharia e Automação do IAC, auxilia indústria da área a agregar credibilidade a produtos não fiscalizados por órgãos oficiais do país

Divulgação

A indústria de adjuvantes agrícolas adere continuamente ao programa ‘Adjuvantes da Pulverização’, que une o setor privado ao Centro de Engenharia e Automação (CEA), do Instituto Agronômico (IAC), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. O programa reúne hoje quase 50 empresas, signatárias do Selo IAC de funcionalidade para adjuvantes agrícolas, expedido pelo centro de pesquisas.

Ao contrário do que ocorre na indústria de agrotóxicos, observa o pesquisador Hamilton Ramos, coordenador do programa, o setor produtivo de adjuvantes não é regulado por órgãos oficiais. “Essa brecha abre margem à circulação de adjuvantes de má-qualidade, ao mesmo tempo que exige de boas empresas a busca por mecanismos que atestem a qualidade de produtos. Bons adjuvantes fomentam produtividade; produtos ruins trazem danos.”

Conforme Ramos, também diretor do CEA-IAC, adjuvantes agrícolas são produtos químicos adicionados à calda de agrotóxicos no momento da aplicação destes. “Conferem propriedades adesiva, espalhante, umectante, de maneira a assegurar eficácia nos tratamentos de lavouras, como cobertura das áreas por produtos, fixação e distribuição sobre plantas”, exemplifica Ramos.

Atualmente, diz Ramos, mais de 100 produtos adjuvantes encontram-se em processo de reavaliação, visando a renovar sua certificação de funcionalidade. Segundo ele, o programa conta com um laboratório, possivelmente único no país, na sede do CEA-IAC, na paulista Jundiaí, apto a executar testes relacionados às especificações que esses produtos trazem em rótulos.

“O selo de funcionalidade transfere reputação de qualidade aos produtos aprovados”, acrescenta Ramos. De acordo com ele, quando associado a um defensivo agrícola de alta tecnologia, um adjuvante de má-qualidade implica perdas relacionadas a investimentos do produtor nos tratamentos ante pragas, doenças e plantas daninhas, “que exigem somas elevadas na safra”.

O Centro de Engenharia e Automação do IAC é parte da história da modernização da agricultura brasileira.  Em uma área de 110 mil m², ao pé da Serra do Japi, desenvolve pesquisas e presta serviços nas áreas de mecanização, agricultura regenerativa, meio ambiente e segurança no manuseio de agroquímicos. Conduz, hoje, mais de 30 projetos de ponta nas culturas de uva, cana-de-açúcar, agricultura por imagem e tecnologia de aplicação de agroquímicos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Aviação Agrícola – Maior evento do mundo começa em Sertãozinho

Sertãozinho, no interior de São Paulo, terá em 2019 o maior evento aeroagrícola já realizado no País. Ao que tudo indica, o Congresso da Aviação Agrícola...

Como combater a fitotoxicidade do tomateiro

Diego Henriques Santos Engenheiro agrônomo da Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo (Regional Noroeste) - CODASP dihens@bol.com.br   O tomateiro é uma cultura de estação quente, sendo...

Benefícios das algas marinhas para folhosas

Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro...

Quais as inovações tecnológicas em nutrição e fitossanidade?

Autores Jorge Jacob Neto Professor titular, Ph.D., do Departamento de Fitotecnia – Instituto de Agronomia – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!