28.6 C
Uberlândia
sábado, abril 13, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesAgro brasileiro está na vanguarda de digitalização 

Agro brasileiro está na vanguarda de digitalização 

Durante o 22º Congresso Brasileiro do Agronegócio, autoridades destacaram do setor para alimentar e, também, para exportar tecnologias e soluções para o mundo

Para atender a demanda de proteína animal, carboidratos e fibras, levando em consideração o sequestro de carbono e a proteção de biomas, será preciso uma quantidade de terras em hectares equivalente ao território do Brasil. Essa informação foi divulgada pela consultoria McKinsey, durante o 22º Congresso Brasileiro do Agronegócio, uma realização da Associação Brasileira do Agronegócio – ABAG, em parceria com a B3 – a bolsa do Brasil, que acontece nesta segunda-feira, dia 7 de agosto, em São Paulo.

Créditos: Divulgação

“Existe terra disponível, mas será muito mais cara devido à recuperação de terras degradadas. E, o Brasil tem competitividade e potencial para contribuir com essa demanda”, disse Nelson Ferreira, sócio sênior e líder global de Agricultura da Mckinsey & Company. Uma pesquisa da consultoria com 5,5 mil produtores agrícolas revelou que o agro brasileiro está na vanguarda de digitalização, com as propriedades rurais utilizando os canais digitais para aquisição de produtos, insumos e máquinas.

Em agricultura regenerativa, o Brasil está liderando essa aplicação, tanto no plantio direto, na Integração Lavoura-Pecuária, como no uso de fertilizante de taxa variável.  Da mesma forma, na área de controle biológico, bioestimulante e biofertilizante, o país é quem mais aplica esse tipo de tecnologia.

Entre os principais desafios citados estão a taxa de juros, custos de transação, tempo de processamento e exigência de garantia. “Por isso, as fintechs no setor de financiamento para o campo estão crescendo”, pontuou. Em termos do uso de tecnologia de agricultura de precisão, o Brasil fica em terceiro lugar, com 50%, atrás da Europa, com 62%, e da América do Norte, com 61%. Contudo, o país lidera quando se trata do uso de hardware para agricultura de precisão e de tecnologias relacionadas à sustentabilidade.

Solenidade de abertura

A Abag completou 30 anos, e ao longo deste tempo contribuiu para o desenvolvimento do agro brasileiro. “Nosso setor cresceu em produtividade com tecnologia tropical e de baixa emissão de carbono. A produtividade depende da tecnologia e de inovação, mas ainda não é suficiente, é preciso políticas públicas que melhorem o ambiente de negócios, garantir investimentos e ampliar o processo de inclusão”, ponderou Luiz Carlos Corrêa Carvalho (presidente da ABAG), durante a solenidade de abertura do 22º Congresso Brasileiro do Agronegócio.

O século XXI tem trazido mudanças, com G7 perdendo o domínio na produção agrícola. “Precisamos utilizar nossa habilidade para navegar entre ocidente e oriente, em um período onde a colaboração começou a ser substituída por sanção. E, o Green Deal é o eixo central que, ao invés de incrementar oportunidades, tem trazido imposições”, afirmou Carvalho.

Ele ressaltou ainda a importância governança e da inovação como chaves para o âmbito público e o setor privado para o desenvolvimento sustentável do país e para o crescimento do agro brasileiro”.

O vice-presidente da República, Geraldo Alckmin, ressaltou a importância da parceria entre indústria e agricultura. “Quanto mais forte o agro, mais ajuda a indústria, e quanto mais desenvolvida for a indústria, mais tecnologia para o agro”, disse. Ele mencionou que está otimista com o acordo entre o Mercosul e a União Euopeia, e afirmou que o BNDES vai disponibilizar R$ 5 bilhões com juros de TR para pesquisa, inovação e digitalização, e que o Brasil está liderando o combate às mudanças climáticas.

O Estado de São Paulo já conta com 386 mil propriedades integradas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR), “O CAR será mais efetivo quanto mais automático for, e esse é nosso objetivo para conseguir cadastrar todos as 415 mil propriedades rurais, a fim de ter acesso ao crédito mais barato”, disse o governador de São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas, que comentou ainda que São Paulo fará regularizações de terras, com entrega de títulos para assentados, grandes, médias e pequenas propriedades. “Precisamos garantir segurança jurídica para quem precisa trabalhar”, pontuou. Por fim, ressaltou que haverá um resgaste da malha ferroviária paulista para escoamento de safra, o lançamento do primeiro reformador para produção de hidrogênio a partir de etanol e levar conectividade para o campo paulista.

O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, citou a necessidade de o país reconhecer a grandeza e importância no setor agropecuário. “Sabemos da nossa responsabilidade com o meio ambiente. No Brasil fizemos uma grande revolução graças à ciência e tecnologia. O desenvolvimento sustentável da agropecuária brasileira pode e vai ser a salvação alimentar para o mundo”, frisou, listando o crescimento da produtividade em mais de 500%, e da área ocupada em 140% nos últimos 50 anos.

Ele reforçou que o país tem a possibilidade de incrementar 40 milhões de hectares em área plantada nos próximos dez anos. “Qual é o papel da agropecuária brasileira para gerar crescimento, economia e oportunidades? Crescer de maneira sustentável sem precisar derrubar a floresta, que é um ativo ambiental e essa é a nossa grande vocação”, disse Fávaro.

Gilson Finkelsztain, CEO da B3, enfatizou que, apesar do crescimento contínuo da capacidade de produção do agronegócio brasileiro nos últimos anos, ainda há muito a evoluir, especialmente em governança, inovação e investimento, área de atuação da B3 que, ao interligar o agro e o mercado de capitais, posiciona-os como importantes aliados no desenvolvimento e evolução do setor como um todo.

Essa aproximação é confirmada em números. Neste ano foi realizado o registro de mais de 100 mil CPRs (Cédula de Produtor Rural), com mais de R$ 216 bilhões em estoque, enquanto no ano passado foram registradas apenas 110 mil CPRs. “Essas CPRs trazem segurança, transparência do mercado e para os produtores e, na ponta final, se traduzem em maior facilidade de análise de crédito, além de redução de custo de captação para quem toma dinheiro. É uma das muitas formas inovadoras de funding do agronegócio surgidas nos últimos anos”, afirmou.

A solenidade de abertura contou ainda com as participações do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, da senadora Tereza Cristina, do deputado federal Pedro Lupion, presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), de Jorge Viana (presidente da ApexBrasil, e de João Martins (presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA).

Serviço: 
22º Congresso Brasileiro do Agronegócio – Presencial e On-Line
Tema: 
Brasil Agro: Inovação e Governança
Data: 7 de agosto de 2023
Horário: das 9h às 18h
Local: Sheraton WTC São Paulo Hotel – Av. das Nações Unidas, 12559
Informações: https://congressoabag.com.br/

ARTIGOS RELACIONADOS

Como diminuir os custos de produção em 2023 

Confira dicas e orientações para você evitar gastos desnecessários.

Sementes NK comemora 4 anos no Brasil

Marca também realizará diversas outras ações em uma das principais feiras do calendário do agronegócio brasileiro.

A importância de mais crédito para o agro em 2024

Investir no agro é investir no desenvolvimento sustentável, na segurança alimentar e no crescimento econômico do país.

Formulações mais sustentáveis de defensivos são tendência no campo

Com sede em Israel, referência tecnológica no campo, e maior portfólio de princípios ativos do mundo, ADAMA se diferencia em formulações de produtos e prepara universitários nessa área em Tel Aviv. No Brasil, a companhia foca no desenvolvimento de soluções sustentáveis exclusivas para o agro nacional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!