21.6 C
Uberlândia
sábado, junho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosAgronelli destaca o Gesso Agrícola na 18ª Expocafé

Agronelli destaca o Gesso Agrícola na 18ª Expocafé

 

Equipe Agonelli na Expocafé 2015 - Crédito Luize Hess
Equipe Agonelli na Expocafé 2015 – Crédito Luize Hess

 

Participando pelo sexto ano consecutivo, a empresa Agronelli Insumos Agrícolas, mais uma vez levou para a 18ª Expocafé as técnicas e avanços de produtividade que o Gesso Agrícola promove na lavoura.

A Agronelli é a empresa pioneira no Brasil a trabalhar com o Gesso Agrícola, conhecido também por fosfogesso. É uma empresa focada em produtos alternativos para agricultura e empenhada em resultados, que pelo sexto ano participa da Expocafé.

“Dos últimos eventos, a Expocafé 2015 foi o melhor pelo número de visitas, clientes e consultores. Realizamos alguns negócios e fizemos muitos contatos, inclusive venda, mas com certeza os próximos anos a feira tende a ser cada vez melhor e contribuir com bons negócios“, avalia José Roberto Malaquias, supervisor comercial da Agronelli.

Destaque

Além do Gesso Agrícola, a Agronelli é referência também na venda de fertilizantes à base de silício e fósforo. Nesse ano, a novidade foi um produto com gesso e magnésio, chamado AgronelliMagnesium. “Seu foco é o equilíbrio de bases no solo. Como tem se usado gesso constantemente, é comum haver desequilíbrio entre cálcio e magnésio e o AgronelliMagnesium visa equilibrar tais nutrientes no solo“, explica José Roberto.

Ainda segundo ele, o magnésio é muito importante para as plantas, por ser o único elemento químico que está na fotossíntese e ser o elemento central da molécula de clorofila. “O magnésio está muito ligado à saturação e ao melhoramento de aproveitamento de fósforo. Este é um elemento essencial, e vemos que nas análises de solo e folha tem tido bastante deficiência“, pontua.

Além de produtos, a Agronelli oferece serviços. Presente no Sul de Minas Gerais há dez anos, José Roberto espera que a cafeicultura se desenvolva ainda mais, e que venha mais tecnologia para que o café do Sul de Minas esteja sempre forte.

 Essa matéria você encontra na edição de julho da Revista Campo & Negócios Grãos. Adquira o seu exemplar. 

ARTIGOS RELACIONADOS

Mal das folhas da seringueira exige controle urgente

José Geraldo Mageste Engenheiroflorestal, doutor e professor da UFU-ICIAG jgmageste@ufu.br Ernane Miranda Lemes Engenheiroagrônomo, mestrado em Fitopatologia e doutor em Agronomia " UFU ernanelemes@yahoo.com.br Causado por Microcyclusulei, o mal das...

Safra brasileira de café corresponderá a 31,3% da produção global em 2017

Produção nacional deverá ficar entre 43,65 a 47,51 milhões de sacas de café de 60 quilos, a global em 151,6 milhões de sacas e...

Patrulha rural: Rede de fazendas protegidas

O 46º Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais implantou na zona rural de Patrocínio (MG) os projetos “Patrulha Rural“ e “Rede de Fazendas...

Linha de fertilizantes especiais alia produtividade e tolerância ao estresse hídrico

Carlos Henrique Eiterer de Souza Engenheiro agrônomo, doutor em Agronomia, diretor de Pesquisa & Desenvolvimento Geociclo Biotecnologia S/A e professor adjunto Centro Universitário de Patos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!