20.6 C
Uberlândia
sábado, maio 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesSempre Agtech chega em Uberlândia

Sempre Agtech chega em Uberlândia

Unidade será utilizada para ampliar e acelerar o processo de melhoramento de híbridos da empresa e os avanços de seus eventos em biotecnologia.

Com mais de 20 anos dedicados ao melhoramento genético de híbridos de milho, pesquisa e desenvolvimento de biotecnologias para a agricultura tropical, a Sempre AgTech anuncia a aquisição de uma estação de pesquisas em Uberlândia, região do Triângulo Mineiro, Minas Gerais. A nova unidade conta com uma estrutura de alta tecnologia, o que será determinante para acelerar ainda mais o processo de melhoramento de híbridos, bem como, o avanço estruturado dos eventos biotecnológicos da companhia.

Créditos: Divulgação

Com sede em Chapecó, a aquisição é mais um importante passo do grupo catarinense dentro da sua estratégia de expansão no mercado brasileiro, bem como, para o acesso de novos mercados com seus produtos e tecnologias. A ampliação dos negócios, com fortes investimentos em biotecnologias, mira oferecer ao agro soluções inovadoras, com alternativas mais eficientes, rentáveis e sustentáveis para o produtor rural, conforme destaca o CEO e presidente da Sempre AgTech, Fernando Prezzotto. “A aquisição da estação de Uberlândia é mais um importante movimento dentro da estratégia da companhia, que se prepara para lançar produtos que terão melhor performance em regiões específicas do país, como é o ecossistema do Cerrado Alto”. Prezzotto lembra que a agricultura brasileira está, a cada safra, mais tecnificada, por isso a estratégia da empresa é oferecer híbridos de milho e biotecnologia que tenham potencial de contribuir de maneira significativa no negócio do produtor.

“Com estes investimentos temos o objetivo de assegurar a meta de 10% de market share no mercado nacional de sementes híbridas de milho. Para isso, estamos desenvolvendo tecnologias que visam oferecer soluções com foco na produtividade e na entrega do melhor resultado para o agricultor”.

Estação de Uberlândia terá tecnologias voltadas para o Cerrado Alto

A nova estação experimental de Uberlândia vai operar em conexão com os projetos da unidade de Santa Helena de Goiás/GO e Toledo/PR, sob coordenação da WIN, divisão de inovação da Sempre AgTech, que está instalada no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), em São Paulo. O diretor P&D e Inovação da WIN, Hugo Molinari, ressalta a importância da nova estação.

“Vamos ampliar as pesquisas em biotecnologia, com condições de testar e editar materiais que sejam OGM (Organismo Geneticamente Modificado), com características desejadas, como resistência a insetos e herbicidas importantes para a cultura e, também, ativos vindos de microrganismos modificados, entre outras possibilidades”. Molinari lembra, ainda, que a unidade de Uberlândia também oferece todas as condições para o melhoramento de tecnologias voltadas para o Cerrado Alto.

A estrutura completa e moderna, adquirida no início de setembro, conta com cerca de 410 mil m² de área construída e campos experimentais, que já foram utilizados pela Bayer e  Basf. Entre os destaques estão as mais de 60 casas de vegetação para a realização de ensaios, algumas delas totalmente automatizadas para atender bioensaios com ativos biotecnológicos. As atividades devem iniciar nas próximas semanas, contando com mais de 60 colaboradores em plena atividade.

“É um local estratégico para a realização de todos os bioensaios com ativos biotecnológicos”, aposta Molinari. Segundo o diretor, o próximo passo do negócio será ampliar os ensaios de validação para áreas de campo, as chamadas LPMAs (liberações planejadas no meio ambiente). “Teremos uma rede de ensaios maior, com oito a 10 locais distintos para validar cada tecnologia, tanto para soja, milho e algodão, em ambientes de produção representativos dessas culturas”, relata.

Tecnologias baseadas no RNA interferente (RNAi), um mecanismo natural responsável pelo silenciamento gênico, também serão avaliadas na estação. Essa tecnologia permite atuarmos somente nos alvos desejados, inativando genes específicos em plantas daninhas, doenças e insetos-praga, trazendo benefícios à sustentabilidade e à biodiversidade.

“São muitos anos de pesquisa em busca de uma forma nova de controle. Os defensivos biodirigidos têm como base moléculas de DNA dos insetos-praga, doenças e plantas daninhas que acometem e roubam a produtividade da lavoura. Vamos contribuir para o controle e proteção de cultivos de forma muito mais específica e sustentável”, assegura Molinari.

A Sempre AgTech prioriza esforços no desenvolvimento e produção de biotecnologias em solo brasileiro, sem depender de matérias-primas vindas de outros países, e na redução do domínio exclusivo das multinacionais. A produção de tecnologia nacional também tem, como propósito, fazer com que esses ativos estratégicos se tornem propriedade dos brasileiros e, ainda, a retenção do conhecimento no país, assegurando o suprimento de genética e proteção agrícola mais sustentável para o campo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Quebra é de quase 60% no milho sequeiro e de 24% na soja

A safra gaúcha de milho sequeiro alcançou uma perda de 59,2% ate o momento, enquanto no milho...

El Niño favorece cigarrinha-do-milho

Pressão de pragas tende a ser mais severa ante os efeitos do clima e produtor do cereal deve melhorar monitoramento para não ter prejuízo, recomenda especialista; inseto vetor de doenças tem potencial para dizimar uma lavoura

Redução de perdas de nutrientes

A tecnologia aumenta a eficiência da absorção de nutrientes, portanto, reduz quantidade de adubo e aumenta produtividade

Sementes de milho de alta germinação

Anne Carolline Maia Linhares Licenciada em Ciência Agrárias e Doutoranda em Ciência do Solo - Universidade Federal da Paraíba (UFPB) anemaia-16@hotmail.com Maria Idaline...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!