14.6 C
Uberlândia
quinta-feira, maio 30, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosAlgas incrementam tamanho e uniformização do repolho

Algas incrementam tamanho e uniformização do repolho

O manejo correto garantirá enraizamento mais eficiente, melhor desenvolvimento vegetativo e cabeças maiores, mais uniformes, e, também, maior resistência às pragas e doenças.

Nilva Teresinha Teixeira
Engenheira agrônoma, doutora e professora de Bioquímica, Nutrição de Plantas e Produção Orgânica – UniPinhal
nilva@unipinhal.edu.br

A produção mundial de repolho é de cerca de 72 milhões de toneladas por ano, sendo a China o maior produtor do mundo, com 33.881.515 toneladas ao ano, vindo a Índia em segundo lugar, com 8.755.000 toneladas. Esses países produzem quase 60% do total mundial, segundo o Atlas Big.

Foto: Shutterstock

No Brasil, o repolho é, entre as brássicas, a olerícola que mais vem se destacando em área cultivada e comercialização, ocupando cada vez mais espaço, pelo volume produzido e importância econômica, principalmente para a agricultura familiar.

Como as algas entram no processo

Com a expansão da área cultivada e a preocupação com a qualidade do produto cada vez mais presente entre os consumidores, a lavoura de repolho mostra tendência à aplicação de ferramentas que melhorem o desenvolvimento, produção e qualidade do produto.

Entre elas, estão os formulados à base de algas marinhas, hoje empregados como biofertilizantes para reforçar a resistência das plantas aos agentes bióticos e abióticos.

As algas marinhas, por seu habitat natural, desenvolveram a capacidade de sintetizar e armazenar os mais variados compostos orgânicos, como vitaminas, aminoácidos, hormônios semelhantes aos produzidos pelos vegetais superiores, com as auxinas, giberelinas, citocininas e ácido abscísico (ABA), além da glicoproteína alginato, que é capaz de reter grande quantidade de água.

Contém, ainda, nutrientes de plantas e antioxidantes, substâncias produzidas a partir do metabolismo secundário das algas que estimulam a proteção natural dos vegetais contra pragas e doenças e às variáveis abióticas, como temperatura, raios ultravioletas, salinidade e seca.

Efeitos diretos

O emprego de formulados compostos de algas marinhas no sistema produtivo pode, também, induzir a produção de fitoalexinas, flavonoides, compostos fenólicos e terpenoides (indutores de resistência das plantas às doenças e pragas), fortalecendo os mecanismos de resistência das plantas.

Pesquisas mostram que os extratos de algas, se associados a adubos minerais, podem melhorar a absorção dos mesmos e seu aproveitamento dentro das plantas.

Portfólio amplo

Há uma grande diversidade de opções, destacando-se as chamadas macroalgas, que englobam as algas verdes (divisão Chlorophyta), marrons ou pardas (Phaeophyta) e algas vermelhas (Rhodophyta), de acordo com os pigmentos que possuem. Os principais produtores são a China e o Japão, seguidos pelos Estados Unidos e Noruega.

Entre as algas marinhas as mais utilizadas na agricultura, estão: Ascophyllum nodosum, Ulva sp., Kappaphycus alvarezi, Ecklonia maxima e as algas calcárias, como a Lithothamnium calcareum.

Lembrando que existem, no mercado brasileiro, muitos formulados comerciais compostos com extratos das espécies citadas.

Qualquer espécie de algas marinhas pode agir na proteção das plantas às pragas e doenças. Porém, nesse particular destacam-se as algas verdes do gênero Ulva, por apresentarem expressivas quantidades de um polissacarídeo, a ulvana, que estimula os mecanismos de defesa vegetal.

Culturas beneficiadas

Extratos de algas marinhas vêm sendo empregados na agricultura como bioestimulantes nas mais variadas culturas. Isso porque beneficiam a disponibilização e eficiência no aproveitamento de nutrientes, pela melhoria do enraizamento dos vegetais, a resistência e tolerância aos estresses bióticos e abióticos, as características qualitativas, o desenvolvimento e a produtividade.

São inúmeras as vantagens dos bioestimulantes à base de algas em relação aos sintéticos. Beneficiam os cultivos quanto à produtividade, qualidade do produto, resistência às pragas e doenças, estresse hídrico, sem causar danos ao meio ambiente.

Ainda, são fontes de nutrientes e podem ser aplicados em cultivos tradicionais e orgânicos. Seu uso se estende a qualquer fase da cultura, da germinação à maturação, o que não ocorre com os sintéticos.

É bom lembrar que as algas não são fertilizantes e não o substituem (embora possam reduzir a quantidade aplicada de adubos).

Recomendações

A introdução das algas marinhas via parte aérea estimula a respiração, por ativar o Ciclo de Krebs e a fotossíntese, por aumentar a síntese da clorofila, pigmentos fundamentais para a atividade fotossintética.

A disponibilidade e aproveitamento de água e nutrientes e os processos da respiração e fotossíntese são fundamentais para a produtividade e qualidade dos produtos derivados das espécies vegetais.

Assim, como em toda espécie vegetal, a inclusão de formulados contendo algas marinhas pode estimular o enraizamento das mudas recém-transplantadas, o desenvolvimento vegetativo e a formação da cabeça do repolho, em peso e qualidade.

Seu emprego pode se dar logo após o transplantio (cerca de uma semana depois da instalação das mudas, repetindo o uso a cada 14 dias. A dose aplicada depende do produto escolhido (ou indicado por técnico especializado).

O manejo correto garantirá enraizamento mais eficiente, melhor desenvolvimento vegetativo e cabeças maiores, mais uniformes, consistentes e, também, maior resistência às pragas e doenças.

O tempo de prateleira do repolho também se beneficiará com o emprego das algas marinhas, pois o produto ficará mais consistente e com formação mais adequada.

Pesquisas

Não apenas a produtividade e a qualidade do repolho podem se beneficiar da inclusão dos formulados com algas marinhas. Resultados de pesquisas deixam claro as possibilidades de efeitos positivos da inclusão de tais insumos na quantidade e qualidade produzida.

No curso de Engenharia Agronômica do UniPinhal, em Espírito Santo do Pinhal (SP), a equipe do setor de Nutrição de Plantas obteve excelentes resultados com o uso de algas marinhas, em algumas espécies vegetais.

Em ensaios com feijão e milho, o emprego de tais insumos promoveu melhoria na germinação de sementes e na produtividade. Já em batata, observou-se excelentes resultados na brotação de tubérculos, com brotos vigorosos, que originaram plantas bem desenvolvidas e produtivas.

Em tomate cereja observou-se maior produtividade, resistência às pragas e doenças e qualidade dos frutos. Em alface, houve maior produtividade e qualidade do produto, e em cafeeiro melhor qualidade de bebida.

Assim, o emprego das algas marinhas pode ser estendido a todas as espécies vegetais. O importante é conhecer as doses e formas de aplicação corretas para cada espécie e usar com critério.

ARTIGOS RELACIONADOS

O uso da leonardita na agricultura

O uso da leonardita na agricultura se expande cada vez mais devido os resultados positivos agregados na qualidade e produtividade nas culturas.

Algas – mais durabilidade para a cenoura

As algas proporcionam maior velocidade de germinação, plântulas mais vigorosas, maior resistência aos estresses biótico e abiótico e melhor estande.

Bioativadores à base de algas: alternativa para adversidades climáticas

Descubra como esses produtos melhoram a produtividade e resistência das plantas em face de mudanças climáticas extremas

Alga marinha Lithothamnium: a riqueza brasileira

Cálcio orgânico como solução para aumento da eficiência do uso de fósforo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!