23.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioPecuáriaBovinosAlimentação das vacas controla mastite e moscas

Alimentação das vacas controla mastite e moscas

A alimentação adequada das vacas pode contribuir positivamente para o controle da mastite e redução da infestação de moscas.

Após instabilidade nos últimos anos, os preços do leite ao produtor mantêm-se em níveis positivos em 2023. “Segundo levantamento do CEPEA, na média o litro fechou o ano passado a R$ 2,65 e o mais recente levantamento mostra cotações acima de R$ 2,72/litro”, informa o médico-veterinário Humberto Moura, gerente de marketing da Champion Saúde Animal. “Relaxar e contabilizar o bom momento? Não. O produtor precisa revisar os seus processos de produção e diminuir os riscos de perdas de leite para aproveitar o ótimo momento. Afinal, os centavos por litro fazem muita diferença”, reforça o especialista.

Créditos: Divulgação

O cuidado com a mastite está no topo da lista das preocupações dos produtores de leite. A receita para conviver bem com a mais importante doença da atividade é conhecida pelos produtores: manutenção de ambiente limpo, seco e confortável; procedimentos adequados de ordenha; manutenção e uso correto do equipamento de ordenha, entre outros. Nesse cenário, nunca foi tão importante olhar para um agente transmissor presente no dia a dia da fazenda leiteira: as moscas.

“É extremamente importante o controle eficaz das principais moscas encontradas em criações de gado leiteiro, Haematobia irritans (mosca-dos-chifres), Stomoxys calcitrans (mosca dos estábulos) e Musca doméstica (mosca doméstica). Elas carreiam bactérias causadoras de mais de 100 doenças, entre elas a mastite. O resultado é a perda de produtividade e, consequentemente, prejuízo para os produtores. Estima-se em R$ 220,00 por vaca o custo do tratamento da mastite e o prejuízo causado pela enfermidade”, destaca o gerente de marketing da Champion.

Um importante hábito das moscas é sua multiplicação em ambientes de resíduos orgânicos, como fezes dos bovinos. Além disso, algumas espécies também procuram os tetos das vacas para se alimentar. “As moscas se contaminam quando vão depositar seus ovos nas fezes e na matéria orgânica no ambiente. É nesse momento que se transformam em carreadores dos patógenos”, explica Humberto Moura.

O médico-veterinário destaca uma importante solução para o problema: o princípio ativo Diflubenzuron, que apresenta excelente resultado no campo, impedindo o ciclo de desenvolvimento das moscas ainda em estágios de vida imaturos. Além disso, como o produto é administrado para os animais diretamente no cocho com a ração ou sal mineral, preserva-se o bem-estar do rebanho com menos manejos, menores gastos com tratamentos de casos clínicos de mastite, e tudo isso com produção sustentável de leite cada vez mais seguro para o consumo, pois não há necessidade de descarte de leite.

Segundo o Departamento de Ciências e Nutrição Animal da Universidade de Kentucky (EUA), o controle efetivo das moscas numa fazenda leiteira pode reduzir em mais de 50% os casos de mastite, mesmo em propriedades mais tecnificadas com ordenhas robotizadas sem o contato do homem.

“É a diminuição dos casos mastite via alimentação animal. Difly e Difly S3 são as marcas comerciais de Diflubenzuron, aprovadas pelo MAPA com segurança e eficácia para o tratamento dos bovinos via ração ou sal mineral. Em trabalhos realizados por pesquisadores da UNESP e UFG, constatou-se que quando adicionado ao sal mineral de bovinos o produto possui eficiência de até 99,20% para o controle de mosca-dos-chifres a campo. Contra a mosca doméstica, outro estudo na Dinamarca e Suécia mostrou eficácia superior a 97%. E contra a mosca dos estábulos a diminuição da presença foi de 94,8%”, informa Moura.

“Está provado que uma das formas mais eficazes de controlar a mastite em rebanhos leiteiros é criar uma forte estratégia para o controle de moscas, importantes vetores da doença. Difly e Difly S3 mostram-se extremamente eficazes como ferramenta de controle das principais moscas encontradas em rebanhos leiteiros (Musca domesticaHaematobia irritans Stomoxys calcitrans). Essas potentes soluções estão à disposição dos produtores de leite para auxiliá-lo a controlar a incidência de mastite em rebanhos de leite. Reforço que Difly S3 além da mosca também controla o carrapato. Essa estratégia apresenta excelente custo-benefício, reduzindo os riscos de perda de produção em vários níveis”, ressalta o especialista da Champion Saúde Animal.

ARTIGOS RELACIONADOS

Planejar a nutrição de vacas leiteiras: ação fundamental

Abordar a nutrição de vacas leiteiras vai muito além de formular dietas: envolve fatores ambientais, particularidades dos animais e um bom gerenciamento da propriedade

Palestra na Brazil Conference & Expo discute tendências de consumo

Evento acontece no Expo Center Norte em 30 de agosto

Controle de salmonela em suínos e a alimentação

A alimentação desempenha um papel fundamental nesse controle.

Preparar refeições com as crianças ajuda no consumo de hortifrútis

Nutricionista da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de SP dá dicas para preparar pratos fáceis, nutritivos e saborosos Que tal aproveitar o feriadão para preparar pratos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!