24.6 C
Uberlândia
sábado, junho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosAminoácidos reduzem doenças do tomateiro

Aminoácidos reduzem doenças do tomateiro

Crédito: Shutterstock

Nilva Teresinha Teixeira
Engenheira agrônoma, doutora e professora de Bioquímica e Nutrição de Plantas – UniPinhal
nilva@unipinhal.edu.br

Um dos problemas enfrentados pelos tomaticultores são as inúmeras doenças que atacam a espécie em questão. Entre elas se destacam a requeima, a septoriose, o mofo-branco (ou podridão da esclerotínia), a pinta- preta (ou mancha da alternária), a rizoctoniose ou mela-de-rizoctonia, a fusariose e as viroses, como a causada pelo mosaico dourado. Veja na tabela 1 informações sobre algumas doenças que acometem o tomateiro.

Tabela 1 – Algumas características das principais doenças do tomateiro:

DoençaAgente causalPrincipais sintomas
Requeima ou MelaPhyrophchora infestans (fungo)Lesões marrons aquosas que evoluem para necrose e crestamento (“queima”) nas folhas.  No caule, apresenta lesões escuras e quebradiças e nos frutos deformação e manchas escuras.
SeptorioseSeptoria lycopersici (fungo)Principalmente nas folhas: manchas pequenas, redondas e escuras. com o centro acinzentado e com pontos escuros. Em ataques severos, manchas nas hastes, pedúnculos e flores (cálice)
Mofo-branco ou podridão de esclerotíniaSclerotinia sclerotiorum (fungo)Causam tombamento de plântulas e os prejuízos mais graves são no florescimento e fechamento da lavoura. A planta murcha e morre. Quando seca, o caule fica esbranquiçado por fora, com estruturas pretas por dentro.
Pinta-preta ou mancha-de-alternáriaAlternaria solani (fungo)Nas folhas e no caule, lesões escuras, com as bordas bem definidas. Nos frutos, apodrecimento escuro, de consistência firme.
Rizoctoniose ou mela-de-rizoctoniaRhizoctonia solaniCancro (lesões salientes) marrom na base de plantas novas. Nos frutos, apodrecimento (cor marrom), permanecendo firmes.
FusarioseFusarium oxysporumAmarelecimento e murchamento das folhas, geralmente após a floração, quando o tomateiro está começando a aumentar em tamanho.
Mosaico-DouradoGeminivirus, vetor mosca-branca  Folhas menores amarelas e deformadas. Sintomas iniciam-se nas folhas mais novas, progredindo para a planta toda.

Condições para a doença

Entre as condições que favorecem a incidência de doenças em qualquer cultura está a nutrição, pois plantas com desequilíbrio nutricional são menos resistentes aos fatores abióticos, com temperaturas extremas ou déficit hídrico e aos fatores bióticos (como pragas e doenças).

E os fertilizantes foliares podem se aliados preciosos para estabelecer tal equilíbrio. Por exemplo, o tomateiro, para a floração e a frutificação, necessita do cálcio e do boro, nutrientes essenciais na formação da parede celular e, portanto, para a multiplicação celular.

O boro ainda é essencial na formação do ácido indolilacético, necessário para a divisão celular e formação de novos tecidos. A melhor escolha, no caso, é aplicá-los via foliar.

Ação dos aminoácidos

E os aminoácidos, como agem em aplicação exógena na resistência das plantas a doenças? 

A maior parte do nitrogênio absorvido pelas culturas é o mineral, com destaque para a forma nítrica  (nitrato), que uma vez  dentro das plantas (nas raízes e na parte aérea) se transforma em N-amoniacal, que reage com ácidos orgânicos (como o alfa cetoglutárico) e se transforma em aminoácido, que se junta a outros formando proteínas, ou ainda é empregado como matéria-prima  na formação de outras substâncias.

Na síntese dos aminoácidos dentro da planta, a partir do N mineral há demanda de energia. Então, a aplicação via aérea ou pelas raízes promove economia de energia, que poderá ser empregada para o desenvolvimento e formação da produção e reforçar a formação das substâncias que agem na resistência das plantas. Assim, a sua aplicação, quando bem direcionada, pode resultar em plantas mais produtivas e resistentes.

Entretanto, cada aminoácido, além de formar as proteínas e outras substâncias importantes, exerce papéis específicos. Como, por exemplo, a glicina é matéria-prima para formação dos citocromos e da clorofila, importantes na respiração e na fotossíntese, respectivamente.

O triptofano é precursor do Ácido Indolil Acético (AIA), hormônio de crescimento. A serina é matéria-prima para formar o triptofano. A cisteína está presente na assimilação do enxofre, e é precursor da lignina.

Também a fenilalanina faz parte da rota de formação da lignina, que é um carboidrato que reforça a estrutura da planta, sendo importante na resistência às pragas e doenças. Ainda, tal aminoácido atua na síntese do ácido salicílico, importante agente de resistência das plantas aos patógenos.

A tirosina, fenilalanina e o triptofano estão diretamente relacionados com a produção de compostos fenólicos formados no metabolismo secundário das plantas. Esses compostos e as flavonas e  os ácidos cumárico e o cinâmico são agentes de defesa vegetal, funcionando como um tipo de anticorpo que inibe o desenvolvimento de doenças.

Manejo

Os aminoácidos podem ser aplicados via adubação foliar. Eles agem como quelatizantes e, dessa maneira, melhoram a absorção e o aproveitamento dos nutrientes metálicos como, por exemplo, o cálcio, o zinco, o manganês e o ferro, além de agirem na recuperação de plantas depauperadas e torna-las mais resistentes.

Quanto à dose a aplicar, é tarefa difícil: os produtos disponíveis no mercado têm diferentes constituições. A dosagem recomendada para o tomate é de 0,15 a 0,25 L 1.000 L-1 (foliar) e 4-5 L há-1 (fertirrigação), com repetições a cada 15 dias.

Resultados de campo, com a cultura do tomate, têm demonstrado que a incorporação no manejo de fertilizantes contendo aminoácidos tem se mostrado economicamente vantajosa, com aumento da produtividade e qualidade dos frutos, além de tornar as plantas mais resistentes aos agentes abióticos e bióticos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Especialista alerta para o risco de incidência de pragas no algodão

Nematoides já foram detectados em lavouras de soja no Mato Grosso e na Bahia, provocando sérios prejuízos.

Aminoácidos: Essencialidade para a cebola

A cebola é uma cultura importante no mercado nacional e internacional, fomentando a agricultura brasileira de tal maneira que se faz necessário utilizar ferramentas que incrementem a produtividade dessa cultura, uma vez que a produtividade média do País é em torno de 32 t/ha, enquanto países como Japão e a Argentina a produtividade média ultrapassa as 45 t/ha (IBGE, 2019).

Mercado de mesa: cultivares de tomateiro de hábito determinado

O tomate é a hortaliça mais consumida no mercado brasileiro e possui duas cadeias produtivas distintas compostas pelo cultivo para indústria e consumo “in natura”.

Canela-preta na batata: um grande desafio para o produtor

Você sabia que a canela-preta é uma doença importante da batata que pode causar grandes prejuízos ao produtor?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!