23.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasAs melhores técnicas para a aplicação de defensivos agrícolas

As melhores técnicas para a aplicação de defensivos agrícolas

Falhas na execução podem acarretar prejuízos ao produtor e impactar negativamente a saúde humana e o meio ambiente

Os defensivos agrícolas possuem papel importante para proteger as lavouras contra pragas e doenças, mas o uso indevido e excessivo de agroquímicos pode provocar impactos negativos à saúde humana e ao meio ambiente. De acordo com o Coordenador de Tecnologia de Aplicação da BRANDT no Brasil – empresa de inovação tecnológica focada em fisiologia vegetal e tecnologia de aplicação -, Vitor Anunciato, o produtor deve estar sempre atento ao uso correto dos produtos disponíveis no mercado, seguindo as orientações dos fabricantes. 

Segundo o especialista, um dos problemas mais comuns na utilização de defensivos é a pulverização feita de maneira inadequada, o que reduz seu efeito e gera prejuízos. “Os problemas podem ocorrer com a mistura em tanque, quando há incompatibilidade de insumos. Além disso, pode haver excesso de espuma gerada pela agitação da calda. Outro ponto negativo são as perdas provocadas pela deriva, ou seja, quando as gotas formadas no processo de pulverização não atingem o alvo desejado no momento da aplicação”, diz. 

Anunciato elenca algumas dicas que o produtor rural pode seguir para evitar os prejuízos causados pela pulverização inadequada e melhorar a eficiência e sustentabilidade no uso de defensivos: 

  • Nos equipamentos de aplicação, deve-se utilizar pontas que atendam às diferentes tecnicidades de cada aplicação, produzindo um número e tamanho ideais de gotas. “A pressão e a vazão recomendadas pelo fabricante do insumo também devem ser consideradas para otimizar a cobertura e minimizar a deriva”, diz o Técnico, que comenta ainda que “algumas tecnologias, como pontas de indução de ar e pré-orifício também podem ajudar a reduzir o desvio de aplicação”. 
     
  • Monitorar periodicamente as condições meteorológicas, evitar condições climáticas como ventos fortes e baixa umidade relativa do ar associada a altas temperaturas. “É importante utilizar ferramentas como o índice delta T, que indica a associação entre umidade relativa e temperatura, para assim verificar os riscos associados à pulverização nas condições presentes no momento da operação”, destaca. 
     
  • Estabelecer zonas de proteção ao redor de áreas sensíveis. 
     
  • Usar sistemas de pulverização por pulso associados a câmeras de identificação de plantas daninhas e/ou mapas gerados por imagens de drone. 
     
  • Calibrar regularmente os equipamentos, “uma etapa que é, muitas vezes, negligenciada pelos responsáveis pelo processo operacional, mas essencial para garantir taxas de aplicação precisas e evitar o uso excessivo de defensivos agrícolas”, acrescenta o especialista. 

Adjuvantes agrícolas 

Anunciato explica que os adjuvantes alteram algumas propriedades dos defensivos e, com isso, desempenham um papel crucial na redução das perdas durante o processo de pulverização, promovendo o espalhamento e umectância, aumentando a área de contato entre a gota e a superfície-alvo, reduzindo a quantidade da calda de pulverização que não atinge a planta ou evapora na superfície foliar. “No entanto, a seleção e uso de adjuvantes devem ser baseados nas necessidades específicas de cada produto utilizado e da cultura-alvo. Além disso, devem ser usados de acordo com as recomendações do fabricante e os requisitos destacados no rótulo”, reforça.  

A BRANDT trouxe para o Brasil a tecnologia Integras Adjuvant Technology, que possui adjuvantes específicos para a redução das perdas no processo de pulverização, atendendo as demandas técnicas de cada operação com alta eficiência. “Utilizando os produtos da linha INTEGRAS associados às dicas para reduzir os prejuízos, os agricultores podem alcançar um uso mais eficiente e sustentável dos defensivos agrícolas, levando à redução de custos, melhora da eficácia das aplicações e maior sustentabilidade para a produção”, diz Anunciato.  

“À medida que nos movemos em direção a um futuro mais sustentável e ambientalmente amigável, é importante continuar desenvolvendo e implementando abordagens inovadoras para o uso de agroquímicos. Ao adotar as melhores práticas e utilizar tecnologias mais modernas e avançadas, podemos garantir que nossos sistemas agrícolas permaneçam produtivos, rentáveis e sustentáveis por gerações”, conclui. 

ARTIGOS RELACIONADOS

Herbicida revoluciona controle de invasoras do arroz

Lançado no ano passado pela Sipcam Nichino Brasil, o herbicida de marca Sirtaki® 360 CS cresce safra após safra na rizicultura, sob a reputação...

Manejo integrado: fosfitos contra doenças fúngicas do cafeeiro

As principais doenças do cafeeiro são a ferrugem, a cercosporiose, a mancha de phoma, a mancha aureolada e as aquelas causadas por nematoides.

Novo calendário da soja x ferrugem asiática: quem tem razão?

José Luiz Tejón, membro do Conselho Científico Agro Sustentável, reflete sobre o novo calendário do plantio da soja em artigo.

Controle de pragas e doenças em folhosas

O cultivo de folhosas é realizado em sistemas intensivos de produção, podendo ser produzido ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!