24.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiAssociação entre mulching e TNT no controle da mosca-branca

Associação entre mulching e TNT no controle da mosca-branca

Diego Tolentino de Lima

diegotolentino10@hotmail.com

Daniel Lucas Magalhães Machado

danielmagalhaes_agro@yahoo.com.br

Engenheiros agrônomos e doutorandos em Produção Vegetal – ICIAG-UFU

Ernane Miranda Lemes

ernanelemes@yahoo.com.br

Roberta Camargos de Oliveira

robertacamargoss@gmail.com

Engenheiros agrônomos e doutores em Produção Vegetal

Túlio Vieira Machado

Engenheiro agrônomo e mestrando em Fitotecnia – ICIAG-UFU

tuliovmachado@gmail.com

 

Crédito Chico Gomes
Crédito Chico Gomes

A mosca-branca (Bemisia spp.) é um inseto sugador de seiva, polífago e já foi observado reproduzindo-se em várias espécies de plantas anuais e herbáceas, pertencentes a muitas famílias botânicas.

É considerada atualmente uma das principais pragas de muitas culturas. São hospedeiros preferenciais da mosca-branca: algodão, brássicas (brócolis, couve-flor, repolho), cucurbitáceas (abobrinha, melão, chuchu, melancia, pepino), leguminosas (feijão, feijão-de-vagem, soja), solanáceas (berinjela, fumo, pimenta, tomate, pimentão), uva e algumas plantas ornamentais. Tem sido detectada também em plantas daninhas como o picão, joá-de-capote, amendoim-bravo e leiteiro.

Essa praga suga a seiva do floema, causando debilidade nas plantas. Os danos diretos causados pela retirada de seiva do floema e inoculação de toxinas provocam alterações no desenvolvimento vegetativo e reprodutivo da planta, e podem reduzir a produtividade.

Também, ao expelir uma substância açucarada nas folhas, ramos e frutos, favorece o aparecimento de fungos saprófitas que interferem no processo fotossintético. Além disso, como danos indiretos, atuam como vetores de vírus, principalmente geminivírus, apresentando como sintoma característico o amarelecimento total da planta, o nanismo acentuado e o enrugamento severo das folhas terminais.

Períodos secos e quentes favorecem o desenvolvimento e a dispersão da praga, sendo, por isso, observados maiores picos populacionais na estação seca.

O saco TNT é usado para proteção da planta - Crédito Chico Gomes
O saco TNT é usado para proteção da planta – Crédito Chico Gomes

Medidas de controle da mosca-branca

Como medida curativa, pode-se adotar o controle químico, porém, deve ser considerado dentro de um programa de manejo integrado de pragas (MIP), pois o uso exclusivo, não criterioso e contínuo de inseticidas, não é a solução permanente para o controle da mosca-branca.

Os produtos a serem utilizados no controle químico devem ser aqueles registrados no Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) para cada cultura, respeitando-se as doses indicadas e o período de carência de cada produto.

Os inseticidas químicos, quando não bem utilizados no controle da mosca-branca, podem causar intoxicações em aplicadores e contaminação do meio ambiente, além de deixarem, na maioria das vezes, resíduos nos alimentos, pondo em risco a saúde dos consumidores.

Por isso, deve-se reduzir ao máximo o uso desses produtos no campo, buscando alternativas viáveis e ecologicamente corretas que não agridam o meio ambiente, protejam os inimigos naturais e os aplicadores, assim como a saúde dos consumidores. Recomenda-se, ainda, o manejo baseado em medidas preventivas.

As medidas preventivas visam dificultar ou retardar a entrada do inseto na área, bem como eliminar focos de abrigo, de alimento e de reprodução. Medidas que favoreçam o equilíbrio biológico no agroecossistema também devem ser consideradas antes e após a implantação da cultura.

Sintomas de mosca-branca em folha de tomate - Crédito Luiz Bambini
Sintomas de mosca-branca em folha de tomate – Crédito Luiz Bambini

As principais medidas preventivas para o controle ou convivência com a mosca-branca são: a) fazer plantios isolados; b) eliminar focos de inóculo, como maxixe, abóbora ou ervas daninhas hospedeiras da praga que estejam ao redor da área a ser plantada; c) iniciar o preparo do solo, mantendo a área limpa, pelo menos 30 dias antes do plantio; d) rotação de culturas com plantas não hospedeiras; e) após o plantio, manter a área isenta de plantas hospedeiras da praga, no interior e ao redor da cultura; f) não permitir cultivos abandonados nas proximidades da área cultivada; g) eliminar os restos culturais imediatamente após a colheita; h) utilizar mudas sadias, isentas da praga; i) usar barreiras vivas como sorgo, milho e outras plantas similares para impedir ou retardar a entrada de adultos de mosca-branca na lavoura; j) usar armadilhas para atrair e reduzir a população da praga; l) usar coberturas protetoras, pois a mosca-branca é atraída pela cor amarela, enquanto que o preto e o prateado provocam repelência.

Plástico preto ou prateado, palha de arroz e restos vegetais têm sido utilizados, pois provavelmente repelem a praga pelo reflexo da luz ou por mudanças de temperatura. Se encaixam nessa categoria o uso de mulching e TNT.

A utilização do mulching com filme plástico é indicada para controle de mosca-branca - Crédito Shutterstock
A utilização do mulching com filme plástico é indicada para controle de mosca-branca – Crédito Shutterstock

Utilização de mulching e TNT

Denomina-se mulching a aplicação de qualquer cobertura na superfície do solo que constitua uma barreira física à transferência de energia e vapor d’água entre o solo e atmosfera. Esta técnica é apresentada com vantagem por vários autores por ser de fácil aplicação e apresentar excelentes resultados, na maior parte das culturas, promovendo assim incrementos no rendimento, uma vez que reduz o consumo de água de irrigação, faz o controle de ervas daninhas, reduz o ataque de insetos, sobretudo os que utilizam o solo em seu ciclo de vida e tornam o ambiente desfavorável a alguns fitopatógenos do solo.

Existem vários tipos de materiais utilizados na técnica do mulching, e entre os orgânicos têm-se os diferentes tipos de resíduos culturais (palhas e/ou folhas secas, compostos, serragens e materiais similares) ou inorgânicos (pedras, cascalhos, plásticos, etc.).

Com o surgimento da indústria petroquímica, a partir da década de 1950, materiais mais baratos, como o filme de polietileno preto, foram propostos para utilização como mulching.

Recomendações

A utilização do mulching com filme plástico é indicada para controle de mosca-branca. A maior repelência é obtida com a utilização de plástico da cor preta, seguida por prateada, azul, branco e palha de arroz. O efeito da repelência é eficiente apenas nas primeiras quatro a seis semanas depois do transplante, dependendo da cultura. Após esse período, se a folhagem cobrir completamente a lona plástica, o efeito de repelência é anulado.

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cotonicultores veem potencial para aumentar vendas externas

Industriais da Turquia, Vietnã, Paquistão, Coreia do Sul, Bangladesh e México conheceram lavouras e algodoeiras de estados do Brasil.

Corteva lança tecnologia Powercore Ultra

Semente biotecnológica vem com quatro proteínas para auxiliar no combate de lagartas e outras duas que conferem tolerância a herbicidas A Corteva AgriscienceTM lança hoje...

2016: Ano Internacional das Leguminosas ” ‘PULSES’

Elaine Bahia Wutke ebwutke@iac.sp.gov.br José Antonio de Fatima Esteves Nélson Raimundo Braga Pesquisadores científicos do Instituto Agronômico " IAC Edmilson José Ambrosano Pesquisador científico do Polo Regional do Centro Sul/DDD   Leguminosas...

UPL conquista Great Place to Work 2017 pelo segundo ano consecutivo

Focados no desenvolvimento e satisfação do funcionário empresa avança em três critérios   Em uma pequena sala na década de 80 nos Estados Unidos foi...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!