21.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 24, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosBASF e Embrapa lançam Cultivance®

BASF e Embrapa lançam Cultivance®

 

Sistema de produção representa um marco para a ciência brasileira por conter a primeira soja geneticamente modificada totalmente desenvolvida no País. Cerca de 150 produtores acessarão a tecnologia neste ano

 

O presidente da Embrapa, a ministra Katia Abreu e o VP Agro da BASF, Eduardo Leduc - Crédito BASF
O presidente da Embrapa, a ministra Katia Abreu e o VP Agro da BASF, Eduardo Leduc – Crédito BASF

A BASF e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) lançaram oficialmente em Brasília (DF), o Sistema de Produção Cultivance®, que representa um marco para a ciência brasileira por conter a primeira soja geneticamente modificada totalmente desenvolvida no País.

No fim do primeiro semestre deste ano a tecnologia foi aprovada pela União Europeia, grande mercado importador. Dessa forma, foi possível a produção de sementes para dar início à comercialização do sistema.

Resultado de uma parceria de mais de 10 anos entre a BASF e a Embrapa, o Sistema de Produção Cultivance® combina quatro cultivares de soja geneticamente modificadas, de grande potencial genético, ao uso do herbicida de amplo espectro para controle de plantas daninhas de folhas largas e gramíneas, Soyvance Pré, configurando um novo sistema de produção.

A partir de 2016, novas cultivares deverão ser lançadas, ampliando assim as regiões de plantio de forma a atender a demanda de agricultores que querem utilizar o novo sistema para o manejo de plantas daninhas.

Investimento

As duas empresas investiram US$ 33 milhões no desenvolvimento do sistema, o que inclui melhoramento genético, estudos científicos conduzidos em laboratório para comprovar a segurança alimentar da nova soja e estudos de campo para amparar o processo de registro mundial, além do herbicida.

Cultivance® foi desenvolvido com o objetivo de atender a todas as regiões do País e estará disponível para produtores de sementes já nesta safra 2015/16, mas nesse primeiro ano será comercializado em oito Estados brasileiros – Paraná, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Bahia, Goiás e Rondônia ” e no Distrito Federal.

Estão previstas demonstrações em eventos técnicos e lançamentos regionais de cultivares nas regiões de indicação de cada material. Além dos produtores de sementes, foram selecionados em torno de 150 agricultores para acesso à tecnologia nesse primeiro ano.

Após conhecer os materiais em condições de campo, o agricultor já poderá fazer os pedidos de sementes para a safra 2016/17. A comercialização será feita por produtores de sementes licenciados pelo Sistema Embrapa de Parcerias e por meio de revendedores credenciados no Sistema Nacional de Produção de Sementes e Mudas.

Oportunidade

Para o presidente da Embrapa, Maurício Antônio Lopes, a tecnologia chega ao mercado num momento bastante oportuno: “Estimamos que a resistência às tecnologias existentes esteja disseminada em aproximadamente 30% da área geográfica de soja, o que vai tornar nossa tecnologia uma alternativa bastante interessante e viável do ponto de vista do manejo de resistência“ afirma Lopes.

 Já para o vice-presidente sênior da Unidade de Proteção de Cultivos da BASF para a América Latina, Eduardo Leduc, a tecnologia auxiliará os produtores que precisam cada vez mais “rotacionar“ herbicidas com diferentes mecanismos de ação para evitar a seleção de biótipos resistentes.

“Trata-se de uma tecnologia totalmente verde-amarela, desde a concepção à comercialização, além de caracterizar-se como uma importante e viável alternativa às já existentes“, completa Leduc.

Essa matéria você encontra na edição de outubro da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

 

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Corteva Agriscience TM , divisão agrícola da DowDupont e Embrapa discutem boas práticas agrícolas

Encontro, realizado em Brasília, contou com capacitação de técnicos de várias entidades e participação de pesquisadores da Embrapa

Sem ações preventivas no manejo de resistência, milho voluntário causa prejuízos em lavouras de soja

É uma situação complexa, que acontece tipicamente nas lavouras do Brasil. Durante a colheita do milho safrinha, é possível ocorrer perdas de grãos e espigas, que podem produzir o chamado milho voluntário, também conhecido como planta guaxa ou tiguera, que impacta na lavoura de soja. “Esta planta deve ser vista como uma espécie agressiva ao cultivo comercial da soja, já que compete por luz, água e nutrientes, comprometendo a produtividade. Alguns estudos apontam que a presença de 2 a 4 plantas de milho por metro quadrado pode causar redução de até 50% da produção e soja'', afirma Ricardo Dias, gerente de produtos e mercados centro-sul da Arysta LifeScience.

Técnicas para aplicação do glyphosate em eucalipto

    Lino Roberto Ferreira Professor Titular do Departamento de Fitotecnia da UFV lroberto@ufv.br O uso de herbicida em áreas florestais vem se tornando muito comum pelas suas características...

Tecnologias para aumentar a produção de trigo no Cerrado

Uma vitrine para o cultivo de trigo no Cerrado. Tecnologias adaptadas ao clima e com alto potencial de produtividade foram apresentadas em Uberaba (MG) A área disponível...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!