21.6 C
Uberlândia
sábado, abril 13, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosBioestimulante aumenta perfilhos e longevidade do canavial

Bioestimulante aumenta perfilhos e longevidade do canavial

O bioestimulante é a chave para um canavial próspero, com maior número de perfilhos e longevidade das plantas.

Nilva Terezinha Teixeira
Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro Universitário do Espírito Santo do Pinhal (Unipinhal)
nilvatteixeira@yahoo.com.br

Créditos: Shutterstock

A cana-de-açúcar é espécie extremamente importante para o Brasil, gerando divisas e proporcionando empregabilidade. O Brasil é o maior produtor de cana-de-açúcar, de açúcar e de álcool do mundo. E, também, o maior exportador de seus produtos.
Trata-se de cultura onde a introdução de tecnologias, que adequem o ambiente de cultivo ou que promovam mudanças fisiológicas que propiciem maior perfilhamento, desenvolvimento e produtividade física e qualidade, encontram amplo espaço. Entre estas técnicas estão os bioestimulantes. Mas, o que são bioestimulantes?
São formulados compostos muitas vezes pela mistura de dois ou mais reguladores vegetais ou de reguladores vegetais com outras substâncias, tais como aminoácidos, nutrientes, ácidos orgânicos e vitaminas, ou biorreguladores, associados a aminoácidos, ácidos orgânicos, etc.

O que eles fazem

Os bioestimulantes participam da capacidade de atuar no controle hormonal das plantas, beneficiando a divisão celular, o enraizamento e o desenvolvimento vegetal, proporcionando maior produtividade.
A concentração de biorreguladores nos bioestimulantes normalmente é pequena (menor que 0,02%, ou 200 mg L-1 de cada um dos compostos empregados). No geral, empregam-se doses recomendadas de 0,5 a 1,0 litro ha-1 do produto.
Os bioestimulantes podem atuar beneficamente sobre diversos processos fisiológicos fundamentais das plantas superiores, tais como vigor inicial, crescimento e desenvolvimento radicular e foliar, na produção de compostos orgânicos, aspectos que irão contribuir positivamente na obtenção de altos índices de produtividade, com excelente qualidade nos produtos.

O que acontece na cana

Na cana-de-açúcar, quando aplicados nos toletes, no plantio ou no início da brotação, os bioestimulantes favorecem o enraizamento e o perfilhamento. Como já se mencionou, o uso de tais produtos beneficia a divisão celular e, quando as raízes são mais vigorosas e abundantes, ocorre melhor aproveitamento de água e de nutrientes disponíveis no solo.
Assim, a inclusão de bioestimulantes podem melhorar a produtividade e o teor de sacarose dos colmos. Estimulam a fisiologia das plantas, o que é importante em condições de estresse hídrico, de geada e resistência a agentes bióticos.
Outro ponto importante no cultivo de cana-de-açúcar é a longevidade das soqueiras. A inclusão dos bioestimulantes pode melhorar tal aspecto. A sua inclusão, através da pulverização direta do solo, fertirrigação ou sobre a soqueira logo após a colheita, pode melhorar a formação de novas raízes e, também, a brotação.

Variações dos bioestimulantes

Entre os bioestimulantes empregados na cana-de-açúcar, temos os de base hormonal, compostos por cinetina (citocinina), ácido giberélico e de ácido indolbutírico que podem ser utilizados em mistura com inseticidas, fungicidas, herbicidas, inoculantes e fertilizantes foliares, os formulados com base em fitorreguladores e aminoácidos, os compostos por aminoácidos e nutrientes de plantas e os constituídos por aminoácidos e ácidos orgânicos, por exemplo. Todos eles beneficiam o enraizamento e produtividade das culturas.
Porém, a ação de um produto hormonal pode ser limitada por diversos fatores, dentre eles a nutrição. Sendo assim, a nutrição adequada do canavial é imprescindível para se alcançar maiores resultados.

Cada um no seu lugar

Os macronutrientes desempenham função importante no desenvolvimento e produtividade da cana-de-açúcar, enquanto os micronutrientes atuam principalmente nos processos enzimáticos das plantas.
A aplicação de nutrientes em solução ou suspensão na parte aérea da planta, visando corrigir possíveis deficiências nutricionais não atendidas pela adubação de base, vem a ser a adubação foliar.

Resultados de pesquisas

Especificamente com cana-de-açúcar, há resultados de pesquisa que atestam os bons resultados quando se aplicam os bioestimulantes na programação de cultivo. Assim, estudos têm demonstrado que o uso de bioestimulante composto por aminoácidos e ácidos húmicos e fúlvicos favorecem a rebrota e a produtividade de cana-de-açúcar de segundo corte.
Outras observações têm indicado que o uso de produtos com base hormonal, associados ou não a nutrientes de plantas, favorece a produção e qualidade do caldo da cana, associando-se ou não o produto em questão aos nutrientes de planta.
Entretanto, há também, na literatura, informações de que o uso de tais produtos não melhora nenhuma das características da cana-planta ou de rebrotas. Outros estudos mostram que a aplicação de bioestimulantes, aplicados antes da colheita, melhoram o perfilhamento, com efeitos até seis meses após o corte e, também, de produtividade.

Não confunda

Deve-se atentar para o fato de que os bioestimulantes não são nutrientes de planta, portanto, não os substituem. Cada nutriente de planta tem funções específicas nos vegetais. Por exemplo, o nitrogênio é formador de clorofilas, das proteínas (que atuam como enzimas e formadoras de tecidos) e formadores dos ácidos nucléicos.
O fósforo é vinculado a formação e liberação de energia e formação dos ácidos nucleicos, os micronutrientes, que no geral atuam como ativadores enzimáticos. Os bioestimulantes auxiliam no controle hormonal e permitem a manifestação plena do potencial da planta. Tais produtos agem em plantas equilibradamente nutridas.
Ao empregar tais formulados, há necessidade de orientação técnica sobre qual produto e como empregar, a época de aplicação, etc. A aplicação de doses erradas, por exemplo, pode causar prejuízos consideráveis na lavoura.

ARTIGOS RELACIONADOS

Algas marinhas ativam a resposta das plantas ao ataque de patógeno

    Nilva Teresinha Teixeira Doutora em Agronomia e professora de Nutrição de Plantas, Produção Orgânica e Bioquímica doUnipinhal nilvatteixeira@yahoo.com.br   Vários fatores podem levar as plantas ao estresse:...

NPK com ácidos húmicos proporciona mais enraizamento para a alface

AutoresGerarda Beatriz Pinto da Silva Engenheira agrônoma, doutora e responsável técnica - Drones 4 Agro gerarda.silva@drones4agro.com.br Maike Lovatto Engenheiro agrônomo, mestre e...

Mais que uma alternativa

  José Luiz Petri Pesquisador da Epagri/Estação Experimental de Caçador petri@epagri.sc.gov.br   Os danos causados por geadas durante o período de floração e desenvolvimento inicial dos frutos vão depender...

Koppert é parceira da natureza

A Koppert tem um histórico de participação na Hortitec desde a época em que era a Itaforte, mas com o nome atual há cinco...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!