27.9 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesBioestimulantes potencializam a absorção de nutrientes

Bioestimulantes potencializam a absorção de nutrientes

Maria Idaline Pessoa Cavalcanti Engenheira agrônoma e doutoranda em Ciência do Solo – Universidade Federal da Paraíba (UFPB)idalinepessoa@hotmail.com

Anne Carolline Maia Linhares Licenciada em Ciências Agrárias e doutoranda em Ciência do Solo – UFPBanemaia-16@hotmail.com

Plantio – Crédito Shutterstock

Diversas tecnologias e práticas de manejo têm sido utilizadas para incrementar a produtividade do milho e soja. Entre tais práticas, destaca-se o uso de bioestimulantes, que são compostos oriundos da mistura de dois ou mais reguladores vegetais, sendo eles auxina, citocinina e giberelina, além de aminoácidos, nutrientes e vitaminas que, em conjunto, agem na diferenciação, divisão e alongamento celular, promovendo maior tolerância a estresses bióticos, melhorando o desenvolvimento da parte aérea e do sistema radicular das plantas e podem ser aplicados diretamente nas plantas ou em tratamento de sementes.

A utilização de bioestimulantes potencializa a produção, pois eles agem como ativadores metabólicos, potencializando a absorção de nutrientes e ajudando na estruturação celular, seja ela na vegetação, na florada ou no restabelecimento da planta sob uma situação de estresse hídrico ou térmico.

Os bioestimulantes, quando aplicados preventivamente, permitem que a planta se restabeleça mais rapidamente, pois fornece energia para que ela utilize de forma eficiente e nos momentos de maior necessidade.

Estudos têm indicado que a aplicação de bioestimulantes favorece a absorção e a assimilação de nutrientes pelas plantas, levando à maior produtividade de proteína. Contudo, a influência dos fitohormônios na absorção e transporte de íons pode ser diversa e dependente de vários fatores, incluindo a época de aplicação.

Porém, o transporte de íons pode ser regulado pelos fitohormômios devido aos seus efeitos na abertura e fechamento de canais iônicos nas membranas celulares.

Um bioestimulante comercial, por exemplo, contém os fitohormônios auxina, citocinina e giberelina e é aplicado visando à melhoria da eficiência do uso de nutrientes pelas plantas, responsáveis por estimular processos naturais de nutrição para melhor absorção de tais elementos. Caracterizam-se, então, como uma maneira sustentável de aperfeiçoar a produção de sistemas de cultivo, diminuindo o uso de insumos químicos.

[rml_read_more]

Produtividade

Diversos resultados de pesquisa demonstram que algumas culturas têm obtido ganhos significativos na produtividade e incrementos no sistema radicular, como nos trabalhos de Klahold et al. (2006), Ávila et al. (2008) e Campos et al. (2008), em soja, que mostraram que os bioestimulantes podem influenciar a germinação e a biomassa da matéria seca das sementes e promover o crescimento das plantas em altura.

Santos et. al (2013), ao avaliarem o uso de bioestimulantes no crescimento de plantas de Zea mays L. (Milho), observaram que os bioestimulantes resultaram em efeitos positivos na maioria das características fisiológicas das plantas, sendo o melhor incremento da massa seca das raízes. Milléo e Zagonel (2002) trataram sementes de feijão com bioestimulante e concluíram que a aplicação promoveu maior absorção de potássio (K) e maior concentração de proteínas nos grãos.

Almeida & Saratto (2014), ao avaliarem o teor e acúmulo de nutrientes no feijoeiro em função da aplicação de bioestimulante, observaram que a aplicação do bioestimulante via semente, associada ou não à aplicação foliar, incrementou o teor e acúmulo de N na parte aérea do feijoeiro.

Tratamentos com o bioestimulante promovem resultados positivos quanto ao teor e acúmulo de K, Mg, Ca e S, principalmente quando aplicado via semente e/ou foliar, nos estádios V4 e R5.

ARTIGOS RELACIONADOS

A viabilidade da adubação foliar para as florestas

José Geraldo Mageste Doutor e professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) jgmageste@ufu.br Fernando Simoni Bacilieri Engenheiro agrônomo e doutorando em Produção Vegetal, ICIAG-UFU ferbacilieri@zipmail.com.br Roberta Camargos de Oliveira Engenheira agrônoma...

Tecnologia no combate do estresse oxidativo

Natural ou em suco, no uso culinário em doces ou pratos sofisticados e, ainda ...

Fosfito protonado contra fungos de solo

Diego Henriques Santos Engenheiro agrônomo da Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo - Codasp (Centro de Negócios de Presidente Prudente) dihens@bol.com.br   Dentre os nutrientes, não há...

Uma tecnologia com potencial de romper paradigmas

Através da ciência foi desenvolvido um fungo capaz de produzir um coquetel de enzimas que degrada biomassa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!