20.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 22, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosBiofertilizantes: 6% de incremento em produtividade na soja

Biofertilizantes: 6% de incremento em produtividade na soja

Os biofertilizantes impulsionam a produtividade da soja com um aumento médio de 6%.

Fabio Olivieri de Nobile
Doutor e professor de Fertilidade do Solo – Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos (UNIFEB)
fabio.nobile@unifeb.edu.br

Letícia Ane Sizuki Nociti Dezem
Doutora e professora de Produção Vegetal – Faculdade São Luís de Jaboticabal
agronomia@saoluis.br

O uso crescente de biofertilizantes nos últimos anos é uma tendência observada não apenas no Brasil, mas também em muitos países ao redor do mundo. Existem vários fatores que impulsionaram essa tendência e contribuíram para o aumento da utilização de biofertilizantes na agricultura.

Uma das principais razões é a crescente preocupação com a sustentabilidade e a proteção ambiental. Os biofertilizantes são vistos como uma alternativa mais sustentável aos fertilizantes químicos convencionais, pois são obtidos a partir de fontes naturais, como esterco animal, resíduos vegetais e microrganismos benéficos.

Ao contrário dos fertilizantes químicos, os biofertilizantes têm menor impacto negativo no meio ambiente, pois não causam a contaminação do solo, água e ar com quantidades excessivas de elementos químicos.

Além disso, o uso de biofertilizantes contribui para a melhoria da qualidade do solo. Eles promovem o aumento da matéria orgânica, a ativação da microbiota benéfica do solo e o equilíbrio dos nutrientes disponíveis.

Essas ações auxiliam no desenvolvimento das plantas, melhorando sua resistência a pragas e doenças, e resultando em maior produtividade das culturas.

Práticas sustentáveis

Outro fator que impulsionou o crescimento do uso de biofertilizantes é a regulamentação governamental e as políticas agrícolas voltadas para a agricultura sustentável.

Muitos países têm implementado incentivos e subsídios para os agricultores adotarem práticas agrícolas mais sustentáveis, incluindo o uso de biofertilizantes. Essas políticas têm como objetivo reduzir a dependência dos agricultores em relação aos fertilizantes químicos e promover o manejo adequado dos recursos naturais.

Lista de benefícios

Os principais motivos que têm contribuído para o crescimento da utilização de biofertilizantes na agricultura brasileira podem variar, mas alguns fatores são:

1. Sustentabilidade e preocupações ambientais: são considerados uma alternativa mais sustentável em comparação aos fertilizantes químicos convencionais. Eles são produzidos a partir de fontes naturais, como resíduos orgânicos, e apresentam menor impacto ambiental, reduzindo a contaminação do solo, água e ar.

2. Melhoria da qualidade do solo: contribuem para a melhoria da estrutura do solo, aumentando a capacidade de retenção de nutrientes e melhorando sua fertilidade a longo prazo. Isso pode resultar em melhores rendimentos das culturas e menores custos de produção.

3. Menor dependência de fertilizantes químicos: o uso excessivo de fertilizantes químicos pode levar à degradação do solo e à contaminação do meio ambiente. Os biofertilizantes oferecem uma alternativa mais equilibrada, reduzindo a dependência dos agricultores em relação aos fertilizantes químicos e, consequentemente, diminuindo os riscos associados ao seu uso em excesso.

4. Regulamentações governamentais: políticas governamentais e regulamentações ambientais incentivam o uso de técnicas agrícolas mais sustentáveis, como os biofertilizantes. Isso pode incluir incentivos fiscais, subsídios ou programas de apoio à adoção dessas práticas pelos agricultores.

5. Melhoria na qualidade dos produtos agrícolas: a utilização de biofertilizantes pode contribuir para a produção de alimentos mais saudáveis e com menor teor de resíduos químicos. Isso atende à demanda crescente dos consumidores por produtos agrícolas mais naturais e livre de agroquímicos.

6. Diversificação de culturas: os biofertilizantes podem ser especialmente úteis na agricultura diversificada, onde diferentes culturas são cultivadas em rotação. Eles ajudam a manter a fertilidade do solo, fornecendo nutrientes de maneira equilibrada, o que é essencial para o sucesso desse tipo de sistema agrícola.


FBN

Alguns exemplos práticos de como os biofertilizantes podem aumentar a produtividade nas culturas agrícolas podem estar relacionados à fixação biológica de nitrogênio. Isso porque certas bactérias, como as do gênero Rhizobium, são capazes de fixar nitrogênio atmosférico e convertê-lo em uma forma utilizável pelas plantas.

Essas bactérias podem ser inoculadas nas sementes ou nas raízes das plantas leguminosas, como feijão, ervilha e soja, por meio do uso de biofertilizantes. Isso reduz a necessidade de fertilizantes nitrogenados sintéticos, que têm um grande impacto ambiental na sua produção e uso.

A presença de microrganismos solubilizadores de fosfato, presentes em biofertilizantes, tem a capacidade de solubilizar fosfatos insolúveis no solo, tornando-os disponíveis para as plantas, o que é especialmente importante em solos com deficiência de fósforo, um dos principais nutrientes necessários para o crescimento das plantas.

Ao usar biofertilizantes contendo esses microrganismos, os agricultores podem reduzir a necessidade de adubos fosfatados convencionais.

Matéria orgânica

Muitos biofertilizantes são compostos por microrganismos decompositores, como bactérias e fungos, que ajudam na decomposição da matéria orgânica no solo. Isso resulta na formação de húmus, que melhora a estrutura do solo e sua capacidade de retenção de água e nutrientes.

O aumento da matéria orgânica do solo por meio do uso de biofertilizantes contribui para a saúde do solo, aumentando sua fertilidade e, consequentemente, a produtividade das culturas.

Também temos exemplos práticos no controle biológico de patógenos e pragas. Alguns biofertilizantes contêm microrganismos antagonistas, como bactérias e fungos benéficos, que ajudam no controle de patógenos do solo e pragas de plantas.

Esses microrganismos competem com os patógenos e pragas por nutrientes e espaço, diminuindo sua população e, assim, reduzindo a necessidade de pesticidas químicos. Isso não apenas aumenta a sustentabilidade das práticas agrícolas, mas também contribui para a produção de alimentos mais seguros e saudáveis.

Integração de manejos

Os resultados podem variar, dependendo do contexto específico e das condições agrícolas, mas podem chegar a ganhos de até 6% na produtividade.

Para integrar efetivamente os biofertilizantes em seus sistemas de manejo e obter os benefícios mencionados, os agricultores podem seguir algumas práticas e estratégias:

1. Conheça a composição dos biofertilizantes: é importante entender a composição e os ingredientes ativos dos biofertilizantes disponíveis no mercado. Cada produto pode ter diferentes microrganismos benéficos e nutrientes, e é essencial escolher aqueles que são adequados para as necessidades específicas das culturas agrícolas.

2. Faça testes no solo: antes de aplicar os biofertilizantes em larga escala, é recomendado realizar testes de solo para avaliar as condições e nutrientes presentes. Isso ajudará a determinar a quantidade e o tipo de biofertilizante a ser utilizado, de acordo com as necessidades nutricionais da cultura em questão.

3. Adapte a aplicação ao estágio de crescimento: os biofertilizantes podem ser aplicados em diferentes etapas de crescimento da cultura agrícola. Por exemplo, na cultura da soja, a inoculação com bactérias fixadoras de nitrogênio pode ser realizada no momento do plantio ou na fase de desenvolvimento inicial das plantas. É essencial seguir as recomendações específicas para cada cultura e biofertilizante.

4. Siga as boas práticas agrícolas: isso inclui técnicas de aplicação adequadas, como a mistura adequada do biofertilizante com água ou outros adjuvantes, a aplicação uniforme no campo e a consideração das condições climáticas e estágio de crescimento adequados para a aplicação.

5. Monitore e avalie os resultados: é importante monitorar o desempenho das culturas após a aplicação dos biofertilizantes. Os agricultores devem observar o desenvolvimento das plantas, a adaptação aos nutrientes fornecidos pelos biofertilizantes, possíveis melhorias na produtividade e a saúde do solo. Essa avaliação contínua permitirá ajustes nas práticas de manejo, se necessário.

Além disso, é recomendado buscar orientação de especialistas ou consultores agrícolas, participar de treinamentos e capacitações sobre o uso de biofertilizantes e trocar experiências com outros agricultores que já tenham experimentado essas práticas.

A integração efetiva dos biofertilizantes requer um planejamento cuidadoso e uma abordagem adaptada às condições específicas de cada propriedade agrícola.

E a dose?

A dosagem de biofertilizantes para a cultura da soja pode variar de acordo com diversos fatores, como o tipo de biofertilizante utilizado, as características do solo, as condições climáticas, a variedade de soja e as práticas de manejo adotadas.

Geralmente, a dosagem de biofertilizantes é recomendada de acordo com a quantidade de nitrogênio e outros nutrientes necessários para o desenvolvimento saudável da cultura. Essa dosagem pode ser determinada por meio de análises de solo, que identificam as necessidades específicas da lavoura.

Custo-benefício

O uso de biofertilizantes na cultura da soja tem se mostrado uma prática promissora e sustentável para promover o crescimento e o desenvolvimento saudável das plantas, ao mesmo tempo em que reduz os impactos negativos ao meio ambiente.

Os biofertilizantes são produtos obtidos a partir de processos de fermentação de materiais orgânicos, como esterco animal, resíduos vegetais e microrganismos benéficos. Eles apresentam uma composição rica em nutrientes essenciais, como nitrogênio, fósforo, potássio e diversos micronutrientes, que são fundamentais para o desenvolvimento nutritivo da soja.

Ao contrário dos fertilizantes químicos convencionais, os biofertilizantes oferecem diversas vantagens. Além de fornecer nutrientes para as plantas, eles também melhoram a estrutura do solo, aumentam sua capacidade de retenção de água e nutrientes, promovem a atividade microbiana benéfica e estimulam o crescimento das raízes.

Esses benefícios resultam em um solo mais saudável e produtivo, contribuindo para maiores rendimentos da cultura.

ARTIGOS RELACIONADOS

Pós-colheita da soja

Quem trabalha no campo sabe que, mal termina a colheita de uma safra, já está na hora de iniciar ...

Campeão de concurso de produtividade alcança 248 sacas de milho por hectare ao investir em manejo sustentável

Produtor de Nova Ubiratã (MT) foi destaque no Getap 2022 Safra Inverno com soluções Bayer.

BASF expande Centros de Distribuição de Sementes

Como parte do compromisso de oferecer um serviço de excelência e sementes com a melhor ...

Experimentos revelam efeitos de sistemas de produção e impacto da calagem na soja

Pesquisa realizada pela Fundação MT traz constatações acerca da importância da diversidade de cultivos para obter maior rendimento e controle de populações de nematoides

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!