17.6 C
Uberlândia
terça-feira, maio 28, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesBioinsumos são grandes aliados para o controle da cigarrinha

Bioinsumos são grandes aliados para o controle da cigarrinha

Presente de norte a sul do Brasil, o inseto se tornou a principal praga dentro das lavouras de milho nos últimos anos, causando grandes prejuízos financeiros.

Com pouco menos de meio centímetro, a Dalbulus maidis ou cigarrinha do milho, como é popularmente conhecida, é uma das pragas mais devastadoras das lavouras brasileiras. Estudos apontam que, aqui no Brasil, ela é observada nos cultivos de cereais desde 1930, tornando-se um dos maiores problemas do campo apenas em meados de 2015.

Crédito: Embrapa

De acordo com uma projeção do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), houve um aumento de 177% de infestações de cigarrinha do milho nos últimos dois anos. Estados como Paraná e Rio Grande do Sul foram os mais atingidos recentemente.

“Esse pequeno inseto tem um potencial de dano avassalador, podendo em alguns casos, dizimar as lavouras, caso não controlado efetivamente, causando aos produtores, grandes prejuízos financeiros”, destaca Bruno Arroyo, engenheiro agrônomo e gerente de desenvolvimento de mercado da Agrobiológica, empresa da holding Crop Care.

A cigarrinha já deixou de ser uma praga exclusiva das áreas de produção de sementes de milho, hoje, estando presente em praticamente todas as regiões produtoras e nas diferentes fases do cultivo do grão, tanto na primeira quanto na segunda safra. Os primeiros grandes danos causados por esse inseto foram observados nos estados de Goiás, Bahia e Minas Gerais.

Embora ela esteja presente no Brasil há muito tempo, o primeiro grande relato da praga foi registrado em 1985, em Minas Gerais. Porém, é possível encontrar descrições dos patógenos causadores do enfezamento datando de 1971, em São Paulo.

Recentemente, pesquisadores da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) identificaram uma nova espécie de cigarrinha do milho no Paraná, a cigarrinha africana (Leptodelphax maculigera). Há diversas espécies de cigarrinha do milho, sendo a Dalbulus maidis, que tem origem no México, a maior causadora de problemas nas lavouras brasileiras. Ela se alimenta da seiva da planta, e, além disso, é a transmissora da bactéria causadora do enfezamento, logo nos ciclos iniciais do plantio.

“O período mais crítico é o que chamamos de V3 a V6, em que a planta está definindo seu potencial produtivo, portanto, durante essas fases, ela está mais sensível a sofrer os impactos. É nesse período que o produtor deve ficar em alerta máximo, mas também é importante se manter atento desde a emergência da planta até a entrada do período reprodutivo, onde já estará maior, porém igualmente exposta”, informa.

Segundo o especialista, áreas onde há ciclos de plantio durante o ano todo são as mais afetadas. “A cigarrinha é um inseto vetor e tem uma capacidade de migração muito maior em relação a outras pragas. E quando o problema não é tratado corretamente, as consequências incorrem em grandes perdas. Em alguns casos, até mesmo de todo o plantio”, complementa.

Ainda de acordo com Arroyo, assim que a praga se tornou um problema sério dentro das lavouras, os produtores recorreram aos inseticidas químicos, que funcionaram em algumas aplicações. Porém, devido ao clima, especialmente em regiões do centro-oeste, onde não há ocorrência de temperaturas amenas, que geralmente funcionam como um controle natural dessas pragas, o manejo se torna ainda mais desafiador.

“Com o tempo, duas ou três aplicações já não eram tão eficazes quanto antes. E aplicações em grande volume, acabaram criando insetos resistentes a certos princípios ativos. Foi observado que os químicos entregavam uma média de controle de aproximadamente 60%, o que é bom, mas muitas vezes não o suficiente. E foi aí que muitos produtores decidiram adotar o uso combinado com defensivos biológicos”, detalha.

Mais recentemente, o fenômeno El Niño se tornou um dos responsáveis pelo aumento da incidência desses insetos nas lavouras no ciclo 23/24. “Nesta safra é possível observar ondas de calor muito intensas, que juntamente com períodos de veranicos, podem fazer com que o ciclo da praga fique menor, ocasionando mais infestações em um espaço de tempo também menor”, destaca o especialista da Agrobiológica.

Os biológicos, que passaram a ser usados recentemente, em combinação com os químicos, diminuem a resistência da praga, e aumentam a eficiência do controle, principalmente em plantações onde a incidência desses insetos já é muito alta.

Hoje, os biológicos são fortes aliados no manejo de pragas e doenças nos mais variados cultivos, especialmente no combate à cigarrinha do milho. Nesse cenário, o fungo Isaria fumosorosea é o agente de controle biológico mais utilizado atualmente. Mas, para uma ação mais assertiva de prevenção e eliminação da praga, outros agentes combinados em formulação, como metabólitos, esporos e estruturas já prontas do fungo no produto, tornam a aplicação mais eficiente, e oferecem um controle mais rápido, o que é um diferencial para o produtor.

O fungo age no inseto por contato, seja na fase de ninfa ou adulto. Ele causa uma espécie de infecção na cigarrinha, uma vez que o produto é aplicado na lavoura. A Isaria fumosorosea, após o contato, coloniza o inseto internamente, levando-o a óbito e servindo como fonte de multiplicação do fungo. Arroyo explica que, caso esse inseto venha morrer, ele pode esporular mais fungos no ambiente, infectando outros insetos. “Você continua tendo insetos contaminados no ambiente, o que ajuda em um controle residual a longo prazo, uma vez que a aplicação é combinada com produtos químicos”, complementa.

Esse tipo de tecnologia de formulação diferenciada é chamada de Bioshock, presente no produto Aptur, desenvolvido exclusivamente pela Agrobiológica. Hoje, cerca de 1,5 milhão de hectares são tratados com essa tecnologia, apenas para o controle da cigarrinha do milho.

“O Aptur não danifica a planta e o ambiente, e ainda ajuda o produtor a garantir um controle a longo prazo durante todo o plantio, seja no uso combinado com produtos químicos ou não. Isso ajuda a reduzir gastos com produtos, aplicações, e mão de obra, uma vez que o controle se torna mais eficiente, aumentando a rentabilidade do agricultor”, finaliza.

ARTIGOS RELACIONADOS

Silício é a solução antiestresse para a lavoura?

Autores Alisson da Silva Santana Engenheiro agrônomo, mestre em Agricultura e Biodiversidade e doutorando em Proteção de Plantas - UNESP/FCA alisson.0910.silva@gmail.com Ana Paula Santana...

Mercado de biológicos

A agricultura moderna está embasada nos pilares da sustentabilidade ...

Multinacional francesa apresenta seu portfólio de bioinsumos para culturas de verão

De Sangosse estará presente no Show Tecnológico Verão, da Fundação ABC, em Ponta Grossa, no Paraná, com soluções para soja, milho e feijão que atendem as necessidades das lavouras dos Campos Gerais

Alternativas no manejo da cigarrinha do milho

Por não haver um método mais indicado para o manejo de cigarrinha-do-milho, a diversificação de métodos e rotação de princípios ativos e microbiológicos são de suma importância para que haja redução dos prejuízos causados pela infestação da praga.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!