22.6 C
Uberlândia
domingo, maio 19, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasBrasil exporta recorde de 4,2 milhões de sacas de café em abril

Brasil exporta recorde de 4,2 milhões de sacas de café em abril

Volume representa alta de 53% sobre abril de 2023 e supera o recorde anterior para este mês, registrado em 2021

Créditos Erasmo Pereira

O Brasil exportou 4,222 milhões de sacas de 60 kg de café em abril de 2024, montante recorde para este mês, superando o desempenho de abril de 2021. Os embarques também renderam a maior receita cambial da história para qualquer mês ao atingirem US$ 935,3 milhões. Essa performance implica crescimentos de 53,3% em volume e de 52,6% em valor na comparação com o mesmo intervalo de 2023. Os dados constam no relatório estatístico mensal do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).
 
No acumulado dos 10 meses do ano safra 2023/24, as remessas cafeeiras do país ao exterior somam 39,256 milhões de sacas, apresentando evolução de 28,5% na comparação com o registrado entre julho de 2022 e o fim de abril do ano passado. Em receita, o incremento é de 13,3%, com o valor chegando a US$ 7,939 bilhões.
 
As exportações brasileiras de café também são recorde no primeiro quadrimestre deste ano, ao somarem 16,242 milhões de sacas, 45,6% acima do aferido nos quatro primeiros meses de 2023. Com US$ 3,444 bilhões, os ingressos com os embarques alcançaram o maior volume da história para esses quatro primeiros meses, saltando 42,4% sobre os US$ 2,418 bilhões do ano passado e superando o recorde anterior de US$ 3,206 bilhões de janeiro a abril de 2022.
 
Segundo o presidente do Cecafé, Márcio Ferreira, as volumosas exportações registradas foram puxadas pelos cafés in natura, principalmente os canéforas (conilon + robusta), que também batem recorde no ano. “Esse desempenho é possível devido à recuperação da colheita em 2023, o que possibilita que os embarques de arábica tenham volumes consideráveis e, em especial, que os de conilon e robusta apresentem performances históricas”, explica.
 
TIPOS DE CAFÉ
De janeiro ao fim de abril, o café arábica permanece como o mais exportado, com 12,469 milhões de sacas, o que corresponde a 76,77% do total e representa alta de 31,3% na comparação com o primeiro quadrimestre do ano passado.
 
A variedade canéfora teve 2,559 milhões de sacas embarcadas no período, sendo o destaque entre os tipos do produto ao avançar 548% em relação ao mesmo intervalo de 2023 e ampliar sua representatividade atual para 15,75% do geral.
 
Na sequência, vêm o segmento do café solúvel, com 1,203 milhão de sacas – queda de 3,3% e 7,41% do total – e a seção do produto torrado e torrado e moído, com 11.136 sacas (-26,5% e 0,07% de representatividade).
 
“Após um março recorde, voltamos a registrar o melhor volume para um mês de abril da história nas exportações dos cafés verdes, puxados pelos canéforas, o que também ampliou o recorde nos embarques de conilon e robusta do Brasil no primeiro quadrimestre”, aponta o presidente do Cecafé.
 
Ele reporta que esse desempenho é reflexo do cenário internacional do mercado, com disponibilidade menor do café robusta indonésio e vietnamita, espaço que foi ocupado pelo Brasil.
 
“Outros países produtores, inclusive, vêm importando cafés brasileiros para atenderem seus compromissos de consumo e reexportação, como México, Colômbia, Vietnã e Indonésia. Os mexicanos, por exemplo, voltaram a ampliar as importações do nosso café verde, principalmente de canéforas, para utilização da matéria-prima em sua planta fabril de solúvel, referendando a qualidade de nossos cafés como base de produtos industrializados”, destaca.
 
Entre janeiro e abril deste ano, o México importou 307.606 sacas dos cafés in natura brasileiros, volume que representa expressiva alta de 877% na comparação com o mesmo intervalo de 2023.
 
No tocante ao recorde de receita cambial obtido com as exportações no primeiro quadrimestre, Ferreira completa que o cenário do mercado internacional é novamente o motivador.
 
“As bolsas internacionais dispararam em abril, potencializando o valor dos embarques como um todo e, claro, do Brasil. Isso foi importante para mitigar os elevados custos nas operações dos exportadores brasileiros, que seguem trabalhando exemplarmente para honrar seus compromissos apesar dos constates gargalos logísticos”, comenta.
 
ATRASOS NAS EXPORTAÇÕES
Somente em abril de 2024, 95 navios para exportação de café, ou 80% do total, registraram atrasos no Porto de Santos (SP), principal escoador do produto no Brasil, com representatividade de 70% do total no primeiro quadrimestre, conforme o Boletim Detention Zero (DTZ), elaborado pela ElloX Digital em parceria com o Cecafé.
 
O índice de alteração de escalas dos navios para exportação do produto no complexo portuário do Rio de Janeiro (RJ), responsável por 27% dos embarques no acumulado de 2024, foi de 70%; em Paranaguá (PR), de 42%; em Salvador (BA), de 29%; e em Vitória (ES), de 16%. No compilado geral, 210 navios para exportação de café, ou 54% de um total de 391 porta-contêineres, tiveram atrasos em abril.
 
“Os exportadores brasileiros seguem enfrentando intensos desafios logísticos, com o alto índice de atrasos de navios e a falta de espaços, que incorrem em ineficiências, principalmente no Porto de Santos, destacando-se como os principais entraves na adição de elevado custos, não planejados, aos players desse segmento”, reporta Eduardo Heron, diretor técnico do Cecafé.
 
PORTOS
O Porto de Santos, apesar dos gargalos mencionados, segue como o principal exportador dos cafés do Brasil ao exterior no primeiro quadrimestre, com o embarque de 11,386 milhões de sacas, o que representa 70,1% do total.
 
Na sequência, aparecem o complexo marítimo do Rio de Janeiro, que responde por 26,8% das exportações ao ter remetido 4,352 milhões de sacas ao exterior, e o Porto de Paranaguá (PR), com o embarque de 144.372 sacas e representatividade de 0,9%.
 
PRINCIPAIS DESTINOS
Os 10 principais compradores dos cafés do Brasil elevaram suas aquisições nos primeiros quatro meses deste ano. Os Estados Unidos lideram o ranking, importando 2,669 milhões de sacas, ou 29,4% a mais frente ao primeiro quadrimestre de 2023, o que equivale a 16,4% das exportações totais.
 
A Alemanha, com representatividade de 14,5%, adquiriu 2,352 milhões de sacas (+64,4%) e ocupou o segundo lugar na tabela. Na sequência, vêm Bélgica, com a compra de 1,671 milhão de sacas (+199,5%); Itália, com 1,314 milhão de sacas (+42,1%); e Japão, com 813.817 sacas (+26,3%).
 
Até o décimo lugar, destaca-se, ainda, o desempenho do Reino Unido, que saltou para a sexta posição no ranking com a importação de 522.233 sacas de todos os tipos de cafés do Brasil, entre janeiro e abril de 2024, volume que implica substancial crescimento de 108,2% em relação ao primeiro quadrimestre de 2023 e equivale a 3,4% do total.
 
CAFÉS DIFERENCIADOS
Os cafés que possuem qualidade superior ou certificados de práticas sustentáveis respondem por 18,8% das exportações totais brasileiras do produto no primeiro quadrimestre de 2024, com a remessa de 3,054 milhões de sacas ao exterior. Esse volume representa aumento de 49,6% frente ao registrado nos quatro primeiros meses de 2023.
 
O preço médio do produto foi de US$ 233,76 por saca, gerando uma receita cambial de US$ 713,8 milhões, o que corresponde a 20,7% do obtido com os embarques totais de café no quadrimestre. No comparativo anual, o valor é 41,3% superior ao registrado nos mesmos quatro meses do ano passado.
 
No ranking dos principais destinos dos cafés diferenciados, entre janeiro e abril de 2024, os EUA seguem no primeiro lugar, com a compra de 769.494 sacas, o equivalente a 25,2% do total desse tipo de produto exportado.
 
Fechando o top 5, aparecem Alemanha, com 550.620 sacas e representatividade de 18%; Bélgica, com 322.406 sacas (10,6%); Holanda (Países Baixos), com 225.153 sacas (7,4%); e Reino Unido, com 129.186 sacas (4,2%).
 
O relatório completo das exportações dos cafés do Brasil, no primeiro quadrimestre de 2024, está disponível no site do Cecafé: https://www.cecafe.com.br/.

ARTIGOS RELACIONADOS

Mini-escavadeira na abertura de terraços em café

A abertura de terraços estreitos em ruas de cafezais vem se expandindo muito nos últimos anos nas zonas montanhosas, pois tem sido uma prática muito adequada para viabilizar a mecanização dos tratos e da colheita do café, reduzindo os custos de produção.

O risco da falta de adubo: Como lidar com isso?

As preocupações começaram no início de fevereiro com as sanções anunciadas a Belarus ...

Expocafé 2018 termina com saldo positivo

A Expocafé 2018 encerrou-se em 18 de maio, no Campo Experimental da EPAMIG, em Três Pontas (MG), com um saldo positivo para organizadores e...

Gotejamento traz sustentabilidade ambiental e economia para lavoura de café

  Sistema de irrigação avançado evita desperdício de água ao irrigar direto na raiz da planta e economia pode chegar até 70%; conheça o case...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!