28.8 C
Uberlândia
quinta-feira, julho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosCafé de qualidade é influenciado pela colheita

Café de qualidade é influenciado pela colheita

José Braz Matiello

Engenheiro agrônomo do MAPA/Procafé

jb.matiello@yahoo.com.br

 

Crédito Marcelo André
Crédito Marcelo André

Tecnologias de colheita seletiva de condução separada no terreiro e implantação de terreiros suspensos para o melhoramento dos lotes de café, além de contribuírem para a limpeza dos grãos, favorecem o processo contínuo de secagem, sem troca de umidade entre o solo e os grãos.

A colheita seletiva, como o próprio nome indica, é a colheita dos frutos de café selecionando os mesmos, coletando-os em mais de uma passada junto aos cafeeiros, visando colher a maior parte de frutos maduros, denominados cereja, matéria-prima ideal pra produção de cafés de melhor qualidade.

A colheita seletiva pode ser feita nas modalidades manual e mecanizada. Na manual o trabalhador vai colhendo, com cuidado, retirando com a mão e os dedos apenas os frutos maduros, deixando os demais para outra passada na lavoura.

Na colheita mecanizada a seleção dos frutos pelas colhedeiras é feita com regulagens apropriadas, também passando mais de uma vez na lavoura. Na primeira, com menor vibração e maior velocidade, serão retirados os frutos maduros em maior quantidade, aqueles que amadureceram antes.

Depois, na segunda passada, normalmente feita 20-30 dias após, a máquina vai retirar aqueles que estavam verdes por ocasião da primeira passada. É possível fazer a colheita seletiva também com a derriçadeira motorizada de operação manual, nesse caso operando mais rapidamente na primeira passada.

Uma para cada caso

A colheita seletiva manual se adapta a regiões de montanha e/ou a lavouras novas, nas primeiras safras. A mecânica se aplica a zonas plano/onduladas e a grandes plantações.

Os investimentos necessários à colheita seletiva são representados pelos maiores gastos com trabalhadores, no caso da colheita manual, e de maquinário no caso da derriça mecânica.

O custo-benefício é maior na colheita mecanizada, pois esta é uma operação de maior rendimento e, assim, pode ficar relativamente mais barata. Já na colheita seletiva manual, a dificuldade ocorre pelo elevado uso de mãodeobra, o que nem sempre está disponível, além de representar despesas maiores. Neste caso, o sistema é próprio de propriedades pequenas, de mão deobra familiar, ou em cafeeiros nas duas primeiras safras, quando a operação fica facilitada.

Na condição mais viável, a colheita com máquina automotriz ou tracionada, o custo adicional com mais de uma passada aumenta, dependendo do número delas. O mais comum são duas.

Como as velocidades são diferentes no sistema de uma única ou duas passadas, o número de horas trabalhadas aumenta cerca de 80%. Porém, por outro lado, a quantidade de café derriçado/colhido pela máquina também aumenta, pois os frutos maduros ou secos, mais predominantes nas duas passadas, são mais facilmente derrubados pela máquina.

Ocorre que os danos causados sobre as plantas, a desfolha e quebra de ramos e machucaduras tendem a aumentar com um maior número de passadas da máquina. No mesmo sentido, o café jogado ao chão, derriçado pela máquina, também aumenta.

Alternativa

A colheita seletiva é uma alternativa que exige planejamento e análise caso a caso, para que possa representar benefício/custo favorável. Na sua ausência, a separação dos cafés no lavador, segregando secos/boias e no despolpador, com a separação de verdes, que leva à obtenção, também, de uma matéria-prima adequada à obtenção de cafés de boa qualidade, constituída por frutos maduros, aqui separados por maquinário, é uma opção viável em maior escala, especialmente nas áreas de colheita manual.

Essa matéria você encontra na edição de outubro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Práticas de manejo para otimizar o nitrogênio em cana-soca

AutoresRenato Passos Brandão Gerente do Deptº Agronômico - Vittia Raphael Bianco R. L. Rodrigues Gerente Técnico de São Paulo e Sul de Minas Gerais...

Importância dos teores foliares adequados do micronutriente cobre na cafeicultura

A BRANDT, uma das maiores fornecedoras de fertilizantes foliares do mundo, ressalta a importância do elemento cobre sob a forma de fungicidas no controle de doenças do cafeeiro.

Brandt do Brasil participa do VII Congresso ANDAV fortalecendo a empresa no setor

Com foco no relacionamento para maior aproximação com potenciais parceiros na distribuição de insumos para a agricultura, a Brandt do Brasil, subsidiária da norte-americana...

Acadian Plant Health – Otimizando a saúde das plantas cultivadas

Marcos de Oliveira Bettini Senior Manager - Acadian A Acadian Seaplants Limited, empresa canadense líder mundial em soluções bioativadoras e bionutricionais cientificamente comprovadas para aumentar os...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!