14.9 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasCafé e os custos energéticos dos estresses

Café e os custos energéticos dos estresses

Crédito Marcelo Linhares

José Donizeti Alves
Professor e consultor – FisioCafé Consultoria e Palestras Ltda
fisiocafeconsult@gmail.com

Pela fotossíntese das folhas, o cafeeiro produz glicose que serve como substrato para a respiração (glicólise, ciclo de Krebs e cadeia de transporte de elétrons mitocondrial), que tem como uma das funções produzir energia na forma de ATP (36 ATPs/glicose).

O “pool” de Adenosina Tri Fosfato (ATP) serve como um depósito temporário de energia, que é prontamente utilizável pela célula na realização de suas funções, entre elas: fazer a planta crescer, produzir e sobreviver.

Para cada um desses processos, é requerida uma certa quantidade de energia que, em termos bioquímicos, é definida como custo energético de construção ou preservação.

Sob condições normais de clima e com um manejo adequado, a maior fração dessa energia é carreada para atender os processos de crescimento e produção e uma pequena parte é utilizada no combate aos estresses do dia a dia.

Por outro lado, sob condições de clima adverso ou de manejo inadequado, a maior parte da energia é desviada para montar estratégias de sobrevivência e não para os processos de crescimento e produção.

Atenção

É importante destacar que ao contrário do que muitos pensam, aceitar a bienalidade não é negar o papel central da produção de grãos pelo cafeeiro, mas sim reconhecer que a produção de biomassa, como um meio de produzir e armazenar energia, é uma estratégia que o cafeeiro utiliza para deixar mais descendentes (sementes) no próximo ano.

Este raciocínio leva a concluir que a alta produtividade, pelo alto custo metabólico na produção de um grande número de sementes, queiramos ou não, é fator de estresse para o cafeeiro, que ele contorna com a alternância de produção entre os anos.

Sem defesas

Reconhecido o estresse, no cafeeiro, quando murcham as folhas apenas nas horas mais quentes do dia, aumenta a respiração (consome mais glicose) para produzir mais energia a ser utilizada, por exemplo, na síntese de ABA (para fechar os estômatos) e de etileno (para inibir o crescimento), ativação de sistemas antioxidantes e produção de outras moléculas sinalizadoras.

Na sequência, quando o estresse já está instalado e é perceptível pelas folhas murchas ao amanhecer, e já ressecadas, a planta aumenta ainda mais a produção e gasto de energia.Com a intensificação do estresse, a pressão ambiental rompe as barreiras de defesas e inicia-se a morte de radicelas, queda de estruturas reprodutivas, ramificações e ramos ladrões, modificações celulares como cavitação no xilema, disparo na síntese de etileno, aumento na toxidez das EROS e paralização na síntese de antioxidantes que em conjunto, dá início à senescência geral da planta.

Finalmente, como golpe final, há o esgotamento das reservas e da energia das plantas com o iminente colapso de todas as funções fisiológicas do cafeeiro. Como resultado, a produção é mínima (catação) e o replantio é a única solução para a continuidade da atividade cafeeira.

De maneira bastante resumida, tentei mostrar os custos energéticos dos estresses do cafeeiro e como eles desviam a energia que poderia ser utilizada para os crescimentos vegetativo e reprodutivo.

Percebe-se que os custos energéticos aumentam com a intensidade e duração do estresse.

ARTIGOS RELACIONADOS

Multitécnica comemora 25 anos de história

  Ao longo desta trajetória de 25 anos no agronegócio, a Multitécnica sempre acreditou na parceria entre a pesquisa e a indústria como forma de...

Varrição do café evita broca

José Braz Matiello Engenheiro agrônomo do MAPA/Procafé jb.matiello@yahoo.com.br A broca do café é um problema sério nas lavouras cafeeiras. O principal prejuízo é a destruição parcial ou...

Inseticida biológico é registrado para broca-do-café

Luciano Zappelini Gerente de Produção e Desenvolvimento da Koppert Biological Systems A broca-do-café (Hypothenemus hampei) ocasiona a perfuração dos frutos,que é feita na região da cicatriz...

Acadian Plant Helth – Por uma agricultura mais sustentável

Em sua primeira participação na Hortitec o Sr.Davi Chacon, gerente de marketing da Acadian disse: “Estou muito satisfeito porque é muito importante estarmos juntos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!