25.6 C
Uberlândia
terça-feira, julho 23, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasCafé orgânico e regenerativo é a aposta de cooperativas

Café orgânico e regenerativo é a aposta de cooperativas

Divulgação

Colocando em prática algumas das primícias do Comércio Justo, cafeicultores e cafeicultoras brasileiras, que fazem parte de associações e cooperativas de pequenos produtores Fairtrade estão focados em migrar a produção tradicional de café Fairtrade para a agricultura regenerativa e para o sistema de produção orgânica.

Além de atenderem a uma demanda crescente do mercado global, os produtores e produtoras também seguem orientações e apoio da Coordenadora Latino-Americana e do Caribe de Pequenos Produtores e Trabalhadores do Comércio Justo (CLAC), como rede de produtores coproprietária e parte do sistema Fairtrade.

E como os produtos certificados Fairtrade recebem um prêmio adicional no momento da venda – recurso repassado às Organizações de Pequenos Produtores Fairtrade (OPPs) -, projetos inovadores como os voltados a mudanças na forma de produzir são viabilizados. Os resultados podem ser vistos em lavouras e no aumento da renda das famílias.

Na Associação dos Cafeicultores do Vale do Rio Verde (Ascarive), em Carmo de Minas (MG), o valor do Prêmio Fairtrade é usado para o incentivo à melhoria da qualidade do café e no estímulo à produção orgânica. Quem explica é a diretora da entidade, Maria Paula Rocha.

“Um exemplo de ação que realizamos é um percentual em dinheiro que é repassado ao produtor no momento da venda, referente ao prêmio que recebemos. Mas, esse valor precisa ser investido na melhoria da produtividade e na qualidade do café. E vemos as lavouras bonitas, bem cuidadas e com excelente produção, mesmo durante a seca. Diversos produtores já ganharam prêmios de qualidade de café na região e até em torneios nacionais”, disse.

Além disso, a associação ainda investe em análises de solo, concursos de qualidade de café e doação de materiais para serem usados durante a colheita, como peneiras, panos e equipamentos para montagem de terreiros suspensos e estufas. “Sempre promovemos, junto com parceiros, cursos e treinamentos diversos para os nossos associados. A Ascarive ainda incentiva a participação feminina, que é tão importante para a melhora da qualidade dos grãos. Se não fosse o Prêmio Fairtrade, nada disso seria possível”, destacou Maria Paula.

Divulgação

Outra organização de produtores e produtoras de café Fairtrade que possui um trabalho intenso de incentivo à produção orgânica é a Cooperativa dos Produtores de Café Especial de Boa Esperança (DOS COSTAS), que fica em Boa Esperança (MG). De acordo com o diretor financeiro da cooperativa, João Paulo Pinheiro, a produção orgânica contribui para a agregação de valor e principalmente para a melhoria da qualidade de vida das famílias produtoras.

“Para que esse projeto mantenha um crescimento continuo é oferecido aos produtores assistência técnica especializada no manejo orgânico, cursos, treinamentos e o custeio de despesa com certificação. Todo esse incentivo ofertado pela cooperativa é financiado com o recurso do prêmio Fairtrade, pago mediante a comercialização dos cafés certificados, e não gera nenhum custo adicional aos produtores, tendo como intuito alavancar a produção orgânica. Toda a produção é assistida e monitorada por um agrônomo especifico, que realiza a medição do declínio de produtividade, principalmente no período de transição”, explicou João Paulo.

Esse estímulo à produção de café orgânico cresceu após a participação de representantes da cooperativa em uma feira no exterior, quando se verificou a forte demanda de alimentos orgânicos. De acordo com dados da organização, em anos normais, sem a interferência climática e após o período de transição das lavouras, a produção do café orgânico é próxima ao café convencional.

“Como a remuneração dos cafés orgânicos são melhores, os produtores conseguem alcançar uma melhor lucratividade por hectare. Porém, no período de transição existe uma queda drástica na produtividade, e o produtor atingirá seu ponto de equilíbrio após o 5º ano da mudança de forma de cultivo”, destacou o diretor financeiro.

AGRICULTURA REGENERATIVA – No município de Paraguaçu, no Sul de Minas Gerais, a Cooperativa Mista Agropecuária de Paraguaçu (Coomap) está implantando um projeto inovador nas lavouras dos cooperados. Trata-se da migração para a agricultura regenerativa. O gerente de sustentabilidade da cooperativa, Rogério Araújo Pereira, explicou como está sendo esse processo de mudança nos tratos culturais das lavouras.

“Esse trabalho é o foco da cooperativa atualmente. Contratamos um consultor para nos ajudar na implantação desse manejo, que acreditamos que trará muitos benefícios aos cooperados. Decidimos implementar a agricultura regenerativa porque o mercado Fairtrade exige cada vez mais cuidado com o meio ambiente e por conta da suspensão do uso do glifosato”, informou.

Divulgação

Rogério explicou que o manejo requer o plantio de plantas forrageiras no meio da lavoura e o uso de produtos biológicos. Assim, segundo Rogério, as plantas terão uma maior resistência a pragas e doenças e os fertilizantes serão mais eficientes, pois o solo deixará de ser compactado.

“Temos hoje cerca de 850 cooperados, e cerca de 60% a 70% já estão aderindo a esse manejo, que com certeza trará aumento de produtividade e uma redução de custo, além de aumentar a matéria orgânica e fornecer uma cobertura ao solo, diminuindo o estresse hídrico e impedindo que plantas de difícil controle apareçam”, detalhou.

Com os recursos do Prêmio Fairtrade, a Coomap está subsidiando a compra de sementes de plantas de cobertura. A implantação em cada hectare gira em torno de R$ 300 a R$ 400 e a cooperativa custeará cerca de 50% desse valor.

ARTIGOS RELACIONADOS

Americana Albaugh tem novo gerente de marketing Brasil

O executivo Daniel Friedlander acaba de assumir o cargo de gerente de marketing na Albaugh Brasil. Friedlander Bacharel em Publicidade e Comunicação Social com...

Setor do trigo se reúne para fechar os números do grão em São Paulo

Com um cenário de baixa produtividade do trigo em São Paulo, a Câmara Setorial ...

Trichoderma controla fitonematoides e aumenta produtividade da soja

Gerusa PauliKistSteffen Doutora em Ciência do Solo e pesquisadora do Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária (DDPA) da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação (SEAPI) JoseilaMaldaner Doutora...

Fomento à irrigação é destaque

Um dos temas mais discutidos no último ano no setor agropecuário gaúcho, a irrigação foi destaque nesta terça-feira, 9 de fevereiro, na 31ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz e Grãos em Terras Baixas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!