18.6 C
Uberlândia
segunda-feira, maio 27, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosCafezais do Cerrado Mineiro tem emissão negativa de carbono

Cafezais do Cerrado Mineiro tem emissão negativa de carbono

De acordo com o Imaflora, as fazendas cooperadas da Expocacer sequestraram -0,2 tonelada de dióxido de carbono.

Divulgação


Na esteira dos debates sobre mudanças climáticas durante a COP 28, o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) publicou um estudo sobre emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), realizado em propriedades de café da Região do Cerrado Mineiro, que aponta que as fazendas sequestram mais carbono do que emitem. O instituto avaliou 20 propriedades associadas à Cooperativa dos Cafeicultores do Cerrado (Expocacer), por meio dos serviços da plataforma de serviço Carbon On Track, e constatou um valor de emissões negativo, de -0,2 tonelada de dióxido de carbono, equivalente a um por hectare ao ano.
 

Este fenômeno acontece quando o sequestro do carbono oriundo do solo e das plantas é maior que as emissões, e ao analisar as estimativas de emissão de GEE das fazendas, o Imaflora chegou ao valor absoluto de 15.400 tCO2e.ano-1, valor considerado baixo.
 

O uso de adubos orgânicos (cama de frango, esterco bovino, etc.) e resíduos vegetais (provenientes das podas, cascas de cafés, palha e gramíneas) utilizados nas fazendas analisadas foi um fator positivo para a mitigação dos gases de efeito estufa em detrimento da adição de nitrogênio químico. A adição desses insumos também pode aumentar a quantidade de carbono estocado e melhorar a qualidade do solo, que a médio e longo prazo incrementam a ciclagem de nutrientes, porosidade e retenção de água no solo.
 

“Os cooperados da Expocacer estão sempre na vanguarda da tecnologia, inovação e sustentabilidade. O balanço de carbono feito em parceria com o Imaflora comprova o trabalho sustentável que nossos cooperados têm feito há mais de 10 anos. Seguimos juntos, rumo a uma cafeicultura cada vez mais sustentável e de baixas emissões”, disse Farlla Gomes, Gerente Técnica em Sustentabilidade da Expocaccer.
 

Ainda de acordo com o levantamento, outros aspectos relevantes a serem considerados são o aumento da eficiência energética no uso de maquinários, que pode ser atingido com melhoria na rastreabilidade dos processos e tecnologia georreferenciada, contribuindo para a redução de diesel, relação homem/máquina e compactação do solo.
 

“A plataforma Carbon on Track realiza, sob demanda, uma série de estudos sobre agropecuária. No setor cafeeiro, a tônica permanece: fazendas com técnicas agrícolas mais sustentáveis são capazes de não só reduzir suas emissões, como também contribuir para o sequestro de carbono. Esse grão, negativo em carbono, ganha valor agregado e mostra que a sustentabilidade é um bom negócio”, acredita Alessandro Rodrigues, Coordenador de Projetos e Serviços da área de Clima e Emissões do Imaflora.
 

Para Expocacer, a tendência de redução de gases de efeito estufa é algo que deve ser seguido pelas demais fazendas ao redor do mundo. Toda fazenda tem o potencial de contribuir, por exemplo, por meio da aplicação de compostos orgânicos e fertilizantes organominerais ao invés dos adubos nitrogenados. Se for necessário o uso de fertilizantes químicos, devido o custo ser menor, a utilização deve ser feita via fertirrigação (aquamonia), evitando aplicação a lanço da ureia pura ou nos formulados. Também pode-se reutilizar resíduos de palha e casca na forma de compostos orgânicos para reduzir a potencial mineralização de nitrogênio do solo, existem várias maneiras de fazer uma produção sustentável.
 

Recentemente a cooperativa foi eleita a primeira cooperativa de café do mundo a conquistar certificação regenerativa, pela Regenagri®, entidade global que tem como objetivo garantir a saúde e a preservação do solo, com certificação da inglesa Control Union. Este selo confirma a integridade dos processos da cooperativa na recepção e no tratamento dos cafés certificados como regenerativos, evidenciando as práticas sustentáveis que são realizadas, como a energia renovável, coleta seletiva e a rastreabilidade dos cafés armazenados, acompanhando o percurso do produto desde sua entrada no armazém, até sua distribuição aos consumidores finais.
 

O estudo também aponta que a utilização das práticas sustentáveis é aliada da redução da emissão de gases de efeito estufa à longo prazo, pois tendem a melhorar a qualidade do solo e reduzir os aportes de insumos externos como nitrogênio, fosforo e glifosato.
 

Abrangência do estudo – As fazendas cooperadas à Expocaccer que participaram deste projeto localizam-se na Região do Cerrado Mineiro, Minas Gerais, no bioma Cerrado. A área média de produção de café destas fazendas é de 192,4 ha, variando de 40 a 371 ha com áreas bem adensadas, com uma média de estande de 4.370 plantas ha-1. As fazendas no geral são fertirrigadas e com alta mecanização (plantio, adubação e colheita mecanizada na maioria das áreas). A produtividade média foi de 30,6 sacas ha-1, considerada acima da média brasileira (21 sacas ha-1).
 

“A nossa intenção é promover uma sustentabilidade real, em conformidade com o nosso propósito de inspirar, fomentar e nutrir uma cafeicultura de vanguarda atrelada ao impacto. Entendemos que o mercado está cada vez mais exigente e que nós temos que atender e acompanhar o movimento em prol de um meio ambiente saudável. Para tanto, possuímos um departamento exclusivo para assuntos ligados à sustentabilidade, onde orientamos e fomentamos as boas práticas também entre os cooperados”, afirma Simão Pedro de Lima, Diretor Superintendente da Expocacer.
 

Carbon on Track – É um programa do Imaflora concebido para valorizar a agropecuária brasileira de baixo carbono e a restauração florestal na agenda climática. Por meio do programa, empreendimentos agropecuários podem contratar o cálculo do balanço de carbono que mostra a estimativa de emissão e remoção de gases do efeito estufa de suas atividades, baseado em metodologias reconhecidas internacionalmente.
 

Sobre Expocacer

Criada em 1993 e situada em Patrocínio/MG, a Cooperativa dos Cafeicultores do Cerrado (Expocacer) promove a qualidade dos cafés e o trabalho dos cooperados no Brasil e no mundo, por meio de iniciativas socioambientais relevantes e movimentação da economia de toda a região. A infraestrutura da cooperativa contempla dois armazéns com capacidade para mais de 1 milhão de sacas. Atualmente são atendidos 700 produtores, com exportação para mais de 30 países, nos 5 continentes.
 

Sobre o Imaflora

O Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) é uma organização brasileira, sem fins lucrativos, que se dedica a promover o uso sustentável e inclusivo dos recursos naturais. O Instituto desenvolve soluções que conciliam conservação ambiental e desenvolvimento econômico, ao mesmo tempo em que oferece serviços para o mercado, atendendo atores das cadeias florestais, agropecuária, da sociobiodiversidade e da agenda climática. Criado em 1995, o Imaflora realiza trabalho em campo, assistência técnica, certificação socioambiental, além de pesquisa e desenvolvimento de estudos com base em dados públicos. O Imaflora é um agente de articulação que preza pela atuação em rede, viabilizando parcerias para fomentar soluções coletivas, que já beneficiaram mais de 62 mil pessoas em 8,1 milhões de hectares de florestas e unidades produtivas, a exemplo das iniciativas Florestas de Valor, Boi na Linha, Soja na Linha, Origens Brasil, Carbon on Track, Timberflow, entre outros. Mais informações: www܂imaflora܂org

ARTIGOS RELACIONADOS

Confirmado: 2023 é o ano mais quente da história

O ano de 2023 registrou temperaturas globais excepcionalmente elevadas, estabelecendo um novo paradigma climático.

Próximas semanas devem definir quebra na safra de soja

Levantamento da ignitia Inteligência Climática aponta tendência de bons volumes de chuva para as próximas semanas, em várias regiões.

Tecnoshow COMIGO já supera expectativas de visitação

Evento segue até sexta-feira, dia 12/04, das 8h às 18h, com palestras, dinâmicas de pecuária e diferentes atrações para toda a família.

Green Has Brasil representa progresso em Agricultura

A Green Has do Brasil é uma conceituada empresa no segmento de nutrição, com fertilizantes de qualidade e efeitos diferenciados. “É uma empresa brasileira,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!