24.6 C
Uberlândia
quinta-feira, abril 18, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesCalor excessivo e seca impactam a produção brasileira

Calor excessivo e seca impactam a produção brasileira

Produtores precisam estar atentos a estratégias assertivas antes e durante a safra

A produção agrícola brasileira está sofrendo com o calor excessivo e pela seca que acontece na maioria das regiões do País. Os efeitos do estresse térmico e hídrico nas culturas depende da espécie, do estádio de desenvolvimento da cultura e duração da exposição das plantas ao estresse. Porém, algumas estratégias podem ser utilizadas pelos agricultores para maior tolerância das plantas ao estresse para aumentar a produtividade mesmo em condições ambientais adversas.

Créditos: Divulgação

De acordo com Karla Martins, engenheira agrônoma, doutora em Fisiologia Vegetal e consultora de Desenvolvimento Técnico da ICL, o melhoramento genético das plantas se apresenta como uma das ações propostas para melhorar a tolerância das culturas às mudanças climáticas, estratégia que deve ser adotada no planejamento da safra. “Ainda, por meio do melhoramento tradicional, da seleção de cultivares com tolerância ao estresse e também da bioengenharia de planta, como a superexpressão de genes-chave envolvidos na tolerância ao estresse abiótico, é possível minimizar os impactos do clima”, explica Karla.

Práticas agrícolas já conhecidas pelos agricultores também estão entre as estratégias potenciais de manejo para melhorar a tolerância das culturas às adversidades climáticas como o manejo eficaz da irrigação, a utilização da cobertura vegetal do solo com palhada, a rotação de culturas e o sombreamento utilizando telas ou espécies arbóreas, reforça a engenheira agrônoma. A correção do solo e a nutrição equilibrada, atendendo às necessidades nutricionais da cultura ao longo do ciclo, também tem um papel fundamental no metabolismo da planta contribuindo para uma maior tolerância ao estresse. Nutrientes como o fósforo, cálcio, boro e zinco afetam o crescimento do sistema radicular.

“O potássio, por exemplo, influencia a abertura e o fechamento estomático e turgidez das células, enquanto os micronutrientes estão envolvidos na ativação de enzimas do metabolismo antioxidante. Em situações de estresse, ocorre a produção de espécies reativas de oxigênio e o acúmulo dessas moléculas danifica os componentes celulares, então, para se protegerem, as plantas dispõem de um mecanismo de defesa, que elimina essas substâncias que causam danos nas células, mantendo a integridade celular e o funcionamento do metabolismo da planta”, detalha Karla. Cobre, manganês, molibdênio, níquel e zinco são exemplos de micronutrientes ativadores dessas enzimas, potencializando a atividade das enzimas que estão envolvidas no metabolismo antioxidade, protegendo a planta dos efeitos negativos que o estresse pode ocasionar, permitindo uma maior tolerância das culturas mesmo em condições ambientais desafiadoras ao cultivo.

Outra estratégia de manejo a ser adotada é a utilização de micro-organismos benéficos, incluindo bactérias e fungos, que desempenham um papel significativo na tolerância das plantas ao estresse. “Ao colonizar o sistema radicular das plantas, algumas bactérias produzem substâncias que hidratam as raízes, formando um biofilme e também estimulando a produção de fitormônios que ajudam no crescimento das raízes mesmo em condições ambientais adversas”, destaca Karla.

A aplicação de biofertilizantes (extratos de algas, substâncias húmicas, aminoácidos, reguladores vegetais, nanopartículas) também aumenta a tolerância das plantas ao estresse por meio de diferentes mecanismos, como o estímulo ao crescimento das raízes, a ativação do metabolismo antioxidante, com o acúmulo de osmorreguladores, interferindo na regulação hormonal, potencializando a fotossíntese e a absorção de água e nutrientes.

“Todas as estratégias citadas acima podem ser adotadas e, quando bem utilizadas e adequadas ao manejo de cada fazenda, contribuem para o sucesso da produção agrícola, tendo um papel relevante no desenvolvimento sustentável da agricultura brasileira”, conclui Karla.

ARTIGOS RELACIONADOS

Sexta tem alívio no intenso calor

Frente fria aumenta as condições de chuvas, quebrando a bolha de calor

Condições climáticas interferem na produtividade no canavial

Períodos de estiagem podem afetar a cultura da cana-de-açúcar; Ubyfol oferece solução para proteger a plantação no período de restrição hídrica.

Crise hídrica acende sinal de alerta no campo

Com falta de chuva e reajuste de 52% na tarifa elétrica, produtores precisam ter atenção ...

Crambe possui boa tolerância a variações climáticas

No início das pesquisas, durante os anos 90, eram analisadas as vantagens do crambe ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!