24.6 C
Uberlândia
domingo, maio 26, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesChuvas durante a colheita da soja interferem na qualidade e atrasam milho...

Chuvas durante a colheita da soja interferem na qualidade e atrasam milho safrinha

Créditos Pixabay

Mesmo com as fortes chuvas dos últimos dias em várias regiões agrícolas, a safra de soja avança e até o momento pouco mais de 25% da área cultivada no Brasil foi colhida. Porém,  a atenção dos produtores segue redobrada com as previsões de mais chuvas para os próximos dias. Caso elas continuem acontecendo e de forma intensa, há dois problemas que podem comprometer a safra: a perda de qualidade dos grãos e os transtornos logísticos.

A alta umidade  interfere na qualidade do grão e pode aumentar significativamente os danos mecânicos durante o processo da colheita. Normalmente, os danos mecânicos são provocados pelo sistema de corte, trilha e descarga da colhedora e servem como porta de entrada para patógenos, depreciando ainda mais os grãos.

Para preservar a qualidade do grão é essencial que a colheita seja realizada com a umidade do grão adequada. Preferencialmente quando os grãos atingem os níveis de umidade de 13% a 14%, segundo orientações técnicas. Cabe destacar que quando se realiza a colheita com graus de umidade variando de 16% a 19%, deve-se atentar para o perfeito ajustes mecânicos para evitar perdas.

Contudo, a colheita vem se desenvolvendo rapidamente em Mato Grosso, mas segue lenta no Paraná e em Mato Grosso do Sul, onde problemas de qualidade podem começar a surgir caso as chuvas continuem constantes.

“Quando o grão é colhido com umidade acima da ideal, é necessário realizar a secagem artificial e isso faz com que o produtor receba valor menor pelo seu produto, pois o comprador vai descontar do peso total do produto o excedente de umidade”, explica a gerente de atendimento ao cliente da Loc Solution, empresa pioneira de locação de equipamentos de controle de umidade detentora da marca Motomco, Fernanda Rodrigues da Silva. Ela reforça que o teor de umidade dentro dos parâmetros estabelecidos é fundamental nos casos de armazenamento do grão.

Fernanda recomenda monitorar o grão, desde a colheita até a entrega aos compradores. Para isso, é indispensável ter na fazenda as ferramentas que possam auxiliar o produtor, desde os medidores de umidade até ferramentas de monitoramento de clima.

“Investir na locação de um medidor de umidade de grãos, confiável e devidamente calibrado, vai ajudar o produtor a ter resultados mais precisos da umidade do grão e possibilitar maior confiança na hora de negociar com as cooperativas ou tradings”, afirma a gerente.

De acordo com ela, o modelo mais indicado para lavoura é o 999CP, leve e portátil, recomendado para produtores em todas as fases do monitoramento da qualidade do grão. Saiba mais sobre o modelo clicando aqui


Milho

As precipitações ocorridas na maior parte das regiões produtoras de milho nas primeiras semanas do mês têm atrasado a colheita da safra verão e também a semeadura da segunda temporada. A colheita do milho verão 2022/23, atinge mais de 20% da área cultivada no Centro-Sul do Brasil, com expectativa de produção total de 125,8 milhões de toneladas.

Já o plantio do milho safrinha 2023 ultrapassa 40% da área prevista para o Centro-Sul do Brasil, de acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O avanço foi puxado, mais uma vez, por Mato Grosso e Goiás, enquanto Paraná e Mato Grosso do Sul ampliaram o atraso. No oeste do Paraná, onde o atraso é muito significativo, existe preocupação com a janela de plantio, que já se encerra em 28 de fevereiro.

De acordo com o engenheiro agrônomo da Loc Solution, Roney Smolareck, no caso do milho a questão da umidade é semelhante à da soja. Ele destaca que um dos principais critérios avaliados pelas tradings, cooperativas, cerealistas e armazéns que compram o grão é o percentual de umidade que para fins de comercialização do milho é de até 14%, conforme Instrução Normativa 60/2011 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

“Cada ponto acima de 14% dá espaço para descontos praticados pelos compradores. Esses descontos serão aplicados sobre o peso total do produto entregue, já descontada a porcentagem de impurezas”, afirma ele, lembrando que as empresas compradoras de grãos têm seus contratos e normas operacionais particulares e praticam descontos diferenciados entre eles.

Além da umidade, a classificação de grãos avalia também as impurezas (detritos próprios como pedaços de caules), matérias estranhas (sementes de outras espécies, palhas, etc. e grãos avariados (imaturos, ardidos, chocho, mofado).

ARTIGOS RELACIONADOS

Biológicos mudam o perfil de controle da cigarrinha do milho

Novas e inéditas formulações de bioinsumos para uso agrícola, como do Biokato, da BIOTROP, proporcionam incremento médio de produtividade de quatro sacas por hectare, com o controle da praga de até 55% e reduzindo o enfezamento de plantas

Raízes pivotantes de girassol

O girassol (Helianthus annuus L.), é uma planta dicotiledônea de ciclo anual ...

Preços da soja preocupam cooperativas agropecuárias gaúchas

Segundo a FecoAgro/RS, valores do milho também não são animadores para os produtores e cooperativas.

Soja: Doenças de final de ciclo ainda preocupam

Autor Marco Túlio Gonçalves de Paula Engenheiro agrônomo e mestrando em Qualidade Ambiental – Universidade Federal de Uberlândia (UFU) mtulio.agro@gmail.com As doenças foliares da...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!