Cobre: Micronutriente essencial para altas produtividades em cana

0
204

Renato Passos BrandãoGerente Executivo do Deptº Agronômico do Grupo Vittia

Lavoura – Crédito: Shutterstock

A cana-de-açúcar é uma das principais culturas brasileiras. O Brasil é o maior produtor mundial de cana e é líder em programas de substituição de combustíveis fósseis por biocombustíveis (etanol).

Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab, 2020), a área ocupada com a cultura da cana-de-açúcar na safra 2019/20 é de 10,04 milhões de hectares. O Estado de São Paulo possui a maior área plantada de cana, com 5,083 milhões de hectares, representando 50,63% da área cultivada no Brasil, seguido por Goiás e Minas Gerais com 1,137 milhão de hectares e 984 mil hectares, respectivamente.

O Mato Grosso do Sul e o Paraná também possuem área expressiva de cana-de-açúcar (Tabela 1).

Tabela 1. Principais Estados produtores de cana no Brasil.

Estados Área cultivada, ha % da área de cana
São Paulo 5.083.000 50,63
Goiás 1.137.000 11,32
Minas Gerais 984.000 9,80
Mato Grosso do Sul 809.000 8,06
Paraná 605.000 6,02
Total 10.040.000 100,00

Fonte: Conab (2020).

Questão de produtividade

A produtividade da cana está aquém do potencial genético das variedades atuais. Atualmente, muitas variedades de cana ultrapassam a produtividade de 200 t/ha nas primeiras colheitas. Na safra 2020/21, a produtividade esperada de cana situa-se entre 76 a 77 t/ha e um ATR médio de 137 kg/t (Conab, 2020).

Um dos fatores que contribui para a produtividade da cana não atingir três dígitos é a expansão da cultura em solos de baixa fertilidade. Além disso, nas regiões tradicionais com solos de melhor fertilidade, há a necessidade de realizar o manejo nutricional visando a manutenção do equilíbrio nutricional nos canaviais.

Além da calagem, gessagem, adubação com NPK e rotação de culturas, nestes ambientes de produção os micronutrientes adquirem importância cada vez maior para o aumento na produtividade da cana (Orlando Filho et al., 2001; Mellis et al., 2008).

Dentre os micronutrientes, a deficiência de cobre é generalizada em cana em solos sob vegetação de Cerrado, principalmente nos solos com menor teor de argila e nos tabuleiros costeiros do Nordeste, Norte fluminense e Espírito Santo (Orlando Filho et al., 2001).

Cobre – elemento químico

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.