16.4 C
Uberlândia
quinta-feira, julho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasCom safra recorde, déficit de armazenamento de grãos volta a assombrar o...

Com safra recorde, déficit de armazenamento de grãos volta a assombrar o setor

Divulgação

A safra brasileira de grãos segue a passos largos para mais uma colheita recorde. Segundo o mais recente levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a temporada 2022/23 está estimada em 310,6 milhões de toneladas, um incremento de 38,2 mi/t em relação ao período anterior. O principal grão cultivado, a soja, deve atingir uma produção de aproximadamente 152,9 mi/t. Entretanto, ao mesmo tempo que estes números impressionam, também causam apreensão e frio na espinha em muitos produtores, com o retorno de um velho pesadelo: a falta de estocagem da colheita. Um problema gerado pelo descompasso entre produção e armazenagem.

Embora o Brasil passe a despontar entre os maiores produtores de grãos do mundo, o país, no entanto, ainda apresenta um sistema de armazenamento insuficiente, com uma capacidade estática capaz de estocar cerca de 60% de uma única safra. Devido ao déficit de capacidade estática o produtor se vê obrigado a vender o produto a preços mais baixos, sem força de competição, diminuindo assim a sua lucratividade na safra.

Além disso, o escoamento dos grãos para os portos fica ainda mais difícil, pois as filas de caminhões aumentam e os cereais ficam armazenados em suas carrocerias por vários dias, enfrentando alterações de temperatura, o que leva à deterioração e perda de qualidade física e química, parâmetro indispensável na comercialização. Para ajudar a sanar esse déficit a boa notícia é que já existem soluções práticas e eficientes como o uso de silo bolsas.

Segundo Rosemeire Branco, gestora da área de silo-bolsa na Silox, empresa do Grupo Nortène, que fabrica esse tipo de estrutura, o custo-benefício é muito maior, pois o produtor pode obter alta capacidade de armazenamento com menor valor de investimento e com um sistema muito flexível em sua alocação, pois permite que separar sua produção por datas de colheita e produtos.

Muitos agricultores já estão percebendo a importância dessa eficiente alternativa na armazenagem e prova disso é a demanda pelo produto que segue aquecida e em grande crescimento. De acordo com a gestora, em 2022, por exemplo, a Silox vendeu 30 mil bolsas para o mercado interno e 20 mil no mercado externo, totalizando 50 mil bolsas no ano. “E, em 2023, com a capacidade de produção aumentada, a expectativa é que vendam 100 mil bolsas e aumentem as vendas da marca para o mundo, já presente na Rússia, Ucrânia, Paraguai, Turquia, Uruguai, Argentina, Bolívia, Chile, Canadá e Colômbia”, completa.

Divulgação

Qualidade e mobilidade

Uma das principais vantagens da utilização de silos-bolsas é sua mobilidade, afinal, o produtor pode instalar a solução em qualquer lugar da fazenda. Em Mato Grosso, por exemplo, muitos deles não cultivam em uma só propriedade e podem se deslocar e escolher onde vão querer fazer o armazenamento. Já com o tradicional silo metálico, além do alto investimento, uma vez que tenha escolhido o lugar, se por algum motivo, no decorrer dos anos, ele crescer a produção em outra unidade, fica complicado fazer essa logística de transportar o grão para onde foi instalada a estrutura.

Com o silo-bolsa a facilidade é grande, a cada mês, safra ou ano, se o produtor optar por trocar o lugar de armazenagem, ele coloca em um veículo as caixas com o material da estrutura e leva para outro lugar. “Com essa ferramenta ele consegue segmentar os produtos, separar por lote, por data de produção e até por qualidade do grão, até escalonar a produção. Há uma liberdade que ele não tem em relação a outras opções”, pondera a gestora.

Outro ponto interessante é a rápida entrega, em qualquer lugar do Brasil, o que vai de encontro à necessidade de urgência do produtor, principalmente para aquele que tem algum imprevisto. “Infelizmente ainda vemos casos em que o milho e a soja ficaram no chão ou estocados em caminhões. Isso acontece porque às vezes o produtor tem uma estimativa, mas se ele produz mais que o planejado, falta espaço. Ou seja, com a silo-bolsa ele consegue rapidamente ter um plano B, entrando em contato com algum distribuidor na região mais próxima”, detalha a profissional.

Também é importante ressaltar a capacidade, pois o produto da Silox guarda até cinco toneladas a mais que os concorrentes de mercado e ainda não gera custos adicionais com manutenção. O tamanho máximo comercializado é de 100 metros, que comporta até aproximadamente 340 toneladas, o equivalente a 5.400 sacas de 60kg. “Nossa garantia é de 18 a 24 meses. Também enviamos uma fita reparadora caso tenha algum problema externo com o produto. Basta seguir o que está no manual, respeitar o limite de estiramento máximo e escolher um lugar estratégico e limpo”, finaliza Rosemeire.

ARTIGOS RELACIONADOS

Ácidos húmicos disponibilizam nutrientes retidos no solo

Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro...

Sementes de milho: como escolher a melhor?

A escolha de uma boa semente de milho é de suma importância para garantir uma boa produtividade e rentabilidade ao produtor. Dessa forma, deve-se levar em consideração diversos aspectos, e o primeiro deles é a finalidade, se é milho verde, grãos ou para silagem.

Prazo para envio da declaração

O sojicultor mineiro tem até 31 de julho para comunicar ao Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) ...

Agro deve voltar a crescer nesta safra

Em evento anual para consultores técnicos do agro no Cerrado, ADAMA aborda desde desafios técnicos dos sistemas de produção de Soja, às novas tecnologias e oportunidades emergentes, além do avanço na sustentabilidade do setor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!