21.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiComo lidar com os substratos para mudas hortícolas

Como lidar com os substratos para mudas hortícolas

 

Talita de Santana Matos

Pós-doutoranda em Agronomia/Ciência do Solo ” Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Elisamara Caldeira do Nascimento

Professora do curso técnico em Agropecuária SECITEC- MT

elisamara.caldeira@gmail.com

Rafael Campagnol

Doutor e professor de Olericultura – Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Glaucio da Cruz Genuncio

Doutor e professor de Fruticultura – UFMT

glauciogenuncio@gmail.com

 Crédito Micromix
Crédito Micromix

Quando pensamos na produção de mudas de qualidade, devemos ter em mente que estas são produzidas em recipientes onde se tem uma relação entre planta/meio de cultivo alterado, o que traz limitação para o crescimento das raízes.

Sendo assim, o substrato deve apresentar porosidade suficiente para suprir as trocas gasosas necessárias no meio, removendo o gás carbônico resultante da respiração das raízes e suprindo o oxigênio para as plantas.

O material utilizado também deve apresentar boa permeabilidade, já que a altura dos recipientes utilizados para a produção de mudas é baixa, o que dificulta a livre drenagem. Contudo, o material deve ser capaz de reter água, liberando-a conforme a demanda da planta.

Por fim, os substratos devem apresentar poder tampão para evitar a lixiviação dos nutrientes pelas constantes irrigações que ocorrem nesta fase de cultivo das hortaliças.

Turfa

O substrato deve apresentar porosidade suficiente para as mudas - Crédito: GlaucioGenuncio
O substrato deve apresentar porosidade suficiente para as mudas.  Crédito: GlaucioGenuncio

 

Devido à excelente qualidade da turfa, como alto teor de matéria orgânica, baixo valor de pH, baixa disponibilidade de nutrientes, alto poder tampão, alta capacidade de retenção de água e boa aeração, esta se tornou o principal componente para elaboração de substratos, sendo utilizada como padrão de comparação para estudo de novos materiais.

Mesmo países sem reservas naturais de turfa passaram a utilizar substratos à base deste material, aumentando seu preço devido à demanda internacional. Em sentido oposto, desde a década de 70 diversos pesquisadores europeus já publicavam artigos referentes à busca de materiais substitutos à turfa.

Isto se devia à preocupação dos países exportadores com a exaustão de suas fontes, já que a turfa é um recurso natural não renovável.

A busca por materiais alternativos também se devia, e ainda se deve, ao interesse por materiais de baixo custo disponíveis em quantidade e à proximidade dos centros de produção, que possibilitasse viabilizar a expansão da atividade hortícola.

Mais recentemente, a preocupação em diminuir o uso de turfa como substrato também se ampliou devido a evidências do papel das turfeiras no sequestro de CO2 da atmosfera, na manutenção da qualidade da água e como habitat de plantas e animais silvestres.

Por onde começar

 

Os substratos comerciais têm composição bastante diversificada.  Crédito: Luize Hess
Os substratos comerciais têm composição bastante diversificada. Crédito: Luize Hess

A produção de mudas de qualidade depende de vários fatores, sendo a composição dos substratos um fator de grande importância, pois a germinação de sementes, a iniciação radicular e o enraizamento estão diretamente ligados às características químicas, físicas e biológicas do substrato.

Nos viveiros, é comum a utilização de componentes orgânicos para a produção de mudas com o objetivo de melhorar os atributos físicos, químicos e biológicos dos substratos; porém, de forma geral, as formulações dos substratos são pobres em nutrientes essenciais para o crescimento da planta, sendo a adubação mineral necessária para que as mudas se desenvolvam de maneira satisfatória.

Devido a isso, vários estudos são realizados para verificar combinações de materiais para compor um substrato que promova maior crescimento inicial de mudas, com qualidade e de forma rápida, para melhorar a produção na fase de viveiro.

Diversos materiais podem ser utilizados na composição dos substratos para a produção de mudas, como, por exemplo, o composto com casca de pinus semidecomposta, que atualmente é utilizado em larga escala para a produção de mudas florestais, ornamentais e em diversas áreas agrícolas.

Alternativas

Como alternativa para a produção de mudas de qualidade e de baixo custo, inserem-se neste contexto as tortas de oleaginosas (resultantes da produção de óleo vegetal), pois podem ser usadas como condicionador dos atributos do solo, considerando seu teor de matéria orgânico e nutriente, além de promover o benefício ambiental pela reutilização deste resíduo.

Outro resíduo bastante utilizado e que demonstrou resultados satisfatórios em diversos estudos é a fibra de coco.  Devido, principalmente, ao grande volume que ocupa, a casca de coco verde é um resíduo que causa transtornos quanto à sua destinação.

O aproveitamento desse resíduo como substrato para a produção de mudas e cultivo de hortaliças, além de possibilitar a redução dos efeitos ambientais negativos (alterações impostas à paisagem pelo seu acúmulo, formação de chorume, demora na decomposição, proliferação de insetos vetores de doenças, abrigo para animais peçonhentos e roedores).

Pesquisas desenvolvidas pela Embrapa Hortaliças mostraram que a utilização de substrato de coco verde possibilitou colheitas de uma tonelada a mais de frutos comercializáveis de tomate por hectare em relação à colheita em outros sete tipos de substratos avaliados em três anos consecutivos (avaliações em sistemas semi-hidropônicos).

Portanto, no Brasil, o segmento de substratos agrícolas e condicionadores de solo contam basicamente com produtos fabricados a partir de matérias de origem natural. Os substratos comerciais têm composição bastante diversificada, com predominância de casca de pinus compostada e a fibra de coco, como citado, além de vermiculita expandida, casca de arroz e turfa.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de agosto de 2018 da Revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

Ou assine

ARTIGOS RELACIONADOS

Bactérias benéficas – A relação com a produtividade do milho

Jade Cristynne Franco Bezerra jadefranco9@gmail.com Ernandes Macedo da Cunha Neto netomacedo878@gmail.com Graduandos em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) - campus Paragominas (PA)...

Fósforo é aliado da alta produtividade da soja

  Álisson Vanin Engenheiro agrônomo, MSc. Produção Vegetal e pesquisador do Centro Tecnológico Comigo alissonvanin@hotmail.com Adilson Oliveira Júnior Engenheiro agrônomo, doutor em Solos e Nutrição de Plantas e pesquisador...

Gecal destaca vantagens do Geox

A participação da Gecal no Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras foi fundamental, na opinião de Eduardo de Melo Costa Pinto, supervisor comercial da empresa....

Aminoácidos fornecem energia à batata

  Rodrigo da Silveira Campos Engenheiro agrônomo e analista da Embrapa Agroindústria de Alimentos rodrigo.silveira@embrapa.br   Os aminoácidos desempenham funções essenciais às plantas. Toda fisiologia de uma planta é...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!