29.4 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiQual a ação e reação dos organominerais no pomar de citros?

Qual a ação e reação dos organominerais no pomar de citros?

Autores

Rhaiana Oliveira de Aviz
rhaianaoliveiradeaviz@gmail.com
Luana Keslley Nascimento Casais
luana.casais@gmail.com
Graduandas em Agronomia – Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA)
Luciana da Silva Borges
Doutora, professora da UFRA e coordenadora do Grupo de Pesquisa em Horticultura da Amazônia (Hortizon) e Núcleo de Pesquisa em Agroecologia (NEA)
luciana.borges@ufra.edu.br
Fotos: Shutterstock

O Brasil atualmente está entre os maiores produtores de laranja do mundo, tendo São Paulo como principal região produtora. Na safra 2017/18 foi constatado um aumento na produtividade desse fruto, apresentando em média 1.033 caixas de 40 kg/ha. Isso ocorreu devido a uma atenção maior aos tratos culturais e também ao clima nesse período, que estava favorável à produção. Entretanto, 17,31% das perdas foram em decorrência da queda de frutos (Canal Rural, 2018).

Parte da queda dos frutos está relacionada à taxa de pegamento que a planta apresenta. Durante a floração, as laranjeiras produzem uma quantidade bastante expressiva de flores, e após a polinização os frutos competem por fotoassimilados e nutrientes, causando o aborto de parte dos frutos. As plantas cítricas possuem uma taxa de pegamento que varia entre 0,1% a 6% (Domingues Neto et al, 2015)

Alguns fatores relacionados à produção influenciam na variação dessa taxa, como clima, tipo de solo e variedade escolhida, mas o estado nutricional é um dos fatores que tem grande influência no pegamento dos frutos.

Específico para citros

A laranjeira é uma planta bastante exigente em nutrientes, e durante a floração ela necessita de uma boa quantidade de nitrogênio, potássio, cálcio, boro, ferro, manganês, zinco e enxofre. A maior parte desses nutrientes atua em conjunto, promovendo alto índice de pegamento dos frutos (Yara, 2019).

Composição

Os fertilizantes organominerais são gerados a partir da combinação de composto orgânico e adubos minerais. Essa categoria de fertilizante foi enquadrada na legislação em 1982, de acordo com a Instrução Normativa nº 25, de 23 de junho de 2009, que diz que ‘os fertilizantes organominerais devem ter em sua composição no mínimo 8% de carbono orgânico, CTC de 80 mmolc.kg-1, 10% de macronutrientes isolados (N, P, K) ou em mistura (NP, NK, PK, NPK), 5% de macronutrientes secundários e 30% de umidade (Rabelo, 2015)’.

Além disso, em sua composição podem conter aminoácidos livres, que potencializam a produção, pois a planta não gasta energia para produzi-los, além de terem grande importância no metabolismo, produzindo hormônios e polímeros de parede celular (Costa et al, 2018).

A utilização desses fertilizantes garante vários benefícios, tanto para o estado nutricional da planta quanto para melhorar a fertilidade do solo. Com o uso contínuo é possível melhorar a capacidade de troca de cátions (CTC), o pH, o transporte e a disponibilidade de micronutrientes, bem como reduzir os teores de alumínio tóxico e acidez do solo.

Outro ponto positivo é que os nutrientes são liberados gradativamente, evitando perdas e trazendo maior economia para o bolso do produtor (Cardoso, 2017).

Manejo

No mercado, os organominerais estão disponíveis tanto na forma sólida e granulada quanto líquida (concentrado). Para o uso na forma sólida é recomendado abrir sulcos na projeção da copa da planta, que é o local onde há maior absorção pelas raízes, e após a aplicação é necessário realizar irrigação no local. Já o produto na forma líquida pode ser aplicado por pulverização ou fertirrigação.

A aplicação do produto deve ser realizada a partir da brotação, e de acordo com o produto adquirido geralmente faz-se o uso de 1,0 a 3,0 litros/ha em aplicações semanais. Devem-se realizar três ou mais aplicações.

Para melhor aproveitamento do potencial do fertilizante é recomendado realizar as aplicações no início da manhã e no final da tarde, e evitar os horários de sol intenso, pois pode ocorrer evaporação da solução. Também deve-se suspender a aplicação caso haja risco de chuvas.

É recomendado realizar a aplicação quando a velocidade do vento apresentar 10 km/h ou abaixo disso, para evitar deriva do produto, utilizar bico de pulverização com maior capacidade de vazão e regular as barras de pulverização, para que fiquem a menos de 50 centímetros do alvo.

Cuidados

Para maior segurança de aplicação e quantidade adequada do produto, é de grande importância ler a ficha de informação. Lá é possível encontrar todas as informações pertinentes ao material adquirido, sua composição, efeitos colaterais, entre outros.

Para a aplicação foliar desses produtos é necessário utilizar os devidos EPI’s (equipamentos de proteção individual), garantindo a segurança do trabalhador que irá manusear esse fertilizante.

Em campo

Um produtor de laranjas no município de Nova Campina (SP), após uma assistência técnica, passou a adotar o uso de fertilizantes organominerais, tanto via solo quanto foliar, com o intuito de aumentar a produtividade, pois as plantas estavam apresentando uma baixa quantidade de frutos por planta (Cultivar, 2016).

Após o uso, o resultado foi surpreendente, pois mostrou eficiência em apenas um ano, enquanto com o uso de fertilizantes convencionais a estimativa de ganho seria em até três anos. Com o tratamento, a produção teve um aumento de 70% na produtividade, e de acordo com Ernesto Luiz, técnico responsável pela produção, a tecnologia contribuiu para o aumento da quantidade de flores, pegamento e quantidade de frutos, diminuiu o índice de abortos naturais e favoreceu o enchimento dos frutos (Cultivar, 2016).

Produtividade

Utilizando os métodos tradicionais de manejo da laranjeira, a planta apresenta um índice de pegamento ente 1,0 e 6%. Entretanto, com o uso de novas tecnologias, como a adubação organomineral, que incremente a atividade fisiológica da planta e torne disponível todos os nutrientes necessários na fase reprodutiva, esse índice pode chegar a até 47%. Isso é um indicativo de maior quantidade de frutos por planta, e consequentemente maior produtividade.

Uma árvore dessa frutífera gera em torno de 80 a 100 quilos de frutos por planta. Com o aumento dessa quantidade, tem-se também uma necessidade constante de teores adequados de nutrientes, e os organominerais os liberam gradativamente para as plantas, disponibilizando periodicamente e mantendo o nível de nutrição das plantas.


Custo-benefício

Os fertilizantes organominerais são viáveis tanto para o pequeno quanto para o grande produtor rural, porque possuem um custo baixo em relação aos adubos convencionais, tendo como base de composição a matéria orgânica. Várias são as fontes de matéria orgânica que podem ser usadas na fabricação dos organominerais, como dejetos de suínos, aves e resíduos de origem vegetal.

O agricultor pode realizar a produção na sua propriedade, entretanto, para ser considerado organomineral, o fertilizante deve atender as exigências que estão estipuladas na legislação e obedecer os teores mínimos de cada material que compõe o fertilizante.

Comparado com a adubação convencional, os organominerais apresentam economia relacionada à quantidade de aplicações que são realizadas. Eles liberam os nutrientes gradativamente na solução do solo, evitando perdas por lixiviação ou evaporação. Como na nutrição convencional a maior porcentagem dessas perdas acontece por esse motivo, é realizado um maior número de aplicações durante o ciclo da planta para obter maior eficiência.

Além disso, é possível encontrar no mercado fertilizantes organominerais que se adaptam ao tipo de manejo do agricultor. Podem ser aplicados tanto por via fertirrigação, pulverização, em forma de substrato ou granulado, o que reduz restrições e permite que sejam utilizados nos diversos tipos de sistemas de cultivo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Pulverização de micronutrientes nas folhas da soja aumenta a produtividade

Cobalto e molibdênio são dois dos elementos essenciais para a fixação biológica de nitrogênio, mas devem ser aplicados entre os estádios de desenvolvimento V3...

Como a fertirrigação pode ajudar sua produção de cebola?

AutorJosé Maria Pinto Pesquisador da Embrapa Semiárido jose-maria.pinto@embrapa.br A fertirrigação é o método de aplicação de fertilizantes via água de irrigação de acordo com as...

Poda do cafeeiro tem aliado para alcançar maiores produtividades

A poda de esqueletamento é uma prática cultural que está se tornado habitual na cafeicultura moderna, visto os grandes benefícios econômicos e financeiros que...

Adubação nitrogenada e potássica com fertilizantes de liberação controlada

Evaldo Kazushi Takizawa Engenheiro agrônomo e consultor da Ceres Consultoria Agronômica evaldo@ceresconsultoria.com.br   Os nutrientes, ao mesmo tempo em que são absorvidos e utilizados pelas plantas, podem também...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!