24.9 C
Uberlândia
sexta-feira, abril 12, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosComo manejar a ferrugem do milho

Como manejar a ferrugem do milho

Manejar a ferrugem do milho é uma arte da agricultura moderna, exigindo estratégias precisas para proteger a colheita e promover a saúde das plantas.

Fernanda Lourenço Dipple
Engenheira agrônoma, mestra e professora de Microbiologia e Fitopatologia – Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)
fernanda.dipple@unemat.br

A ferrugem do milho é uma das principais doenças da agricultura brasileira, e pode ser causada pelos fungos Physopella zeae, Puccinia sorghi e Puccinia polysora.

Sintomas de ferrugem no milho
Crédito: Claudinei Kappes

 De acordo com a Embrapa, a ferrugem do milho pode comprometer até 40% da produtividade da lavoura, se não manejada adequadamente. Isso porque ela afeta a área foliar da planta de milho e reduz a capacidade de fotossíntese da lavoura.

Como consequência, a produtividade e a qualidade da produção são afetadas.

Fungos causadores da ferrugem do milho

A cultura do milho é de suma importância para a alimentação animal e seu valor comercial dos últimos anos incentivou a produção desta cultura no Brasil.

Diversas doenças podem acometer esta cultura, dentre elas a ferrugem, esta doença pode afetar negativamente a produtividade do milho e muitos produtores não fazem um manejo eficiente de doenças, agravando os sintomas e causando prejuízos.

A ferrugem é causada por fungos basidiomicetos, produzindo pústulas, com esporos de coloração amarelo à marrom, os quais são comumente chamados de ferrugem.

A ferrugem pode ser causada por vários basidiomicetos e na cultura do milho temos três espécies de suma importância: Physopella zeae, Puccinia sorghi e Puccinia polysora.

Sintomas e identificação

Ficar atento aos sintomas iniciais é fundamental. Quando aparecerem pequenas cloroses com pontuação nas folhas de coloração amarelo, marrom ou até esbranquiçadas, podem ser sinais dos primeiros sintomas de infecção e colonização dos fungos que causam a ferrugem.

Physopella zeae é conhecida como a ferrugem tropical. Seus esporos possuem coloração mais clara, pústulas (urédias) que se abrem e liberam os uredósporos, que são disseminados pelo vento. É um patógeno com grande potencial destrutivo, sendo que as condições ambientais, como altas temperaturas favorecem o fungo e a doença.

Puccinia sorghi, ou ferrugem comum, é considerada de com menor severidade, comparada às demais. Sua presença é mais significativa na região no sul do país. A caracterização é o formato das pústulas, sendo estas alongadas e elípticas.

Seus uredósporos são de coloração marrom-canela, escurecendo com o passar do tempo. Temperaturas baixas (16 a 18ºC) e alta umidade relativa (100%) favorecem o desenvolvimento da doença.

Puccinia polysora, chamada de ferrugem polisora, preocupa muitos engenheiros agrônomos e produtores, pois é a mais agressiva e danosa das ferrugens do milho, podendo causar sérias lesões na planta e prejuízos que podem ultrapassar 50% na produtividade.

A ferrugem polysora é muito comum na região central do Brasil, sendo que estados do Mato Grosso e Goiás têm constatado focos desta doença.

Os sintomas são diferentes da ferrugem comum, pois suas pústulas são arredondadas e pequenas, com coloração mais clara e tons amarelados “dourados” com o avançar da doença.

Como as demais ferrugens, ela muda de coloração, ficando mais escura e amarronzada. Além das folhas, podem ter sinais nas espigas e no pendão, com alta severidade.

Práticas de manejo recomendadas

O manejo integrado de doenças é a melhor forma de controlar os patógenos e reduzir as perdas nas culturas.

Um problema da cultura do milho é que muitos produtores são pensam em realizar um manejo de doenças adequado. Há alguns anos, isso acontecia pelo baixo valor pago pela saca do grão, e hoje porque estão preocupados com pragas e esquecem do potencial destrutivo das doenças.

O manejo integrado deve começar pelo conhecimento da cultura e práticas eficientes de produção, como rotação de culturas, usar adubação verde ou consórcio, barreiras sanitárias e métodos culturais que reduzem a aplicação de compostos químicos.

Outro ponto importante é o planejamento agrícola, a época de semeadura (safra ou safrinha), escolha de um híbrido com as características agronômicas desejáveis, compra de insumos com antecedência, posicionando aplicações de fungicidas para reduzir a fonte de inóculo e prevenir o aparecimento de doenças.

Na prática

Um exemplo na região de Nova Mutum (MT), é que temos milho safrinha na maioria dos produtores e milho safra (destinado à produção de biodiesel). Portanto, somente a época de semeadura muda todo o planejamento agrícola, insumos, agroquímicos e possíveis doenças na cultura.

Por fim, como a ferrugem é um basidiomiceto, há, no mercado, diversos mecanismos de ação com eficiência de controle sobre este patógeno, como triazóis, estrobilurinas, carboxamidas e até um multissítio, o clorotolanil.

O ponto-chave é nunca usar somente um mecanismo de ação, sempre rotacionar e fazer misturas para reduzir a incidência de resistência dos patógenos.

Seguem alguns princípios ativos registrados no Ministério da Agricultura para controle das ferrugens do milho:

Physopella zeae: Epoxiconazol, Fluxapiroxade, Piraclostrobina, Azoxistrobina, Tebuconazol, Propiconazol.

Puccinia sorghi: Epoxiconazol, Piraclostrobina, Picoxistrobina, Tebuconazol, Azoxistrobina, Mancozebe, Protioconazol.

Puccinia polysora: Epoxiconazol, Piraclostrobina, Azoxistrobina, Clorotalonil, Difeconazol, Benzovindiflupir, Ciproconazol, Picoxistrobina, Tebuconazol, Fluxapiroxade, Mefentrifluconazole.

Direto ao ponto

Os fungos de classificação Grupo 5, como as ferrugens, conforme McNew, atuam diretamente sobre a fotossíntese, ou seus produtos, causando lesões e manchas foliares.

As ferrugens podem afetar grande parte das folhas, interferindo na fotossíntese e na produção de fotoassimilados, refletindo diretamente na produção da planta e na produtividade da área, com perdas que podem ultrapassar 40% da produtividade.

Lembrando que estes fungos não sobrevivem em restos vegetais, são biotróficos e precisam de uma planta hospedeira. São disseminados pelo vento, homem, animais, insetos e chuva.

Assim, o manejo preventivo e práticas culturais adequadas são fundamentais para manejo da doença.

ARTIGOS RELACIONADOS

Manejo da irrigação localizada permite controle vegetativo de videiras

Por Maxwell Soares da Silva, especialista agronômico da Netafim.

Trigo pode ser alternativa mais barata que a silagem de milho

Emater-MG e Epamig fazem dias de campo no Sul de Minas e Campo das Vertentes.

Sementes de milho de alto valor

O milho é uma das culturas mais antigas do mundo, sendo, ao longo da história, importante ...

Ubyfol lança fertilizante líquido com formulação inédita no mercado

A Ubyfol, multinacional brasileira que desenvolve produtos especiais com macro e micronutrientes, acaba de lançar um novo fertilizante líquido. O Genizys como foi batizado, é a grande aposta da empresa em 2020, e conta com uma formulação inédita no mercado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!