20.6 C
Uberlândia
quinta-feira, maio 23, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosMapa amplia calendário de semeadura da soja

Mapa amplia calendário de semeadura da soja

As alterações ocorreram em função do atraso na semeadura e prejuízos decorrentes da falta de chuva durante o início da safra.

O Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) publicou as Portarias nº e 968980 e 986 que alteram que o calendário de semeadura de soja para a safra 2023/2024 em Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Piauí, Tocantins e Acre.

As alterações foram solicitadas pelo setor produtivo e Agências Estaduais, em função do atraso na semeadura e prejuízos decorrentes da falta de chuva durante o início da safra nesses estados.

Para os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, o novo período vai 16 de setembro de 2023 a 13 de janeiro de 2024 – o que levou um aumento de 20 dias em cada estado em relação a data anteriormente estabelecida.

No Goiás o aumento no prazo foi de 10 dias. O que antes era de 25 de setembro de 2023 a 02 de janeiro de 2024, estendeu até o dia 12 de janeiro.

Em Tocantins, novo período vai de 1º de outubro de 2023 a 20 de janeiro de 2024. Neste caso, o calendário foi ampliado em 12 dias.

O Pará ficou dividido em três regiões. A primeira vai de 16 de setembro de 2023 a 14 de janeiro de 2024, a segunda de 1º de novembro de 2023 a 28 de fevereiro de 2024 e a terceira de 16 de novembro de 2023 a 14 de março de 2024.

No Piauí também são três regiões, sendo a primeira de 1º de dezembro de 2023 a 09 de março de 2024, a segunda de 1º de novembro de 2023 a 08 de fevereiro de 2024 e a terceira de 1º de 30 de setembro de 2023 a 28 de janeiro de 2024.

Já no Acre, o período foi prorrogado em 20 dias, ou seja, vai até o dia 18 de janeiro de 2024. A data anterior ia de 21 de setembro a 29 de dezembro de 2023.

O calendário de semeadura é adotado como medida fitossanitária complementar ao período de vazio sanitário, com objetivo de reduzir ao máximo possível o inóculo da ferrugem asiática da soja. A medida implementada no Programa Nacional de Controle da Ferrugem Asiática da Soja (PNCFS) visa à racionalização do número de aplicações de fungicidas e a redução dos riscos de desenvolvimento de resistência do fungo Phakopsora pachyrhizi às moléculas químicas utilizadas no seu controle.

A Ferrugem Asiática é considerada uma das doenças mais severas que incidem na cultura da soja, podendo ocorrer em qualquer estádio fenológico. Nas diversas regiões geográficas onde a praga foi relatada em níveis epidêmicos, os danos variam de 10% a 90% da produção.

ARTIGOS RELACIONADOS

Sistemas biodiversos: A integração como agricultura

Autor Afonso Peche Filho Pesquisador científico do Instituto Agronômico de Campinas afonsopeche@gmail.com Atualmente, as atividades agrícolas da forma que são realizadas produzem, sabidamente, impactos significativos...

Colheita mecanizada de feijão depende de plantio correto

  Marco Antonio Lollato Engenheiro agrônomo, mestre em Fitotecnia e pesquisador do Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) lollatomal@hotmail.com O Brasil planta em torno de 4,1 milhões de hectares...

Plantio de abóbora: agricultor adota quatro pilares de cultivo e atinge recorde de produtividade

Semeio da variedade Takayama F1, da linha Topseed Premium, se destacou em propriedade do interior mineiro

Como fazer o preparo do solo para o plantio?

Seja na agricultura familiar, na moderna, na intensiva ou extensiva, para o preparo do solo é preciso considerar as características da terra e o tipo de plantio que será realizado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!