21.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesComo realizar a polinização na abóbora cabotiá?

Como realizar a polinização na abóbora cabotiá?

Foto de arquivo

Laís Naiara Honorato Monteiro
Engenheira agrônoma, doutora em Agronomia/Horticultura e professora – Centro Universitário de Votuporanga (UNIFEV)
laismonteiiro@gmail.com
Pedro Henrique Gatto Juliano
pedrohenriquegj2@gmail.com
Graduando em Engenharia Agronômica – UNIFEV
Thaís Vitor Dias
Graduanda em Engenharia Agronômica – Centro Universitário de Votuporanga (UNIFEV) e analista de planejamento e desenvolvimento agronômico
thaisvdiasagronomia@gmail.com

No Brasil, as espécies do grupo das cucurbitáceas têm grande importância econômica e social, por terem boa adaptação às condições edafoclimáticas e por fazerem parte da alimentação de várias regiões brasileiras. A abóbora cabotiá, também chamada de abóbora japonesa ou do tipo “Tetsukabuto”, é um híbrido interespecífico, ou seja, é resultado do cruzamento entre a abóbora moranga (Cucurbita máxima), atuante como progenitor feminino e a abóbora (Cucurbita moschata), como progenitor masculino.

Características

Com qualidade de polpa superior às abóboras e morangas, a abóbora cabotiá exibe aspectos de destaque, como maior precocidade, uniformidade, além de melhor produtividade. Essas vantagens têm sido relevantes para os produtores no momento de escolha da espécie olerícola a ser cultivada, pois além de características importantes no campo, a abóbora cabotiá apresenta menores perdas pós-colheita, devido ao seu fruto ter melhor tempo de prateleira.
Os frutos de cabotiá apresentam coloração externa verde-escura, além de textura rugosa. São frutos globulares e moderadamente achatados, os quais podem atingir o peso de até 3,0 kg cada.

Frutificação

O potencial de frutificação da abóbora cabotiá depende da produção de suas flores femininas e do processo de polinização e fecundação dessas flores. O início do florescimento se dá em torno de 35 dias após o plantio, podendo se estender por mais 35 dias devido ao híbrido ser monoico, pois, embora a cabotiá produza flores femininas e masculinas na mesma planta, estas últimas são consideradas macho-estéreis. Dessa maneira, a abóbora cabotiá não é fértil, pois não possui pólen. Por isso, para produzir frutos desse híbrido, deve-se usar uma polinizadora, podendo ser outras variedades de abóbora ou moranga, ou seja, plantios adjacentes e concomitantes de acessos de C. moschata ou C. maxima, as quais irão fornecer o pólen para plantas de cabotiá, onde ocorrerá a polinização cruzada realizada por insetos polinizadores, como as abelhas.

Técnicas de polinização

A eficiência de insetos polinizadores não ultrapassa 60%, mesmo com apiários introduzidos na área. Em casos onde não houve a fecundação das flores por polinização artificial, o produtor pode considerar tal alternativa, porém, frutos polinizados naturalmente em sua maioria possuem baixo valor de mercado, sendo, em alguns casos, destinados à alimentação animal. O plantio simultâneo de plantas polinizadoras pode ocupar até 20% da área cultivada. Geralmente, utiliza-se a proporção 4:1, ou seja, quatro ruas de plantas de abóbora cabotiá para uma rua de polinizadora.

Atualmente, o espaçamento de 3,0 m entre linhas e 1,0 a 1,5 m entre plantas é o mais utilizado na cultura da abóbora cabotiá. Maiores espaçamentos são recomendados em plantios nas estações da primavera e verão e em solos com boa fertilidade, devido ao elevado desenvolvimento vegetativo e produtivo que as plantas apresentam.

Pesquisas revelam maior eficiência da moranga cultivar Exposição, na formação e produção dos frutos de abóbora cabotiá. No entanto, a eficiência da polinização não é obtida somente com o uso dessa cultivar, sendo a utilização de reguladores de crescimento recomendada para garantia de maior porcentagem de fecundação.

Os reguladores de crescimento à base de 2,4-D são amplamente utilizados por produtores que buscam realizar polinização artificial em abóbora cabotiá. Esses reguladores apresentam efeitos semelhantes às auxinas ou ao ácido indol-acético, presentes naturalmente nas plantas.

Ressalta-se que a aplicação desse produto deve ser realizada durante a manhã, devido à abertura das flores das cucurbitáceas ocorrer uma única vez durante algumas horas neste período do dia, apresentando-se em antese e receptivas para fertilização. A polinização deve ser feita com um jato rápido, com vazão de 2,0 ml, no interior das flores femininas abertas.

ARTIGOS RELACIONADOS

Agristar lança treze cultivares para horticultura durante o Open Field Day e a Hortitec

Entre os dias 20 e 22 de junho, a Agristar promove o Open Field Day (Dia de campo aberto), tradicional evento do calendário de...

Inovações no manejo do cancro-da-maçã

Depois que o cancro-da-maçã entrou no Brasil, em 2012, o manejo da doença progrediu em diferentes aspectos.

Consumo médio de lácteos tem potencial de aumentar mais de 50%

Estudo indica ainda que consumo médio de lácteos tem potencial de aumentar mais de 50%.

Híbridos de melancia – Mais produtividade e qualidade

A melancieira [Citrullus lanatus (Thunb.) Matsum & Nakai], comumente chamada de melancia, pertence à família Cucurbitaceae, a mesma que engloba as abóboras e morangas (Cucurbita spp.), o pepineiro e o meloeiro (Cucumis spp.), o chuchuzeiro [Sechium edule (Jacq.) Sw.], dentre outras importantes espécies de olerícolas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!