27.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosComo reconhecer a deficiência de nitrogênio nas árvores?

Como reconhecer a deficiência de nitrogênio nas árvores?

Vitor Augusto Cordeiro Milagres
Diretor da empresa Santa Maria Inovações Agroflorestais
santamariaagroflorestal@gmail.com

A cadeia produtiva florestal está a todo vapor. Empresas de Norte a Sul do Brasil anunciam projetos de expansão de suas fábricas, com investimentos que giram de milhões a bilhões de reais, sugerindo um crescimento do setor nunca visto na nossa história.

Estes números chamam atenção de investidores e especialistas de todo o mundo, uma vez que a sua participação no PIB nacional é cada vez mais significativa. De acordo com os dados do relatório do IBÁ 2021, na última década o valor adicionado da cadeia produtiva do setor de árvores cultivadas foi de 10,2%, enquanto o PIB do País cresceu apenas 2,7% de 2010 a 2020.

A expansão florestal não foi apenas em área, mas principalmente em produtividade. Além das características edafoclimáticas nacionais particularmente favoráveis, temos todo um empenho em melhoramento genético, silvicultura e manejo que trabalham incessantemente para o desenvolvimento florestal, não só em espécies exóticas, como eucalipto e pinus, mas também espécies nativas que estão ganhando seu espaço no mercado.

Um dos fatores que mais contribuiu para o aumento em produtividade foram os avanços no manejo da adubação. Modelos matemáticos e tecnologia em fertilizantes são constantemente desenvolvidos para otimizar a adubação, pensando muito além da quantidade a ser aplicada do adubo, mas respondendo questões pertinentes e necessárias, tais como: Em que época do ano devo adubar? De que modo faço a adubação? Em que estágio da planta adubo?

Estes e tantos outros questionamentos fazem parte da rotina dos grandes e pequenos produtores que já se conscientizaram da importância dessa operação para que se tenha o retorno econômico desejado com as culturas florestais.

Azoto

Um elemento que não pode faltar na maioria dos solos brasileiros é o azoto. Não assuste se você nunca ouviu falar dele, trata-se do macronutriente nitrogênio. Este nutriente participa de diversos processos essenciais das plantas, entre eles o da biossíntese de proteínas e clorofila.

Apesar de sua essencialidade para a planta, a adubação de nitrogênio tem suas particularidades, e são comuns as perdas de nitrogênio, seja por lixiviação ou por volatilização.

A lixiviação é o processo de descida do nitrato com a água no perfil do solo, e sua ocorrência é mais comum em solos arenosos e naqueles com pouca matéria orgânica. A volatilização, por sua vez, é a perda de nitrogênio na forma de gás (NH3), e é mais comumente vista quando se aplica ureia de forma inadequada.

Fique de olho

Você sabe como reconhecer a deficiência de azoto nas espécies arbóreas? A perda de nitrogênio pode ser identificada especialmente de duas formas: a diagnose visual e a diagnose foliar.

Quando vamos numa consulta médica é comum ouvirmos do médico: “O que você está sentindo?”. Esta pergunta é feita, pois nosso organismo manifesta fisicamente, seja por variações em cores, dores, nódulos e outras anormalidades quando apresenta algum sintoma, e isto, juntamente com os exames laboratoriais, contribui para o estabelecimento do diagnóstico médico.

Analogamente, o técnico florestal, pela diagnose visual, consegue perceber padrões de anormalidades na planta que, juntamente com os resultados de uma análise foliar, pode auxiliar a gerar uma recomendação nutricional corretiva para as plantas.

O sintoma visual de deficiência de nitrogênio é caracterizado pela clorose em folhas velhas, isto é, coloração verde-clara a amarela em toda a folha. Em estágios mais avançados, podem aparecer pontos avermelhados antes de sua senescência (morte).

Veja alguns exemplos em eucalipto e mogno (Figuras 1, 2 e 3).

 Figura 1:

Eucalipto com deficiência de nitrogênio. Folhas velhas com clorose, folhas novas com coloração esverdeada/Vitor Augusto Cordeiro Milagres

 Figura 2:

Eucalipto com deficiência de nitrogênio. Folhas velhas com clorose, folhas novas com coloração esverdeada/Vitor Augusto Cordeiro Milagres

Sintomas

Muitos questionam como diferenciar os sintomas de deficiência nutricional com doenças, pragas e outras anomalias. Para fazer um correto diagnóstico é importante observar os seguintes padrões:

1) Simetria dos sintomas: a deficiência nutricional é apresentada em ambos os lados da planta, conforme observado na figura 2.

2) Gradiente dos sintomas: de acordo com a mobilidade dos nutrientes dentro da planta, alguns apresentam os sintomas em folhas novas e outros em folhas velhas. O nitrogênio, fósforo, potássio e magnésio, por serem mais móveis, apresentam os sintomas nas folhas velhas. Por sua vez, os nutrientes considerados imóveis ou pouco móveis, como é o caso do cálcio, enxofre, boro, zinco, cobre, manganês e ferro, apresentam sua deficiência nas folhas novas.

3) Representatividade: além dos padrões supracitados, é importante observar a representatividade da deficiência dentro do talhão. Trata-se de uma planta específica ou de todo o talhão? Esses fatores, em conjunto, contribuem para a identificação em campo.

 Figura 3:

Mudas de mogno africano com deficiência de nitrogênio à esquerda. Mudas bem nutridas à direta/Vitor Augusto Cordeiro Milagres

Identificação

A identificação dos sintomas visuais, apesar de sua praticidade, apresenta algumas limitações. Pode acontecer de a planta expressar a deficiência de mais de um nutriente, especialmente em áreas não adubadas ou adubadas de forma irregular.

Múltiplos sintomas dificultam a identificação visual. Outro aspecto relevante é que um determinado nutriente pode estar em baixa concentração na planta sem que ela apresente sintomas. Esse processo é conhecido como “fome oculta”.

Para suprir as limitações da análise visual, outro método comumente usado para a identificação do estado nutricional das plantas é a diagnose foliar. Este é um método de avaliação em que são analisadas as folhas das plantas em determinado estágio de seu desenvolvimento.

Para que a diagnose foliar tenha os resultados desejados, é necessário que a amostragem seja representativa da área. Para eucalipto, recomenda-se coletar em torno de 50 a 100 folhas no terço superior da copa das árvores, em cada ponto cardeal, e em média 20 árvores por área amostral.

As folhas coletadas devem ser as primeiras completamente maduras, que geralmente representam da 4ª a 6ª folha desde a ponta do ramo, conforme imagem 4.

Figura 4:

Indicação da localização para coleta de folhas para o monitoramento nutricional de eucalipto/Vitor Augusto Cordeiro Milagres

Variações

Para o cultivo de pinus, pode-se utilizar a mesma metodologia para a coleta das acículas. A cultura da seringueira tem uma variação: Deve-se coletar nas mesmas quantidades e proporções, porém, selecionar as folhas à sombra da base do terço superior da copa.

Uma vez de posse dos resultados da análise laboratorial, é possível verificar se a área amostral com o cultivo florestal apresenta deficiência de nitrogênio, comparando os resultados obtidos com valores de referência.

Na tabela 1 encontra-se uma interpretação de faixas de deficiência de nitrogênio para eucalipto, pinus e seringueira comparados por diversos autores.

Tabela 1: Tabelas de referência de deficiência nutricional de nitrogênio para eucalipto, pinus e seringueira.

EspéciesMalavolta, 19921Gonçalves, 19952Silveira et al., 1998 e 199934Oliveira, 20045Cantarutti et al., 20076
Eucalipto< 10< 13,5< 1614-16< 13,5
Pinus< 9< 1111-13< 12,6
Seringueira< 2029-35< 26

1. Malavolta, E. ABC da Análise de solos e folhas. Folhas. Interpretação. 1992. Editora Agronômica CERES. p.89-90.

2. Gonçalves, J. L. M. Recomendações de adubação para Eucalyptus, Pinus e espécies típicas da Mata Atlântica. Documentos Florestais – IPEF. 1995. Piracicaba: 1-23.

3. Silveira, R.L.V.A; Higashi, E.N; Pompermayer, P.N. Monitoramento nutricional na siderúrgica Barra Mansa. 1998. p.92.

4. Silveira, R.L.V.A; Higashi, E.N; Moreira, A. Monitoramento nutricional na Lwarcel. Relatório de assessoria e pesquisa. 1999. p.62.

5. Oliveira, S.A. Análise foliar. Cerrado: correção do solo e adubação. 2004. Embrapa Informação Tecnológica. Brasília. p.252-253.

6. Cantarutti, R. B.; Barros, N. F.; Martinez, H. E. P.; Novais, R. F. Avaliação da fertilidade do solo e recomendação de fertilizantes. 2007. Fertilidade do solo. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. p.831-833.

Além das tabelas de referência, existem sistemas e métodos de interpretação dos resultados da análise foliar que utilizam as informações das análises laboratoriais, como é o caso de DRIS (Sistema Integrado de Diagnose e Recomendação) e os Índices Balanceados de Kenworthy.

Estes métodos contribuem para que o silvicultor tenha ferramentas para gerar a recomendação de adubação mais assertiva para a cultura florestal de seu interesse e mitigue as deficiências nutricionais que tanto impactam na perda de produtividade.

ARTIGOS RELACIONADOS

Adubar sim, mas com inteligência e estratégia

  Investimento contínuo em adubação a cada safra é sinônimo de altas produtividades   Para muitos agricultores, nas principais regiões produtoras de grãos do País, o investimento...

Ciclo fenológico define plantio da cebola híbrida

Daniel Lucas Magalhães Machado Engenheiro agrônomo edoutorando em Produção Vegetal, ICIAG - Universidade Federal de Uberlândia (UFU) danielmagalhaes_agro@yahoo.com.br Ernane Miranda Lemes ernanelemes@yahoo.com.br Roberta Camargos de Oliveira robertacamargoss@gmail.com Engenheiros agrônomos edoutores em...

Adubação orgânica significa sustentabilidade e versatilidade no campo

A utilização de matérias-primas para geração de energia, produção animal e indústria alimentícia gera resíduos orgânicos muitas vezes descartados de forma inadequada, com grande risco de...

Hazera – Comprometida e dedicada ao desenvolvimento de cebolas

A Hazera está comprometida com a melhoria contínua de seu portfólio de cebolas, combinado com conhecimento e demandas recebidas dos parceiros que atuam neste...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!