19.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosControle biológico da lagarta-do-cartucho se mostra eficiente

Controle biológico da lagarta-do-cartucho se mostra eficiente

 

Fernando Hercos Valicente

Pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo

fernando.valicente@embrapa.br

 Controle biológico da lagarta do cartucho
Controle biológico da lagarta do cartucho ” Crédito Arthur Torres

A área cultivada com milho no Brasil está em torno de 16 milhões de hectares, e o gasto anual com inseticidas químicos nesta cultura ainda é muito alto, mesmo com o uso de milho transgênico.

A lagarta-do-cartucho, Spodopterafrugiperda, ainda é a principal praga da cultura do milho no Brasil, e há registro do seu ataque em mais de 100 culturas, incluindo sorgo, soja, algodão, arroz, feijão e até maçã, uva, goiaba, etc.

Danos

O ataque deste inseto pode reduzir a produção de grãos entre 34 e 50%, e em alguns casos o dano pode ser mais intenso. As larvas mais novas consomem tecidos da folha de um lado, deixando a epiderme oposta intacta. Neste ponto é importante o monitoramento, porque é difícil ver o dano na folha.

Depois do segundo ou terceiro instar, as larvas começam a fazer buracos nas folhas, se alimentado em seguida do cartucho das plantas de milho, produzindo uma característica fileira de perfurações nas folhas.

O ciclo de vida deste inseto é completado em 30 dias em condições de laboratório, e o número de ovos pode variar de 100 a 200 por postura/fêmea, sendo que no total de 1.500 a 2.000 ovos podem ser colocados por uma única fêmea. Observa-se, deste modo, o potencial de dano que esta praga pode causar.

A lagarta pode atingir 2,5cm,e a fase de pupa ocorre no solo.  A lagarta possui um “Y“ invertido na cabeça.

Os prejuízos dados pela lagarta-do-cartucho são grandes, porque vão desde as folhas até os grãos de milho. No caso do milho, a lagarta entra pela base da espiga.

Controle químico

O controle químico não pode ser descartado. Há vários produtos químicos que têm uma ação imediata de controledesta praga. Mas, é importante seguir as recomendações do fabricante para o uso correto desses produtos.

O uso de uma quantidade errada do agrotóxico pode levar à resistência por parte da praga. E a cada ano o agricultor irá necessitar de uma quantidade maior de inseticida químico.

Controle biológico

O controle biológico é uma ferramenta importante no Manejo Integrado de Pragas (MIP), pois não causa desequilíbrio ao meio ambiente, não contamina rios e nascentes, nem o produto a ser consumido, além de não matar os inimigos naturais (benéficos) presentes em todas as culturas. Deve ser usado e incentivado.

O controle biológico deve iniciar assim que se fizer uma amostragem e verificar a presença da praga na cultura. No caso do milho, nas regiões com histórico de ataque, o controle pode ser iniciado no máximo 10 dias depois da germinação.

Não se pode perder a primeira aplicação para o controle da lagarta-do-cartucho, senão haverá uma sobreposição de tamanhos de lagartas, mariposas e ovos.

Manejo

No caso do milho, o controle pode ser iniciado com o uso do Bacillusthuringiensis (Bt), no máximo 10 dias após a germinação das sementes (e dependendo do histórico da área). O número de aplicações depende do ataque e deve seguir o mesmo calendário dos químicos.

No caso de mais de uma aplicação, recomenda-se iniciar com o Baculovirus após a segunda aplicação (porque este mata lagartas de até 1cm). Quando a planta está na fase de espiga, recomenda-se monitorar com armadilhas de feromônio para detectar a presença de lagartas nas espigas e fazer o controle com a vespa Trichogramma.

Se houver alguma condição adversa, deve-se observar em qual etapa do MIP pode-se entrar com agrotóxico.

Biológico x químico

O controle químico dever ser usado em casos de alto ataque da lagarta. Não se pode descartar o químico. Entretanto, alguns produtos biológicos podem ser usados em conjunto com químicos, em subdose.Recomenda-se a aplicação de biopesticidas à base de Bt e Baculovirus para o controle da lagarta do cartucho:

üAplicação do produto após as 16h;

üSempre usar um espalhante adesivo;

ü Usar bico leque;

üMedir e ajustar a vazão;

üVazão compatível com a necessidade do microrganismo e da cultura, e umidade relativa do ar (não usar menos de 150L/ha). Se for para usar UBV, ter equipamento adequado para baixo volume;

üPode ser usado em mistura com produto químico no mesmo tanque, porém; o químico deve ser usado em subdose;

ü Ambos os biopesticidas são eficientes a campo, mas devem-se seguir os procedimentos acima citados.

Essa matéria você encontra na edição de janeiro da revista Campo & Negócios Grãos. Clique aqui para adquirir já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Nutrição é a chave para aumentar a rentabilidade do algodoeiro

No Congresso, a Yara irá lançar o Turbo PROCOTE+S, fertilizante com alta concentração de fósforo e enxofre, prontamente disponíveis para a planta. Uma das maiores...

Produção brasileira de algodão deve crescer 17,6%

Para especialista da TMG, produtores devem se atentar ao manejo adequado para garantir qualidade da fibra e atingir bons resultados nas lavouras

Nematoides – Controle acertado no maracujá

  José Rafael da Silva Engenheiro agrônomo e diretor do Viveiro Flora Brasil rafael@viveiroflorabrasil.com.br   O Brasil é o maior produtor mundial de maracujá e também o maior...

Inovação em híbridos de milho é aposta para novos recordes

Para atender a demanda interna e externa pelo grão, produtores do Paraná avaliam cenários e se preparam para maximizar a produtividade com sustentabilidade dos negócios Se de um...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!