16.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiCresce o uso de gotejo em melancia

Cresce o uso de gotejo em melancia

 

José Francismar de Medeiros

Engenheiroagrônomo da UFERSA, pesquisador I-A do CNPq, consultor e produtor

jfmedeir@ufersa.edu.br

Cresce o uso de gotejo em melancia - Crédito Shutterstock
Cresce o uso de gotejo em melancia – Crédito Shutterstock

A melancia pode ser irrigada por sulco de infiltração, aspersão e por gotejamento, sendo esse último sistema o mais indicado. Os principais benefícios do gotejo são: reduzir as perdas por evaporação da superfície do solo, pois este sistema de irrigação molha apenas 20 a 30% da superfície do solo; a água não molha as folhas, evitando que doenças que ocorrem ou se transmite pela água se propaguem (bacterioses, pinta preta, míldio, entre outras), permite a aplicação da fertirrigação, melhorando a eficiência do uso dos fertilizantes aplicados e reduz a incidência de ervas daninhas, sobretudo no primeiro mês, e quando têm, as mesmas se concentram apenas na área molhada.

O sistema ainda mostra potencial para aumentar a produtividade e reduzir de forma substancial a quantidade de água aplicada, pois, além de reduzir o Kc em determinadas fases fenológicas, a eficiência de aplicação pode ser muito superior ao sistema por aspersão (30% a mais) e por sulco (80% a mais).

Mais sanidade e produtividade

As produtividades com a irrigação por gotejamento no semiárido nordestino (nos Estados do Rio Grande do Norte, Ceará, Paraíba e Pernambuco, onde praticamente toda a melancia é irrigada por gotejamento), giram em torno de 30 t/ha, podendo atingir até 50 t/ha.

Em condições experimentais de São Paulo a melancia irrigada por gotejamento e fertirrigação chegou a produtividades superiores a 50 t/ha. Na região de Mossoró, com uso de mulchinge filmes plásticos (que só é possível utilizar na irrigação por gotejamento), utilização de TNT para proteção das plantas para evitar determinadas pragas, fertirrigação e manejo dos demais tratos culturais é possível produtividades de 50 t/ha.

Nos períodos secos, com a irrigação por gotejamento, a única doença que tem aparecido na melancieira tem sido o oídio, que se controla facilmente com produtos à base de enxofre.

Economia de água

A maior economia de água tem sido nos primeiros 30 dias, que sem mulching pode chegar a 70%, e com mulching a 80%. Depois que a planta cobre cerca de 60% do solo, a economia de água gira entre 10 e 20%, considerando que as eficiências dos outros sistemas de irrigação sejam superiores a 85%, o que é difícil de acontecer.

Na irrigação por gotejamento, facilmente se consegue 90% de eficiência de aplicação. Assim, a economia total de água pode variar de 30 a 70%.

Foto 02O gotejo aumenta a produtividade e reduz a quantidade de água aplicada
O gotejo aumenta a produtividade e reduz a quantidade de água aplicada

Manejo de irrigação por gotejamento

Na irrigação por gotejamento, o espaçamento entrelinhas de plantas/linhas de gotejadores deve variar entre 2,0 e 2,5 m, de modo que a largura do bulbo a 20 cm de profundidade seja ao redor de 30% do espaçamento.

Neste caso, o coeficiente de cultura (Kc) para a fase inicial (até a planta cobrir 10% da superfície do terreno ” 20 a 25 dias após o plantio) é de 0,3, na fase dois (início da floração até a planta cobrir 70 a 80% da superfície ” até 40 a 45 dias).O valor do Kc é crescente, de modo que, ao final desta fase, o valor seja da ordem de 1,0.

Na fase três (fase de crescimento dos frutos ” até 55 a 60 dias) o valor pode iniciar em 1,0 e chegar a 1,2 aos 50 dias, dependendo da quantidade e tamanho de frutos na área, e na fase final (5 a 10 dias de duração ” período que antecede e durante as colheitas), o Kc deve ser reduzido de forma gradual para atingir, ao final, ao redor de 0,8.

A frequência da irrigação no início deve ser diária, ou duas vezes por dia.Na fase dois pode iniciar com uma irrigação por dia e chegar a duas por dia no final desta fase, enquanto nas fases trêse quatro deve-se manter duas irrigações por  dia.

Em caso de solos argilosos com alta capacidade de armazenamento de água, uma irrigação diária já é suficiente. No caso de solos arenosos (areia e areia franca) há necessidade de se acrescentar mais uma irrigação por dia para as fases dois e três.

Custo e retorno

O sistema de irrigação por gotejamento e por aspersão fixa tem o mesmo valor. No gotejamento, pode reduzir a potência da bomba e o consumo de energia, pois requer menos pressão. Os custos ficam entre R$ 5 mil e R$7 mil por hectare.

Podem-se utilizar gotejadores tipos fita com gotejadores integrados, que têm uma vida útil de um ano com três ciclos de cultivo por ano. Esta fita seria contabilizada como custeio, e ficaria no valor entre R$1 mil a R$1.250,00 por hectare por ano, dependendo do espaçamento adotado.

Os demais componentes seriam investimentos em motobomba; sistema de sucção e de recalque; cabeçal de controle ” filtro, injetor de fertilizante, manômetro, ventosas e registro; tubulações da linha principal e secundária e linha de distribuição; e conexões, que teriam vida útil de 10 anos. Neste caso, podemos estimar esta parte numa amortização de cerca de R$1.100,00 por ano.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de abril da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Benefícios do silício para o cafeeiro

Embora não seja considerado essencial às plantas, porém benéfico, o silício (Si) tem aumentado a resistência de várias espécies de plantas às pragas e...

Utilização de Mathury na obtenção de maior porcentagem de café cereja

Roberto Santinato Engenheiro agrônomo do MAPA-Procafé Reginaldo de Oliveira Silva Técnico agrícola da Associação dos Cafeicultores de Araguari (ACA) Eduardo Mosca Engenheiro agrônomo da ACA Felipe Santinato Engenheiro agrônomo e mestrando...

Produtividade nem sempre rima com lucratividade

AutorAmélio Dall’Agnol Pesquisador da Embrapa Soja amelio.dallagnol@embrapa.br Produzir bem é o desejo e uma necessidade que todo o agricultor tem para sobreviver no campo e...

Base florestal: Como reduzir custos, riscos e garantir o abastecimento

A maioria das empresas de base florestal tem o grande desafio de reduzir custos, diminuir riscos operacionais e garantir o abastecimento fabril. O melhor caminho para chegar...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!