13.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 29, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesCrise dos fertilizantes pode ser solucionada com tecnologias nacionais

Crise dos fertilizantes pode ser solucionada com tecnologias nacionais

PNF do governo federal aposta nos remineralizadores de solo e bioinsumos para contornar a escassez dos adubo causada pela guerra

Remineralizadores de solo – Foto: Divulgação

O confronto entre a Ucrânia e a Rússia potencializou ainda mais a crise dos fertilizantes que os produtores rurais começaram a enfrentar no ano passado. A oferta limitada já era uma realidade global, que agora fica ainda mais evidente já que a Rússia é o segundo maior produtor de nitrogênio e potássio, e o quarto maior produtor de fósforo do mundo.

Segundo o analista de mercado Cristiano Palavro, o cenário aponta que o custo de produção vai subir no Brasil, já que a Rússia fornece 23% de todo fertilizante importado pelo Brasil. “Problemas de logística, restrições comerciais e sanções econômicas podem limitar os negócios com o país, ou no mínimo encarece-los. Isso tem levado a uma alta geral nos preços de fertilizantes no Brasil, ampliando os custos de produção”, explica.

A percepção do mercado, segundo Palavro, é de que as exportações terão dificuldade em avançar no curto prazo, o que gera uma migração de demanda para outras origens, como é o caso do Brasil. “Outro impacto direto é no preço do petróleo, que pode ampliar a pressão aos preços dos combustíveis no Brasil, encarecer fretes marítimos, fertilizantes, entre outros”, explica.

Para diminuir a dependência brasileira dos insumos importados, o Governo Federal lançou o Plano Nacional de Fertilizantes (PNF). Um dos objetivos do PNF é a implementação das medidas que visam reduzir a dependência de produtos nitrogenados em 51% e fosfatados em 5%, e tornar o Brasil um exportador de potássio. O Plano prevê ainda o uso de produtos brasileiros para substituir os químicos como os bioinsumos e os remineralizadores de solo.

Produtos nacionais

Para muitos produtores, as tecnologias brasileiras ainda são pouco conhecidas e utilizadas no país. Mas o cenário atual tem forçado a categoria a buscar novas ferramentas que possibilitem a produtividade, sem onerar tanto o custo de produção, como afirma Saulo Brockes que é mestre em agronomia e desenvolvedor de mercado da Tratto Agro.

Segundo ele, técnicas como a rochagem, bioinsumos e a utilização de biológicos auxiliam também no manejo da lavoura, reduz custo e aumenta a produtividade. “Podemos citar como exemplo a rochagem, que é a utilização de pó de rocha e remineralizadores de solos nas lavouras como forma de melhorar os níveis de fertilidade dos solos e nutrição de plantas”, diz.

O agrônomo explica que a técnica natural e sustentável, utiliza rochas silicáticas nacionais como fonte de multinutrientes para remineralizar os solos e regenerar os microrganismos nativos do ambiente. “Para atingir uma boa produtividade é preciso que o manejo seja planejado com antecedência para que sejam feitas todas correções necessárias no solo, atendendo aos critérios que a planta exige”, pontua ele.

Diferença das tecnologias para os fertilizantes químicos

A principal diferença dos fertilizantes químicos para os pós de rocha e os remineralizadores de solo é a solubilidade. Os adubos químicos são sais solúveis e adubam a planta por tempo limitado, somente enquanto disponível no solo.  

Já as rochas, como o Fino de Micaxisto (FMX), por exemplo, é o contrário dos fertilizantes químicos, pois é insolúvel, ou seja, não é perdido por lixiviação e volatilização, não saliniza nem degradam o solo e meio ambiente. “Essas tecnologias são biodisponíveis, ou seja, vão nutrindo e disponibilizando a nutrição para as plantas de acordo com a demanda da cultura plantada”, detalha o mestre em agronomia.

Composição dos fertilizantes

É preciso entender que a maioria dos fertilizantes convencionais contém principalmente nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K), que são chamados macronutrientes.

As plantas requerem macronutrientes em grandes quantidades. NPK são apenas três, dos quinze nutrientes essenciais e benéficos exigidos pelas plantas. “Ao escolher um programa de fertilidade, os produtores frequentemente negligenciam a necessidade de outros minerais e se concentram principalmente em NPK solúvel”, explica o mestre em agronomia.

Para que as plantas completem seu ciclo de vida e produzam todo o seu potencial, é necessária uma ampla gama de nutrientes. “Os remineralizador de solos que são registrados pelo MAPA, são fonte natural de minerais que promove gradualmente o equilíbrio do solo, benéficos ao meio ambiente e alguns ainda podem ser usados na produção orgânica”, pontua Brockes.

Ele acrescenta ainda que além de auxiliar na regeneração dos solos e aumentar a produtividade das plantas, esses produtos costumam ser 90% mais baratos que os químicos. “Por se tratar de uma produção nacional, consequentemente o valor é baseado na nossa moeda, o preço final fica bem abaixo do praticado pelas grandes multinacionais. Optando por essas tecnologias, com certeza o produtor deixa de ser refém das importações e do dólar, e ainda colabora para uma agricultura mais sustentável”, enfatiza.

ARTIGOS RELACIONADOS

Instabilidade dos insumos exige trabalho eficiente da porteira para dentro

Produtor rural tem tarefa de casa, principalmente falando em preparo e manejo do solo, apontam pesquisadores e especialistas

Abisolo reúne conteúdos científicos sobre fertilizantes especiais

Denominada Conexão Ciência, ela já acumula artigos de revistas nacionais e internacionais

Colheita do Bem arrecada R﹩ 1,3 milhão em Mato Grosso

Chega ao final a terceira edição do projeto Colheita do Bem, realizado pela América Insumos, ...

Conservação do solo

Atualmente, o agronegócio é a atividade econômica que mais tem contato e dependência direta ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!