27.6 C
Uberlândia
segunda-feira, abril 22, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesCultivares de manga: exigências edafoclimáticas e manejo

Cultivares de manga: exigências edafoclimáticas e manejo

Adilson Pimentel Júnior
Engenheiro agrônomo, doutor em Agronomia e professor – Centro Universitário de Ourinhos (Unifio)
adilson_pimentel@outlook.com
Thiago Feliph Silva Fernandes
thiago.feliph@unesp.br
Antonio Santana Batista de Oliveira Filho
antonio.filho@unesp.br
Engenheiros agrônomos e mestres em Produção Vegetal – Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Crédito: Embrapa Semiárido

Antes do desenvolvimento de novas técnicas de cultivo para a cultura da manga, as áreas que mais se adaptavam ao seu cultivo eram apenas as que apresentam estações secas e chuvosas bem definidas. Contudo, as regiões semiáridas brasileiras vêm se destacando na produção dessa cultura, pois através do uso de irrigação é possível manejar precisamente os aspectos de crescimento, floração e frutificação da planta.

A irrigação estratégica no cultivo da mangueira é importante, uma vez que um período chuvoso no pré-florescimento poderá comprometer o repouso vegetativo da planta, e prolongar-se até a frutificação, ocasionando danos causados pela antracnose e pelo oídio. Logo após a frutificação, é benéfica a ocorrência de chuvas ou o acionamento da irrigação, que influencia o desenvolvimento dos frutos e impede a sua queda.

A favor das mangas

As condições edafoclimáticas de uma região estão associadas principalmente à radiação solar, temperatura e umidade do ar, velocidade do vento e pela precipitação pluviométrica. Esses fatores, em conjunto ou isolados, afetam consideravelmente o potencial de desenvolvimento de uma planta, podendo otimizar, caso as características sejam propicias ou estressar, caso sejam inadequadas.

A mangueira é uma planta que apresenta copa densa, e com isso a radiação solar nas folhas internas são insuficientes. Para que essa desvantagem seja superada, é indicada a prática da poda. Assim, a arquitetura da planta favorece a penetração interna de luz, que aumenta a capacidade fotossintética e luminosidade nos frutos.

Pensando em qualidade sensorial de frutos, uma boa iluminação faz com que teores de açúcares e de compostos bioativos sejam otimizados, contribuindo para a aceitação da fruta no mercado.

Quando se refere à temperatura, 24 a 30°C é a recomendada para um bom desenvolvimento da planta. A temperatura afeta desde o desenvolvimento de raízes (favorecida por baixas temperaturas) até a parte aérea (favorecida por altas temperaturas), também relacionada à floração da planta, pois pode ser estimulada com noites frias.

O fator enzimático sofre interferência da temperatura, bem como a qualidade dos frutos. O ideal, nessa fase final de cultivo antes da colheita, é umidade elevada e temperaturas altas.

Fitossanidade

No quesito doença, a umidade do ar é o que mais influencia, sendo que um microclima que favorece o ataque de doenças leva a uma infecção da planta, afetando consideravelmente a sanidade da planta e sua produção.

A mangueira apresenta um sistema radicular profundo, característica que favorece a absorção de água em profundidade e tolerância de até oito meses sem chuva. A precipitação hídrica deve ser controlada em fases estratégicas na fenologia da manga, sendo que antes da floração um estresse hídrico favorece a frutificação, e após essa fase é primordial que se tenha um suprimento hídrico afim de o fruto se desenvolver, oferecendo a garantia de um produto com características desejáveis a nível comercial.

Como escolher

A escolha da variedade de manga a ser plantada deve estar relacionada com as preferências do mercado consumidor, o potencial produtivo da variedade para uma dada região, as limitações fitossanitárias e de pós-colheita da variedade e, principalmente, a tendência em médio prazo do tipo de fruto a ser comercializado.

Sendo a mangueira uma planta com longo período juvenil, a escolha da variedade errada poderá significar enormes prejuízos em curto prazo. Assim, essa escolha é considerada um dos fatores econômicos mais importantes para o estabelecimento competitivo da mangicultura.

A manga é uma fruta muito apreciada em todo território nacional. As variedades mais indicadas para produção devem apresentar alta produtividade, coloração atraente do fruto, polpa doce, com o teor de açúcares (°Brix) superior a 17%, pouca ou nenhuma fibra, além da resistência ao manuseio e transporte.

O porte reduzido da copa, regularidade de produção e a resistência a doenças como má formação floral, antracnose e lasiodiplodia, além da baixa incidência de colapso interno da polpa, são também características preconizadas no momento da escolha da melhor cultivar.

Características de cada cultivar

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) cita como sendo as principais cultivares de mangas com grande potencial para o mercado interno e/ou externo, a ‘Espada’, ‘Rosa’, ‘Haden’, ‘Keitt’, ‘Kent’, ‘Tommy Atkins’, ‘Palmer’ e ‘Van Dyke’. Segue algumas características básicas peculiares a cada cultivar:

Espada: variedade brasileira mais antiga, a árvore é vigorosa e produtiva, o fruto tem uma coloração que varia do verde intenso ao amarelo esverdeado, de tamanho médio (300 g), com casca lisa, espessa e a polpa fibrosa amarelada (18º Brix). É muito utilizada como porta-enxerto.

Rosa: variedade brasileira mais conhecida, a árvore possui porte médio de crescimento, a cor do fruto varia de amarelo para rosa-vermelho (350 g), sua casca é espessa e lisa, com polpa amarelo ouro (21,8º Brix).

Haden: originária da Flórida, EUA, sua árvore é grande, o fruto é ovalado e a cor predominante é o amarelo com vermelho, sabor suave, com pouca fibra (350 a 680 g). A planta é suscetível à antracnose e apresenta o problema de colapso interno do fruto, porém, seu ótimo sabor e baixa produção fazem com que alcance elevados preços no mercado interno.

Keitt: porte da planta ereto e longo, o fruto é grande (610 g) e oval, verde amarelado, com bom sabor (19º Brix) e fibra somente em volta da semente. Vem sendo substituída pelos produtores por outras cultivares. Resistente ao míldio e suscetível à antracnose, possui boa vida de prateleira.

Kent: originada da Flórida, EUA, a árvore é ereta, de copa aberta e vigor médio, o fruto é oval, verde amarelado, corado de vermelho (550 a 1.000 g, saboroso (20,1º Brix) e polpa sem fibra. Suscetível à antracnose e ao colapso interno do fruto, com baixa vida de prateleira.

Tommy Atkins: originada na Flórida, EUA, possui fruto de tamanho médio (460 g), com casca espessa e formato oval, coloração laranja-amarela. A polpa é firme, suculenta e teor de fibra médio. Resistente à antracnose e a danos mecânicos e com maior período de conservação, porém, presenta problemas do colapso interno do fruto. É uma das variedades de manga mais cultivadas mundialmente, representando 90% das exportações de manga no Brasil.

Palmer: variedade semi-anã, de copa aberta, Originada na Flórida, os frutos possuem casca roxa a vermelha, a polpa é amarelada, firme, com bom sabor (21,6º Brix), pouca ou nenhuma fibra. Apresenta boa vida de prateleira e é bem aceita no mercado interno.

Van dyke: árvore moderadamente vigorosa e de copa aberta, fruto de coloração amarela, com laivos vermelhos, e a polpa é firme e sem fibras longas (300 a 400 g). Possui sabor agradável e aroma superior ao da ‘Tommy Atkins’. Atualmente, não apresenta expressão significativa para comercialização.

A escolha da cultivar a ser plantada deve obedecer às preferências do mercado consumidor, o potencial produtivo para uma dada região, as limitações fitossanitárias da planta, além do comportamento na pós-colheita da variedade.

ARTIGOS RELACIONADOS

Saiba o que plantar durante a primavera

O Brasil é um país de dimensões continentais e com grande diversidade climática, por isso, na hora de plantar é importante saber que cada hortaliça se adapta de forma diferente, de acordo com as diferentes regiões e estações do ano.

Bioestimulantes no cultivo da soja

Entre as ferramentas para o aumento de produtividade com lucratividade está o emprego dos bioestimulantes.

Telas de sombreamento: indicações para o cultivo da videira

Conceitualmente, as telas de sombreamento ou malhas agrícolas utilizadas nos telados de produção de uva contêm aditivos que possibilitam uma alteração morfofisiológica, objetivando ganhos em produção, assim como a melhoria de variáveis organolépticas.

Produtores apostam nos biológicos para cultivo seguro e sustentável do tabaco

Prática se estende para diferentes culturas desenvolvidas pelos mesmos agricultores

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!