22.6 C
Uberlândia
quinta-feira, abril 18, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiCultivo conservacionista de tomate no Sul do Brasil

Cultivo conservacionista de tomate no Sul do Brasil

Quando se fala em conversão do manejo convencional para o manejo em plantio direto de tomate, a primeira pergunta a se fazer é a seguinte: dispõe-se, atualmente, de tecnologias de plantio direto possíveis de serem utilizados pelos horticultores?

Leandro Hahn
Engenheiro agrônomo, doutor e pesquisador em Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas na Estação Experimental de Caçador (SC) e professor – Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (Uniarp)
leandrohahn@epagri.sc.gov.br

A ampla maioria dos cultivos de tomate no Sul do Brasil é realizada com revolvimento intenso do solo e sem a adoção de práticas conservacionistas do solo e água. O resultado é uma reduzida qualidade física, química e biológica do solo. A fragilidade da maioria dos solos, muitos com horizontes superficiais de textura arenosa, e o relevo acidentado da região, agravam essa situação, culminando com elevada erosão hídrica.
Nessas áreas, os solos se encontram intensamente degradados e com sua capacidade produtiva reduzida, muitas vezes tendo já perdida, parcial ou completamente, sua camada superficial.

Manejo tradicional

Considera-se a forma tradicional de manejo do solo adotada no cultivo de tomate incompatível com a aptidão agrícola da maioria das terras e seu uso efetivo. Historicamente, o tomate é produzido com elevadas quantidades de fertilizantes e corretivos, com uso incipiente de critérios agronômicos para sua aplicação, resultando no acúmulo de nutrientes nas camadas superiores do solo.
Em cultivos orgânicos, com uso excessivo de fertilizantes orgânicos, esse cenário também ocorre. Desequilíbrios nutricionais nas plantas são comumente verificados em função da altíssima concentração de nutrientes nas camadas superficiais do solo.
O intenso revolvimento do solo o torna suscetível à erosão, resultando em elevadas perdas desses nutrientes para os mananciais de água.

Além da degradação física e desequilíbrio de nutrientes no solo, do ponto de vista biológico, solos com cultivo de hortaliças também se apresentam fragilizados. De modo geral, há baixo fornecimento de resíduos orgânicos e raramente mantém-se o solo com cultivo de plantas de cobertura ou para adubação verde.
A falta de rotação de cultivos diminui a diversidade de organismos do solo e seleciona populações de fitopatógenos, sejam nematoides, fungos ou bactérias. Seguidamente produtores relatam o aumento da incidência de doenças de solo em áreas com longo histórico de cultivo de hortaliças.

A realidade de Santa Catarina

A maior área de cultivo de tomate em Santa Catarina localiza-se na região de Caçador, com cerca de 800 hectares. No plantio direto (PD) do tomate, sugere-se que plantas gramíneas tenham a maior participação na biomassa residual, de modo a obter longo período de cobertura do solo.
Quando o plantio é feito sobre cobertura vegetal, principalmente com aveia, os sulcos para a adubação e o plantio devem ser preparados entre aproximadamente duas a três semanas antes do plantio para melhor incorporação e mistura dos adubos minerais ou orgânicos, que ficarão concentrados nos sulcos.
Ressalta-se que a semeadura da aveia deve ser planejada para que o plantio do tomate ocorra quando a aveia se encontrar na fase de grão-leitoso. Nessa fase da aveia, não é necessária sua dessecação, pois ela é tombada pelo movimento das máquinas e trabalhadores.
Anteriormente a esta fase da aveia, ela deverá ser dessecada, pois o seu rebrote competirá por luz com as mudas de tomate, promovendo o estiolamento das plantas.
Pela necessidade de áreas novas, o tomate seguidamente é implantado em locais com teores baixos a muito baixos de fósforo e, eventualmente, de potássio. Nestes casos, recomenda-se a aplicação em duas etapas: a primeira metade (½) da dose a lanço em toda a área, por ocasião do preparo do solo no plantio da aveia, e a outra metade (½) da dose aplicada na base, no sulco de plantio do tomate.
Esta é a recomendação preconizada pelo Sistema de Produção Integrada de tomate tutorado (Sispit).
Normalmente o tomate (Figura 1) é implantado com abertura de sulcos, necessitando de uma máquina com disco de corte da palhada e um sulcador. Alternativamente, quando o solo já está com a fertilidade e a acidez corrigida, todo o fertilizante da hortaliça pode ser aplicado na implantação da planta de cobertura, seja em área total ou em sulcos que receberão as plantas de tomate (Figura 2). Neste caso, não há qualquer revolvimento do solo.

Pesquisa

Na Epagri, Estação Experimental de Caçador (SC), comparou-se em duas safras a produção de tomate implantado nos sistemas de plantio convencional e plantio direto em quatro coberturas de solo (aveia, nabo, aveia consorciada com nabo e pousio).
Verificou-se que a produtividade de frutos comerciais e Extra AA (os de maior calibre e valor comercial) e a massa média dos frutos foi superior no plantio direto de tomate em comparação ao plantio convencional (Tabela 1).
As plantas de cobertura de solo de inverno, aveia, nabo, aveia + nabo ou o pousio não interferiram nos parâmetros de produção. Nesse caso, sugere-se o uso da aveia, por permitir uma cobertura mais prolongada do solo.

Tabela 1. Produtividade de frutos do tomateiro e massa média de frutos em função do sistema de plantio e da cobertura de solo de inverno.

Resultados

Quando se fala em plantio direto, o leitor de imediato irá imaginar o cultivo de grãos, como milho e soja. Quando se fala em conversão do manejo convencional para o manejo em plantio direto de tomate, a primeira pergunta a se fazer é a seguinte: dispõe-se, atualmente, de tecnologias de plantio direto possíveis de serem utilizados pelos horticultores?
Pode-se dizer que sim, tem-se à disposição tecnologias bem consolidadas e validadas pela pesquisa e em uso pelos produtores de Santa Catarina. O melhor exemplo disso é o PD de tomate na região de Caçador.
Apesar disso, uma série de gargalos precisa ser superada, especialmente o desenvolvimento de um maior número de máquinas e melhores recomendações de manejo de plantas de cobertura e da adubação em PD.
O manejo conservacionista do solo pela técnica do plantio direto de tomate é uma alternativa para o desenvolvimento da produção com viabilidade econômica e sustentabilidade ambiental. O sistema deve receber ajustes conforme as realidades locais, podendo ser desenvolvido nos mais diversos ambientes ou realidades socioeconômicas.

ARTIGOS RELACIONADOS

Dia de Campo apresenta tecnologias da Embrapa para uma pecuária mais sustentável

No dia de Campo serão apresentadas quatro grandes linhas de pesquisa da Embrapa com tecnologias desenvolvidas e já disponíveis para o setor produtivo.

Agrocinco apresenta sua linha de híbridos

  A Agrocinco, neste ano, apresentou os maracujás híbridos da Embrapa: BRS Sol do Cerrado, BRS Rubi do Cerrado e BRS Gigante Amarelo. Atualmente, este...

Luz na estufa traz mais produtividade

    As mudanças climáticas apresentam-se como uma preocupação a mais para a atividade agrícola. Para os produtores de hortaliças, o cultivo protegido tem sido uma...

Silício protege e aumenta a produção do tomate

  Wesley Devair Bittencourt Machini Engenheiro agrônomo da AgroBR Consultoria Agrícola wdevair@hotmail.com A legislação brasileira, hoje, reconhece o silício (Si) como micronutriente, e o silicato de potássio como...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!